Translate

sábado, 7 de janeiro de 2012

O imbecil

O bem mais valorizado hoje em dia não é o ouro, nem o dólar, nem o petróleo, nem a cocaína.

O artigo mais valioso na atual sociedade de consumo é o imbecil.

Um imbecil tem um valor inestimável para o sistema produtivo. Dê-me um imbecil e eu lhe darei o mundo.

Em todas as profissões, todos os chefes, diretores executivos, sócios majoritários e presidentes de empresas procuram desesperadamente por imbecis no mercado. Não há nada melhor que nomear um imbecil para o cargo imediatamente abaixo do seu. Ele nunca o ameaçará e jamais tomará seu lugar. Cumprirá as ordens mais absurdas sem pestanejar. Mesmo que esta ordem seja fatal para o destino da empresa ou da instituição, o imbecil jamais vai contestá-la. Cumprirá cegamente a determinação mesmo que isso o leve, a médio prazo, para a fila do seguro-desemprego.

E assim vão sendo nomeados gerentes, assistentes de direção, editores-adjuntos, assessores parlamentares, chefes de gabinete, ajudantes de ordem e uma série de outros cargos notoriamente ocupados por imbecis _ salvo as honrosas e lúcidas exceções, nas quais você, que já está pensando em me xingar, certamente se enquadra.

Essa gente deixa seus chefes absolutamente tranquilos, porque não terá competência, ímpeto ou talento para roubar-lhes o lugar.

Os anúncios de emprego deveriam colocar, ao lado da boa aparência, do domínio do idioma inglês e da pós-graduação, o requisito fundamental: que o candidato seja um irremediável imbecil.

Uma das razões para o imbecil cumprir à risca tudo o que lhe mandam fazer é que ele é um imbecil.

A outra razão é que todo o imbecil é, por definição, um medroso. Com pavor de perder seu emprego, o imbecil nem de longe pensa em questionar qualquer incumbência que lhe dão.

Talvez por isso o mundo tenha desenvolvido e dado poderes quase sobrenaturais à mais perfeita fábrica de imbecis que existe: a televisão. Desde que a criança nasce, seus pais _ que não têm saco ou tempo para educá-la _ entregam a pobrezinha à babá eletrônica. Como os professores das escolas públicas e particulares são na maioria dos casos um punhado de imbecis (não estou generalizando, falo apenas da maioria), os estabelecimentos de ensino não oferecem o contraponto necessário ao lixo que é despejado na cabeça de meninos e meninas desde a mais tenra idade pela TV.

O resultado é que, deseducada por sumidades como Ratinho, Luciana Gimenez, o casal telejornal, Adriane Galisteu e pelos autores de novelas das nossas emissoras, a criançada se transforma, lá pelos 10, 12 anos, em indivíduos sem senso crítico, sexistas, preconceituosos, consumistas, racistas, agressivos e machistas (inclusive as garotas).

O imbecil não tem senso crítico, ele não contesta, não analisa, não raciocina. Se é Carnaval, ele pula. Se é Natal, ele compra. Se é Réveillon, ele vai para a praia ver os fogos...

Agora, imbecil é até eleito para a Academia Brasileira de Letras...

E assim vamos renovando a manada de imbecis que transformaram nosso planeta nesta bela festa injusta e poluída.

Se é Natal, todo mundo compra...

28 comentários:

  1. Este seu texto roda pela Internet... com toda certeza é porque todos os seres humanos do planeta conhecem um imbecil.

    ResponderExcluir
  2. Essa do imbecil é ótima.
    Outro dia li na Barra uma propaganda do BRT que dizia: "Com o BRT o Rio é mais veloz".
    Será que o imbecil que bolou esse slogan pensa mesmo que ser mais veloz no trânsito é melhor ?
    Não seria melhor: "Com o BRT o Rio é mais eficiente e mais completo".
    Pior que essa do BRT só mesmo o Bradesco anunciando que árvore da Lagoa é um presente para os cariocas. (presente ???)
    Com certeza, os cariocas preferem trocar esse presente por uma boa escola ou um bom hospital.
    Cury

    ResponderExcluir
  3. Mais uma vez venho apoiar o que o senhor apresentou em seu blog no dia 07 de janeiro. Acredito que a fábrica de imbecilidade começa na televisão e se prolonga em todos os níveis, desde a família, até a escola. Muitos chamariam essa minha percepção de complexo da teoria da conspiração. Mas, se observarmos, tal como o senhor faz, veremos que o imbecil, o egoísta, o centrado em si mesmo, o medroso, o preconceituoso, etc, etc, servem plenamente aos propósitos daqueles que pensam com o dinheiro, abolindo a política, o ideal, a busca de quaisquer propósito de harmonia.
    Quando entramos em algumas lojas – grandes ou pequenas –, nos deparamos com moças e rapazes de olhares vazios, sorriso falso, e o desejo visível de nos expulsar dali. O freguês, o cliente, ou o que quer que seja, atrapalha. O quê, não sei. Talvez a hora do recreio permanente em que essas pessoas desejam viver, como se a vida lhes devesse a distração, como se o cliente lhes devesse a experiência da vida dos “famosos”.
    Acompanho mais de perto as relações escola-família e a atuação das pessoas no comércio do que as vividas em empresas, mas, pelos resultados, a coisa é a mesma.
    Não sei se haverá possibilidade de uma busca saudável de convivência afetiva, de seriedade na realização das tarefas, de respeito pelo outro, em casa, na rua, nos ambientes de trabalho. Essa busca é sempre qualificada como “fora da real”. Que pena. Ser gente de fato, entre outras gentes, é tão bom.

