Translate

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Anatomia de uma derrota

OS 7 A 1

Empresários mandando nas peneiras (Alemanha 1 a 0)
Clubes dependentes da televisão (Alemanha 2 a 0)
Federações em conluio com a CBF (Alemanha 3 a 0)
Violência das torcidas organizadas sem punição (Alemanha 4 a 0)
Ingressos caros que o povão não pode pagar (Alemanha 5 a 0)
Jogadores sem relação afetiva com clubes (Alemanha 6 a 0)
Salários e negociações fora da realidade (Alemanha 7 a 0)

Tradições do passado (Gol de honra do Brasil)

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Sol, lua, sol, lua...

Ainda ontem, vi um senhorzinho caminhando na rua, a passos vagarosos, cabelos brancos, meio calvo. Reparo bem nos seus olhos por trás das lentes dos óculos e sinto uma familiaridade. Examino ainda mais e vem aquela familiaridade.

Acho que conheço. Terá sido meu professor? Ou um vizinho em cujas janelas eu chutava desastradamente a bola? Avô de um coleguinha? Não sei, faz tempo e eu devia ser muito pequeno pra lembrar dele agora, com exatidão.

Quem será mesmo esse velhinho tão familiar?

Antes que eu tome coragem para perguntar, o ancião entra num táxi com dificuldade, mas é aí que vem a surpresa. Pelas pernas arqueadas para o mesmo lado, tipo Garrincha, reconheço.

É o Tunico! Sentava na carteira ao lado da minha durante todo o ginásio...

Aquele senhorzinho é da minha idade! O tempo passa e a gente não vê no espelho...

domingo, 21 de junho de 2015

Brasileiros

Desde cedo, ele teve que se virar na vida para sobreviver. Chorou, gritou o mais alto que pode até que alguém ouviu e foi tirá-lo daquela caçamba de lixo onde sua mãe o havia deixado.

O catador de papel, mesmo anestesiado pela cachaça, ficou em choque.

Achou que era um gato miando naquele monte de pano mas era um bebê.


quinta-feira, 18 de junho de 2015

O novo "esporte"...

"Laissez faire, laissez passer" que o mundo vai pro brejo por si mesmo. Esse é o novo esporte que em breve nossos filhos poderão praticar. Adicionaram um pouco mais de crueldade às "regras" do UFC. Aqui, o linchamento é permitido. Com vocês, o TFC, que também pode ser chamado de "o fim dos tempos". O Ministério da Porrada adverte: não assista se não tiver lugar pra vomitar por perto.

Ensinamos isso às crianças e, quando elas querem mostrar o que aprenderam, colocamos na cadeia.

terça-feira, 16 de junho de 2015

Infeliz aniversário

Hoje, ele faria 65 anos. Faria se não tivesse sido covardemente assassinado por um governador insensível e um conluio de empreiteiras num negócio de R$ 1,5 bi. Era lá que o carioca desopilava o fígado num vulcão de emoções dominicais. Era lá que patrão e empregado se uniam uma vez por semana para rir ou chorar juntos.


Mas o mataram sem piedade, apesar dos protestos, das ações judiciais, do clamor de todo um povo.O que era tombado acabou no chão. Nem o esqueleto queriam deixar, e teria sido melhor assim, porque não nos lembraríamos de como fomos felizes toda vez que passamos por lá.


Colocaram em seu lugar um impostor. Uma arena fria onde pobre não entra. O velho e majestoso Maracanã era do povo, a arena impessoal é dos mauriçolas, até a torcida do Flamengo embranqueceu. No coração e na memória do carioca jaz o maior estádio do mundo, transformado num cemitério das emoções, num grande estúdio de TV onde atores medíocres jogam com um olho na bola e outro no telão.


Muito dessa violência que vemos nas ruas do Rio, muito desse mau humor destilado pelos cariocas, não tenho dúvida, decorre de terem lhes tirado o circo onde extravasavam as tensões de uma semana dura. Saudades, meu querido Maracanã! Foi um crime o que fizeram com você e conosco.






quinta-feira, 11 de junho de 2015

Direito de imagem


Então, ficamos combinados assim: eu vou escrever um livro sobre a sua vida. Quando sair, você vai na livraria, compra e lê. Se não gostar, contrata um advogado e entra na Justiça.

