Translate

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Sou Argentina!

Apesar de ter passado grande parte da minha infância e adolescência vibrando numa arquibancada, sempre tive plena consciência de uma coisa: não há nada mais inócuo que torcer.

Se torcida ganhasse jogo, China e Índia decidiriam todas as Copas do Mundo e, como sabemos, não é isso que acontece. Torcer é uma simples diversão, alguma coisa legal de fazer quando não se tem nada melhor pra fazer.

Por isso não torço mais, o que não me impede de apreciar com gosto bons jogos de futebol. E, no domingo, teremos um bom jogo, afinal é final de Copa do Mundo.

À minha volta, todos estão tomando partido. "Argentina ou Alemanha?", é a pergunta que mais se ouve "nas esquinas, nas retretas e nos velórios", como diria o mais citado cronista nacional, Nelson Rodrigues.

Eu gosto mais do futebol da Argentina. Jogam com técnica e com uma vontade contagiante. Dá gosto ver os argentinos em campo. Com eles não tem essa de apagão, podem até levar de 7 a 1, mas não com a pasmaceira com que perdemos para a Alemanha. E os torcedores argentinos torcem com uma paixão invejável, gritam, xingam, choram como tem que ser. Se é pra torcer, que subamos pelas paredes "como lagartixas profissionais", diria novamente o mais citado.

É comovente o esforço dos argentinos que vieram sem dinheiro, em ônibus e traillers velhos, estão há 25 dias comendo e dormindo mal, mas vieram.  A maioria nem tem ingresso, vê os jogos em pé, na rua, num telão. Podiam fazer isso na Argentina, mas vieram só para estar perto. Conta muito pra eles.

Os alemães são frios demais, cerebrais demais. Seu futebol é sem graça até quando enfiam 7 a 1. Se ainda tivessem um Beckembauer, um Gerd Muller, um Overath. E as palavras de consolo que dirigiram à nossa esfacelada torcida e ao desmilinguido time brasileiro soam mais como uma fria estratégia para ganhar a simpatia dos locais na decisão. Será mesmo que ficaram condoídos? Estão de verdade com pena de nós, ou enaltecem o futebol brasileiro da boca para fora? Em se tratando de alemães, jamais saberemos.

Já os argentinos não. São transparentes. Gozam pra valer os brasileiros, mesmo estando na nossa casa. Sem cerimônia, estendem suas faixas na Avenida Atlântica. Prefiro gente assim, pois também podemos gozá-los quando for a nossa hora. Claro, se ganharem a Copa aqui vão encher o saco, mas e daí. Pelo menos podemos dizer que não compramos a seleção do Peru para ganhar a nossa Copa, como eles fizeram em 1978. Até porque o Peru não se classificou desta vez...

Quem aí quer gozar um alemão? Não tem a menor graça...

Essa rivalidade entre brasileiros e argentinos deveria ficar só no futebol, mas irresponsáveis de ambos os lados da fronteira contribuem para que, vez por outra, isso acabe extrapolando. Somos povos latinos,  passionais, nossos dramas se parecem, ainda tentamos quebrar correntes e nosso maior adversário é o mesmo: a ignorância.

No íntimo, os argentinos admiram tanto nosso futebol quanto nós o deles. Como não torcer para o craque Messi e seus aguerridos companheiros? Como não se emocionar com um filme argentino?

Melhor eles que os alemães, sempre todos iguais em campo, previsíveis (exceto para o Felipão).

Nossos hermanos ficariam honrados em levantar a taça no Maracanã. E isso nos engrandece.