    ResponderExcluir
  4. Marcelo é verdade parece cargo politico no Brasil e serviço público...só paga imbecil esse tipo de gente vai dominar o mundo.

    ResponderExcluir
  5. Marcelo,entre os programas bobos da TV aberta,faltou incluir o Reality Show,que vamos combinar é o pior de todos,e mesmo assim ainda dá audiência...
    Se bem que a TV p/assinatura,também tem alguns programas que deixam a desejar,mais ainda assim é um pouco melhor que a nossa TV aberta.
    Boa semana.

    Monica.

    ResponderExcluir
  6. Adorei o "Se é Carnaval, ele pula. Se é Natal, ele compra. Se é Réveillon, ele vai para a praia ver os fogos." ;o))

    ResponderExcluir
  7. O ano mal começou e já temos um dos melhores textos. Esse vai pro Top Ten de 2012.
    A propósito Marcelo, perdi duas boas oportunidades de emprego porque fui considerado muito preparado... visivelmente as pessoas ficaram preocupadas de que eu ocupasse o lugar delas futuramente.... hoje em dia, não basta ser competente, tem de ser imbecil....

    Jorge

    ResponderExcluir
  8. Oi Marcelo, tudo bem?

    Só você mesmo!
    Além de tudo, ri muito. Eu adoraria saber o que foi que detonou essa análise sobre o "ser imbecil".

    Lembro do esforço que eu fazia, quando minha filha era pequena, para embarreirar imbecis, que pudessem ser candidatos a ídolos ou modelos. Era um árduo trabalho. Eu dizia a ela: Ao invés de ficar aí sentada, parada, assistindo trabalhos que são ruins, vai criar suas histórias, produzir suas coisas, pensar no que você gostaria de fazer. E alertava: Estão querendo que a gente compre isto ou aquilo.
    Às vezes ela entendia, às vezes não. E às vezes, ficava muito, muito irritada com as minhas intromissões.
    Mas deu certo.

    Acho que o único jeito de intervir na produçao dos imbecis é cuidado da raiz e acompanhando o desabrochar dos que chegam neste mundo. Ir falando, conversando, ensinando e aprendendo.
    Porque ninguém nasce imbecil, né Marcelo?

    Beijos,
    Ótimo começo de ano, hein!

    Hanna.

    ResponderExcluir
  9. Caro MM...obrigado pela enorme satisfação sentida durante e após a leitura deste pontual e brulhante texto, onde você fez barba, cabelo, bigode e, até, bainha. Irretocável sob todos os aspectos e assino embaixo. O processo de infantilização ou de deixar na eterna adolescência mental _fundamentalmente pela mídia televisiva_a quase totalidade do povo, contribui decisivamente para o consumo desefreado e sem questionamento,e, ato contínuo, para a imbecilização generalizada. Não estou-me eximindo...tenho idiotices e diossincrasias, também... porém, suponho, com alguma criticidade. A minha sorte é que não gosto, não preciso, e nem sou obrigado a assistir à "MALDITV".

    Concordo que o resultado disto tudo, nas palavras da Rita Lee, ou Lita Ree?! rsrs...é, que, também, o mal gosto apossou-se, assolando a humanidade.Quanto mais medíocre, apelativo, pior, ou mais vulgar, mais sucesso, e mais público, quantitaviamente, cruzes!
    Lembrou-me este post, em parte, do Roberto Shinyashiki:
    (...)" É contratado quem é bom em conversar, em fingir. Da mesma
    forma, na maioria das vezes, são promovidos aqueles que fazem o jogo do poder.
    O vice-presidente de uma das maiores empresas do planeta me disse: “Sabe, Roberto, ninguém chega à vice-presidência sem mentir".
    Temos um modelo de gestão que premia pessoas mal preparadas.
    Ele cria pessoas arrogantes, que não têm a humildade de se preparar, que não têm capacidade de ler um livro até o fim e não se preocupam com o conhecimento. Muitas equipes precisam de motivação, mas o maior problema no Brasil é competência. CUIDADO COM OS BURRROS MOTIVADOS!!! Há muita gente motivada fazendo besteira. Não adianta você assumir uma função para a qual não está preparado.(...)O Brasil se tornou incompetente e não acordou para isso".
    Abraço

    ResponderExcluir
  10. Desculpe, esqueci-me da identificação no comentário anterior: Marcos Lúcio.