Quem mandou ser um artista de sucesso com milhares de fãs? Quem mandou ser rico e famoso? As pessoas querem saber da sua vida, com quem você vai pra cama, que drogas já usou e como foi aquele dia em que você quase morreu. Ah, a doença da sua mãe e a opção sexual da sua filha também são do interesse público, viu? Chegou a hora de alguém ganhar dinheiro expondo o que você tem de mais precioso e inalienável _ a sua intimidade. Para isso, não hesitará em ouvir seus inimigos ou gente que mal te conhece. Checar? Com quem, se você não vai ser consultado?


Acho que a melhor biografia que eu li foi a do Keith Richards. Escrita pelo próprio, nada tem de chapa branca.

A liberdade de expressão termina onde começam os direitos individuais e a privacidade é um dos mais preciosos entre eles. Mas o STF foi unânime em dizer que o grande circo midiático pode tudo se a grana for boa.

Não se conhece um país ou um povo devassando a vida das pessoas. Pública é a obra do artista, não sua vida pessoal.

Se a biografia é honesta, que mal há em submete-la antes ao biografado ou a seus herdeiros legais.

Já que você vai faturar em cima da fama que alguém construiu com suor e talento, pelo menos seja educado.

Quem escreve isso é um jornalista que não esqueceu as aulas de ética e de direito de imagem na faculdade.

terça-feira, 9 de junho de 2015

Mata e esfola

Prenderam a "mãe-monstro", decreta o jornaleco sensacionalista.

A cada dia, temos um judas novo pra malhar. Hoje, é a megera que deixou o filho de cinco anos sozinho em casa e sem comida por dois dias. Ontem, era o adolescente de 16 anos que matou o médico ciclista a facadas. Esse foi inocentado agora pelos dois verdadeiros autores do crime da Lagoa.

Entre os dois, houve um outro candidato, o playboy que acabou com a festa do irmão dando estiletadas nos convidados. Mas esse, da classe alta, não convém à imprensa crucificar, costuma dar em processo e indenização depois...

Amanhã, podem descobrir que a mãe-monstro não era tão monstro assim. Talvez seja doente, talvez malvada, condenada já foi. Pouco importará. Já cumpriu seu papel de alimentar nosso escárnio de cada dia e amanhã haverá outro Judas para malharmos.

domingo, 7 de junho de 2015

Humor pardo

Entreouvido no centro do Rio...

_ Moço, por favor, onde é a estação do metrô Cinelândia?

_ A senhora segue em frente pela Avenida Rio Branco, atravessa ali no sinal, fica na terceira facada à esquerda.


terça-feira, 2 de junho de 2015

Como nossos pais

Querem mudar as coisas de verdade?

Então esqueçam essa pirotecnia de baixar a maioridade penal, que só vai acelerar a espiral de violência e piorar o que já está ruim.

Que tal chamar os pais às falas? Sim, responsabilizar os pais por qualquer ato criminoso que seu filho pratique até os 18 anos. Assim, certamente eles prestariam mais atenção na educação dos seus. Com a ameaça de ir pra cadeia, talvez não abandonassem seus filhos na rua, no shopping, no condomínio. Talvez lhes interessasse o que seu rebento de quatro anos anda vendo na TV. Talvez não vestissem suas filhinhas como prostitutas. Talvez ficassem preocupados se o garoto não consegue parar de dar tiro no videogame. Talvez não incentivassem a agressão covarde a um oponente caído porque alguém inventou que isso agora é esporte. Talvez fossem para as ruas protestar contra a péssima escola que o estado oferece.

E entendessem que é melhor ser amigo dos filhos e respeitá-los desde cedo do que tentar ser o chefe deles.

Tem que chamar o papai e a mamãe na frente do juiz e perguntar:

_ Meus caros, seu filho de 15 anos anda por aí estuprando. Onde é que vocês estavam enquanto ele se transformava nisso?