Translate

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Já viu bancos se esconderem?

Ôla, que tal?

Gastando sola em solo argentino, já vi muito da cidade, graças a um casal de amigos brasileiros que já morou aqui e vai comigo para baixo e para cima.

A cidade é realmente muito bonita. Tem feito calor. Mas a cultura do povo é totalmente diferente da brasileira. Sao mais fechados, nao ficam rindo a toa para os outros na rua. No comércio, distinguem brasileiros de longe. Arrisam até um portunhol.

Os camelôs estao invadindo a Rua Florida, uma das principais ruas comerciais daqui, paraíso dos turistas. A maioria dos ambulantes é boliviana. Vivem nas favelas, fazem os trabalhos que no Rio sobram para negros e nordestinos. Me senti na rua da Alfândega, só nao tem choque de ordem... por enquanto...

Também há mulheres esmolando com crianças nos braços, como no Brasil. Claro, muito menos que no Rio... por enquanto. Argentinas e bolivianas, assim como os flanelinhas que ficam próximos aos restaurantes. Vivem nas favelas mais miseráveis, pois a concentraçao de renda e a falta de oportunidades é globalizada.

A coisa que mais me chamou a atençao é a discriçao dos bancos. Nao se vê aquela festa colorida das agências bancárias. Disseram-me que eles se retraíram depois daquelas invasoes de pessoas desesperadas com a crise econômica ocorridas há alguns anos. Faz sentido. Os bancos praticamente se esconderam na Argentina.

Os locais com quem conversei me confirmaram a admiraçao que tem pelo Brasil e pelos brasileiros, bem diferente que da ideia preconceituosa que a mídia do Brasil insiste em difundir.

O problema deles, me parece, é com os chilenos.

Quinta-feira estarei de volta. Nao aguento mais comer carne vermelha...

Mas está valendo muito a pena conhecer este país e, principalmente, ter vindo com a minha filha, com quem raramente tenho a oportunidade de conviver em tempo integral, pois no Brasil moramos separados.

6 comentários:

  1. http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/explosao-deixa-um-morto-e-oito-feridos-na-argentina/n1597241161850.html

    Tu levou a onda de bueiros da CEG/LIGHT praí?

    ResponderExcluir
  2. Como uma cidade pode cambiar em 15 anos. A rua Florida não havia camelos, era uma cidade segura,limpa e poética. Que pena que a Argentina que foi um país de primeiro mundo está descendo rio abaixo. Parece que os descendentes ibero-americanos estão empenhados na busca da pobreza.

    ResponderExcluir
  3. O pior, Uatu, é que cada vez que piso num bueiro aqui me vem a paranoia carioca à cabeça.

    ResponderExcluir
  4. Não Marcelo,não é que a gente fique rindo atoa,pois já é da nossa cultura,receber as pessoas de uma forma agradável,com alguns estrangeiros que já conversei,eles sempre me falaram da simpatia dos brasileiros.

    Em qq lugar do planeta,tem frango peixe e verduras,portanto vc está comendo só carne vermelha porque quer,isso é desculpa esfarrapada. Abs.
    Monica.

    ResponderExcluir
  5. Tem razao, Monica, eu poderia ter comido salada!

    ResponderExcluir
  6. Por conta dessa rivalidade, ficticia ou nao, nunca tive muita vontade de ir a Argentina, pelo menos pagando do meu bolso. Por conta disso conheco Tokio, mas nao Buenos Aires. Em novembro, finalmente irei a trabalho. Mas se tem uma coisa que eu nao comerei por la eh salada.

    ResponderExcluir