Foto: Marcelo Migliaccio

16 comentários:

  1. Já fui a Argentina algumas vezes e sempre fui muito bem recebido por lá. Não sei se isso tem relação com o fato de estarmos em melhor situação econômica que os hermanos, até por que tenho me sentido muito bem nos mais diferentes países do mundo que visito atualmente, coisa que há uns 20 anos atrás era bem diferente. Portanto, nada tenho contra os argentinos e acho essa festa que eles estão fazendo aqui muito justa e divertida. Entretanto, quase todos consideram a CBF como principal culpada pelo vexame. Inclui-se neste rol ex-jogadores como Romário, que ao mesmo tempo em que justamente achincalha os dirigentes esportivos da CBF, afirma que torce pelo retorno de Eurico Miranda ao futebol, tornando sua declaração essencialmente eleitoreira. Nesse caso a pergunta é: A Argentina é um exemplo de organização esportiva e do futebol em particular? Não, na Argentina tudo é muito parecido com o Brasil, inclusive com a maioria dos jogadores atuando no exterior e se reunindo pouco antes da Copa, com a diferença de ter disputado as eliminatórias. Então se há um time na final que pode ser exemplo da organização, a qual todos clamam que ocorra também no Brasil, este time é a Alemanha. E se há um time que verdadeiramente jogou bem nesta copa também foi a Alemanha. Então como não torcer para este time ser campeão? Será que é a camisa rubro-negra que desagrada tanto alguns torcedores?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os argentinos jogam sempre com a gana que faltou ao nosso time.

      Excluir
  2. Não entendo lhufas de futebol, mas torcerei para a Argentina. Tenho dito! Yves

    ResponderExcluir
  3. Concordo com sua crítica àqueles que criam uma relação de antipatia com nossos vizinhos do sul, muitas vezes em forma de propaganda irresponsável, como faz um grupo mafioso que toma conta do mercado de cerveja no planeta atualmente (além de estragá-las com fórmulas pra aumentar o lucro, em detrimento da qualidade do dourado líquido), mas.... seria bem melhor frequentar as ruas do Rio nos próximos dias, cruzando com holandesas e alemãs, no lugar desses "barra-brava" falidos (coitados), né não? André

    ResponderExcluir
  4. Bom, pelo menos por mais alguns dias os argentinos vao viver a copa esquecendo que a Argentina esta com um peh e meio enfiados numa bancarrota.

    ResponderExcluir
  5. A princípio, torceria pra Argentina. Eu sou da América do Sul. Mas, mais a princípio ainda, por mim nem existiriam fronteiras. Torço pro que mostrar mais futebol. Não levo muita fé na Argentina, não.

    UPP na CBF, aproveitando embalo da investigação sobre ingressos FIFA. Ou...Brasil correrá risco de conseguir novamente o inédito: não classificação pra próxima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já deram tempo pro inglês da máfia se mandar.

      Excluir
  6. Fiquei em dúvida também sobre respeito/pena da Alemanha por Brasil; talvez mistura de ambos com tentativa de redução de torcida contra na final. Mas a ficha dos caras caiu, acho, e eles evitaram maior pressão que poderia acarretar 10 ou 12 no primeiro tempo. Estava absurdo demais, talvez compaixão mesmo, profissionalismo dos caras. Enfim, concluo que sei lá. drum

    ResponderExcluir
  7. Ontem a tarde voltando de Penedo, vi dezenas de carros e trailler com placas da Argentina vindo de SP aqui para o Rio, é uma verdadeira invasão dos Hermanos.
    Só peço que perdendo ou ganhando, eles se comportem.
    Cury

    ResponderExcluir
  8. A D. Lúcia me disse que admira o blog Rio Acima e que não perde um texto seu, Marcelão!!!

    ResponderExcluir
  9. Sejamos otimistas! Acabou o primeiro tempo, 2x0 para a Holanda. Ainda temos 45 minutos! Com muita calma, ainda existe a possibilidade do Brasil fazer 1 e levar 5...

    ResponderExcluir
  10. MUITOS BRASILEIROS JÁ FORAM MORTOS COVARDEMENTE POR TORCEDORES ARGENTINOS.
    E FALO DE HOMICIDIOS QUALIFICADOS, NADA DE BRIGAS E ARRUAÇAS DE FUTEBOL.
    É SÓ PESQUISAR PARA VER O QUANTO ESSES ARGENTINOS DE MERDA NOS ODEIAM E DESPREZAM...

    Torelly

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto do futebol dos argentinos, torcedores violentos também há no Brasil ou qualquer outro país.

      Excluir
    2. Tenho de insistir, os argentinos são covardes, falsos e nos desprezam como nenhum outro povo...

      Excluir