Translate

domingo, 25 de setembro de 2011

Rio (da Plata) acima

Apesar de näo gostar muito de viajar, encarei três horas de aviao para conhecer Buenos Aires. Está valendo muito a pena, a cidade é bonita, mais ou menos o que seria Sao Paulo se tivesse dado certo...

Muitas praças, todas grandes e bonitas, largas avenidas, prédios clássicos e muito, muito comércio. Fiquei me perguntando como tantas lojas, cafés, restaurantes e teatros resistiram à crise econômica de que tanto ouvimos falar no Brasil.

Mas, nesta manha de domingo, peguei o Clarín, o maior jornal daqui, e logo comecei a entender um pouco melhor este país. Trata-se de um similar do nosso jornal que tem nome de biscoito de praia. Persegue a presidente Cristina Kirchner (que o Clarín insiste em chamar de Cristina Fernandes só de pirraça). O jornal diz que ela nao gosta da liberdade de imprensa... aquele papo que conhecemos bem. Cristina deve ter reclamado de pseudoreportagens como as que faz a nossa revista que pensa que o leitor é cego...

Só que, como os grandes jornais e revistas brasileiros, o Clarín influencia muito pouco os argentinos, que estao prestes a reeleger Cristina mais um mandato.

O Clarín deste domingo também trouxe uma reportagem (acho que posso chamar assim) sobre a desvalorizaçao do real em relaçao ao dólar. E diz que a cada ponto percentual que o Brasil deixa de crescer, a Argentina perde US$ 700 milhoes em exportaçoes.

Outra matéria que cita o Brasil é sobre o mercado imobiliário em Miami (EUA). Diz que os argentinos ricos estao investindo muito em apartamentos por lá, aproveitando a queda de preços decorrente da crise enfrentada pelos americanos. No ranking de compras de apartamentos com valores entre US$ 700 mil e US$ 1 milhao, os portenhos estao na frente dos brasileiros.

Bom, vou conhecer melhor a cidade e depois conto mais. E vou tentar nesse meio tempo descobrir onde está o til nos teclados dos computadores argentinos. Até agora, só encontrei um em cima do n: ¨ñ¨

9 comentários:

  1. Mauro Pires de Amorim.
    Estive em Buenos Aires há quase 2 anos e concordo com você. Tome cuidado com os alguns taxistas, tenha sempre dinheiro trocado ou o mais aproximado possível do valor da corrida, pois golpe recorrente aplicado pelos maus profissionais do ramo é você dar uma nota de peso em valor muito alto em relação ao valor da corrida e eles te darem o troco errado e quando você reclamar, eles alegam que você não deu a nota de alto valor, mas sim notas no valor aproximado da corrida e aí é sua palavra contra a dele. Outro golpe aplicado pelos maus taxistas é o da nota falsa. Você dá uma nota de valor bem superior ao valor da corrida e aí o taxista alega que não tem troco, se prontificando a trocar a nota para você, na volta, ele alega que não conseguiu trocar a nota de alto valor, devolvendo para você na verdade uma nota falsa e quando você tentar trocar ou pagar algo com a nota falsa, descobrirá a troca.
    Não são todos os restaurantes argentinos que tem o costume de incluir a gorjeta do garçom na conta (propina, para eles), mas no entanto os garçons (mozos, para eles) gostam muito quando colocamos em prática nosso costume dos 10%. A gorjeta lá é aleatória, conforme o desejo do freguês. Portanto, caso não esteja na conta o valor da "propina", pegue a caneta, faça você o cálculo e dê os 10%, caso você goste do serviço, que eles costumam ficar bem felizes e diga que "es un costumbre brasileño".
    Boa estada em Buenos Aires, felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir
  2. Buenos Aires é lindo. Estive em 1996 quando se podía caminhar de madrugada sem ser assaltado.E uma cidade européia dentro da América Latina. Na Ricolleta tem muitas casas noturnas,vale a pena. Quanto à Miami os apartamentos e casas estão mais baratos que no Rio ou em qualquer cidade brasileira e com uma infra-estrutura de primeiro mundo.

    Provecho !

    Pedro
    Pedro

    ResponderExcluir
  3. Ai Marcelo,que inveja de vc.Mas deixa só eu parar de trabalhar,e vc vai ver,vou conhecer o mundo inteiro.Só uma coisa,São Paulo,como outras grandes cidades do nosso Brasil,não deu certo,por falta de bons políticos,e vc sabe disso,mas vamos deixar isso pra lá,no momento estou aguardando mais novidades de Buenos Aires.Ah,vê se vc encontra em alguma esquina por aí,o tal do til que sumiu do pc. rs Beijo.

    Monica.

    ResponderExcluir
  4. Po, como tem argentino com grana! Se gastar U$700,000 a U$1,000,000 num imovel eh gastar uma grana preta, com o cambio de 4.00 pesos por 1.00 dollar sao pesos que nao acabam mais! Creio que seja a direita rica que esta fugindo, assim como os cubanos (nem tanto) e venezuelanos, para a Florida! Vao acabar fundando a little Buenos Aires por la...) e tudo por causa da Cristina... Nada contra mas, sinto-me com sorte por ter comprado a minha casinha (menos de U$100,000. Dinheiro honesto e suado!)em Orlando. Sao uns 300 Km de Miami.
    Aproveita enquanto tem gente por ai. Vai caminhar na Florida, Lavalle, Corrientes, Suipacha, Maipu. Vai ate a estacao de trem na praca do relogio (eh so descer a Florida). Se informa. Pega um trem e vai ate o estuario tigre e la faca um passeio de barco. Voce vai ver coisas maravilhosas! Vale a pena!! Voltando a cidade, nao esqueca de ir ao palacio de las papas. Eles servem uma batata frita, cortada em rodela, que estufa. Parece um pastel. Mais importante: desfrute do cambio favoravel e gaste sem se sentir culpado. Afinal, pagar uns R$15 por uma garrafa de vinho soh mesmo em restaurante em Buenos Aires, tche!

    ResponderExcluir
  5. Faltou colocar meu nome no "anonimo" no texto que comeca com: "como tem argentino com grana! Se gastar U$700,000 a U$1,000,000 num imovel eh gastar uma grana preta..."
    Ariel Galvao

    ResponderExcluir
  6. Ser der, assista a um show no C.C. Torquato Tasso, na Defensa 1575, em San Telmo. A casa é agradável e a música costuma ser boa. Marco.

    ResponderExcluir
  7. Obrigado pelas dicas, Mauro, Marco e Ariel. E, anônimo, jà comi asd papas do Palacio. Ótimas! Monica, venha conhecer! Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  8. Mauro Pires de Amorim.
    Bem, pelo teor de meu comentário anterior contendo algumas dicas sobre Buenos Aires e sendo um sujeito inteligente e sagaz do jeito que você é, acostumado com o Rio de Janeiro e ciclista do nascer do sol e madrugadas, deve ter percebido que andar com a carteira recheada, especialmente com notas de alto valor, como de 100 pesos, não é bom negócio, sobretudo porque nós brasileiros somos os gringos na terra deles e turista, mesmo no 1º mundo é sempre alvo em potencial dos "milongueiros" de plantão.
    Mais uma vez, boa estada em Buenos Aires, felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir
  9. E mesmo, Mauro, obigado pelas energias. valeu

    ResponderExcluir