Translate

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Amy, o resultado

Você viu o resultado final do exame no corpo da cantora Amy Whinehouse?

Não?

Eu vi, escondidinho num canto baixo de um desses sites de notícia. Nos jornais impressos, só o estadão deu na primeira página, mesmo assim com o menor tamanho de letra disponível. O Globo e a Folha, nem isso.

Não foi a heroína, a cocaína, o crack ou qualquer outra substância proibida e demonizada o agente químico que determinou o colapso fatal da melhor cantora surgida nos últimos, sei lá, 30 ou 40 anos.

O álcool a matou. Isso mesmo: overdose de álcool. Seus órgãos e seu sangue estavam encharcados de vodca.

No veredito dos legistas, está a razão para que a notícia fundamental no caso tenha sido escondida, quase sonegada pelos meios de comunicação de massa: a causa da morte.

Um contraste gritante com o alarde que fizeram quando ela foi encontrada morta, há uns dois meses. Editores salivavam nas redações imaginando o carnaval que fariam quando a substância ilícita fosse anunciada.

Agora, o anticlimax. Amy morreu de beber, aos 27 anos. Nisso, ela difere de Hendrix e Janis Joplin.

A razão de mais essa derrapada da mídia é que o álcool é parceiro. Nos cofres das emissoras de TV, por exemplo, entram bilhões direto da conta de quem produz e vende bebidas alcoólicas.

E não fica bem para um sócio tão antigo e nobre ser associado em manchetes à morte de um ícone mundial cultuado também pelos adolescentes.

8 comentários:

  1. 'Derrapada' denota culpa sem dolo. A mídia dá é cavalinho de pau mermo.

    Abraço, Migliaccio, fica com Deus.

    ResponderExcluir
  2. Eu achei engraçado este vídeo.

    http://www.youtube.com/watch?v=lyoZS140nU4

    ResponderExcluir
  3. Sabe como é, Marcelo, lícito, é contextual. Controle de Dano é apenas uma infinitesimal parte da verba para saúde pública.
    Os impostos sobre as drogas lícitas as protege, as atividades de "inteligência", principalmente estrangeiras, protegem as 'ilícitas', e a mídia, protege quem anuncia ou a beneficia, por isso as concessões.
    É possível que com o advento da internet, enquanto meio, a informação possa transitar e realmente informar as pessoas. Mas o fluxo não é unilateral, as pessoas tem que buscar fontes confiáveis. As fontes confiáveis tem que se afastar dos meios de manipulação. AFP, REUTERS, Observatório da Imprensa, ainda são pouco para nortear o público, e principalmente, filtrar a manipulação, a distorção, do autêntico jornalismo.
    Saúde, paz e prosperidade,

    ResponderExcluir
  4. "...o ideal dos anonymous é completamente oposto às intenções da Veja.(...)"

    http://hempadao.blogspot.com/2011/10/anonimos-na-veja-veja-so-hemportagem.html

    ResponderExcluir
  5. Também tive essa sensação, esperava a noticia de que ela tivesse morrido de overdose de cocaína crack. enfim drogas ilícitas e caras, parece que eu fiquei decepcionado.
    O álcool é droga, sem duvida, pois altera o estado de consciência, porém paga altíssimos impostos assim como o cigarro, que pra mim é pior que o álcool por incomodar quem não fuma.
    Sergio.

    ResponderExcluir
  6. Mauro Pires de Amorim.
    Realmente Marcelo, é inegável o poder das grandes corporações junto à mídia e o Estado. E com a indústria etílica não é diferente.
    A FIFA está pressionando para alterar a legislação brasileira e aprovar uma legislação específica, temporária, que permita a venda de bebidas alcólicas nos estádios durante a Copa do Mundo, bem como quer acabar com a meia entrada para estudantes e idosos. Pelo jeito, a FIFA e seu lobby mudou-se da Suiça para Brasília. Durante a Copa de 2006 na Alemanha, a FIFA tentou fazer a mesma coisa, só que o governo alemão não arredou pé. E quanto ao Brasil, será que se mostrará um país soberano e autêntico ou dará demonstrações de que é a Casa da Mãe Joana?
    Felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir
  7. Eu tambem achava,que a Amy tivesse morrido de overdose de crak ou cocaina.Pois na época da morte dela,eu não lí em nem um site,e não ví em nem um telejornal,que a overdose foi de bebida alcoólica. Boa noite Marcelo.

    Monica.

    ResponderExcluir
  8. Proibicionistas se aproximam da passeata da maconha com seus filhos e depois reclamam que as crianças estão ouvindo o quê ali está sendo dito. Basicamente, essa é a reclamação que será julgada amanhã no STF.

    A alegada 'incitação ao crime'. Senhores pais, então, joguem suas televisões e pc's no lixo, pois é onde mais há veiculação de assassinatos e crimes, regados ao charme holywoodyano, de toda espécie. 8x0 no julgamento da Marcha com exaustiva e minuciosa explicação durante horas sobre o tema não foram suficientes.

    Enquanto isso pastores lavam dinheiro criminoso e milicianos tentam sitiar um país inteiro. Proibição, a cortina de fumaça ideal.

    ResponderExcluir