    ResponderExcluir
  11. Se possível, corrija duas palavras mal digitadas: idiossincrasias e quantitativamente.
    Obrigado.

    ResponderExcluir
  12. Sensacional esse post ! Realista e muito engraçado
    também ! Infelizmente você está certo.
    Tenho uma curiosidade,se você fosse um empresário,como conduziria seus funcionários ?

    ResponderExcluir
  13. Se eu fosse um empresário, Teresa, venderia imediatamente a empresa e iria morar numa praia deserta, sobrevivendo com o mínimo possível. Acho que eu jamais seria um empresário, não aguentaria os puxa-saco.

    ResponderExcluir
  14. Quanto à mim, em relação ao conteúdo do texto tento me vigiar diariamente pra que eu vá diminuindo a minha imbecilidade. Como disse sabiamente JESUS
    à aproximadamente 2000 anos, VIGIAI E ORAI.
    ele disse pra vigiar os nossos pensamentos
    até porque não tem como saber o que o outro pensa.
    Sergio.

    ResponderExcluir
  15. Este texto, especificamente, foi excepcional! Gosto, de modo geral, dos textos deste blog, mas este foi impactante. Perfeito e parabéns!

    ResponderExcluir
  16. http://raladofalandoserio.blogspot.com/
    me identifiquei de mais com o que você escreve,tenho esse blog e adoraria saber sua opnião quanto a ele. Adoro ouvir críticas,sejam boas ou ruins. Abraço e parabéns pelo blog, vou divulgar no meu face.
    Ralado Monteiro / Facebook

    ResponderExcluir
  17. DU CARACA!!! HEHEHEHEHEHEHEHEHEHEHE!!!

    ResponderExcluir
  18. não entendi, porque o pessoal da globo não foi citado?

    ResponderExcluir
  19. Olá Migliaccio!
    Mas, uma vez tenho que concordar com você. A TV realmente é a maior produtora de imbecis no Brasil. Você fez, também uma citação aos professores, sou um deles (professor de história), porém, pecebo que muitos dos meus colegas realmente não estão prepardaos para iniciar o processo de "desimbecialização" dos estudantes, pelo contrário: em sala de aula, estes professores reproduzem os esteriótipos da sociedade do consumo, fomentam preconceitos, etc. Quanto a mim, procuro despertar nos estudantes esse senso crítico, confesso: é uma tarefa árdua, mas, como sou teimoso sigo insistindo (rsrsrs). Onde se pode obter melhores resultados é com o pessoal do pré-vestibular. Vou relatar algo absurdo que ocorreu em uma sala de aula com uma aluna do 8º ano do ens. fundamental. Certa vez em uma escola particular, estava trabalhando com os alunos a questão da desigualdade social, preparei e apresentei um texto, passei um vídeo, levantei uma discussão, estimulei o raciocínio e o senso crítico. Muito bem, isso feito, perguntei a uma aluna, moradora de um dos bairros esquecidos da Zona Oeste carioca o seguinte: fulana, o que pode ser feito no seu bairro para que mude a realidade da população? A resposta, para meu espanto, foi a seguinte: construir um shopping center!!! Confesso, quase infartei. Isso nada mais é do que o processo de "imbecialização" pela qual a maioria dos brasileiros passam ao consumir o lixo televisivo, essa maioria não é cidadã, é somente mercadoria e consumidor compulsivo. Pensar pra que? Como diria o outro: "pensar cansa", questionar então nem se fala. Todavia, continuo firme no meu nobre trabalho de "desalienar" os adultos do futuro (rsrsrs).
    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, Rosan, os bons professores que a gente têm nunca esqurece. Felizmente tive alguns ótimos, parabéns pela sua cruzada. Abraço

      Excluir
  20. Mas que saudade que eu estava de ler gente
    inteligente, Marcelo! Como se diz por aí, gente "cabeção" (na minha época era CDF).
    Será porque com o tempo a inteligência saiu de onde estava e foi subindo aos poucos até chegar onde sempre deveria ter estado, na cabeça?
    Aliás, com o perdão da ignorância, nunca consegui entender porque o menino ou a menina mais estudiosos (não necessariamente os mais inteligentes) ganhavam o apelido de CDF. O que o C tem a ver com o I de inteligência? Antigamente, como hoje, as pessoas saiam repetindo o que ouviam sem buscar o seu significado. Assim é o cabeção. Não deveria ser cerebrão? Porque, no fim das contas o tamanho da cabeça não faz diferença, só estéticamente. Ou será que a tonta sou eu e eles descobriram que quanto maior a cabeça mais inteligência cabe dentro dela?
    Ihhhhh.............. Maecelo, daqui a pouco estão me oferecendo uma vaga de imbecil. Fui!
    Abraços fraternos
    Vi Meirim

    ResponderExcluir
  21. Respostas
    1. Parabéns, Migliaccio, pelo excelente artigo. O que não é nenhuma novidade partindo de você tais comentários.

      Miguel Alves

      Excluir
  22. E O IMBECIL ELEGE O LULA E A DILMA!!!

    ResponderExcluir