Translate

quinta-feira, 31 de julho de 2014

"Pô, Tiozinho!"

Aquilo me soou como uma bofetada. Seria melhor que o motorista do outro carro desfiasse o conhecido repertório de palavrões da língua portuguesa. Ouvir que eu era filho disso, e deveria ir tomar naquele lugar, seria melhor do que ser chamado, assim, de chofre, de "tiozinho".

Tudo bem, eu dei uma fechada no cara, mas nada justificaria tal ataque, vil, sórdido.

Era um moleque dirigindo pela Tijuca, um não, três. Acho que iam para alguma festa junina, pois o que estava ao lado do motorista ostentava um ridículo chapéu de caipira, aquele de palha e desfiado nas abas.

Fiquei sem ação, nem respondi à discriminação por faixa etária. Imaginei na hora o que teria levado aquele moleque a achar que eu era velho...

Ah, tô começando a ter cabelo branco onde ainda tem cabelo, deve ser isso... Fazer o quê? Pintar pode piorar as coisas.

Ser chamado de "tiozinho" é o fim da picada para todo garotão experiente como eu. Até "vovô" é melhor, porque soa carinhoso. Tiozinho é um deboche. A gente sempre pensa que tá nos trinques, que ainda pode cantar de galo, mas num belo dia um fedelho caridoso nos oferece o assento para idoso do vagão (bom, pelo menos isso nunca me aconteceu... ainda). Soube que alguns velhinhos até xingam quem lhes dá o lugar. Na cabeça, ainda se sentem como garanhões indomados.

Outro dia, li que um cantor sertanejo, da minha idade, brigou com uma fã que o chamou de tiozinho numa rede social. "Imagine você quando chegar aos 51 anos", disparou o cowboy do interior paulista.

Como medida de segurança, há alguns anos parei de olhar para garotas muito novas. Elas costumam ser impiedosas ao menor sinal de terceira idade se aproximando. A última que eu tentei azarar (xavecar, como se diz) me chamou sadicamente se "senhor".

Mas, tudo bem, um dia ela também será. Essa é a vingança dos coroas: saber que todo jovem chega lá.




13 comentários:

  1. pois eu sou humilhado diárimente no metrô,basta eu entrar no vagão para alguém pedir para eu sentar no banco dos idosos.tenho 57 anos,sou bem conservado,mas o maldito do cabelo tá branquinho.
    ROBERTO LIMA.

    ResponderExcluir
  2. Sei como é isso Marcelo. Talvez por ser negro e pelos poucos cabelos brancos eu ainda disfarce um pouco os 50 anos. Mas ainda com uns trinta e poucos vi um amigo cinquentão levar um toco tão grande de uma menina nova que prometi a mim mesmo não pagar esse mico e venho conseguindo, pelo menos enquanto permanecer casado...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um dissabor que pode ser evitado... sem dúvida

      Excluir
  3. Como dizia o Sérgio Reis: "Panela Velha é que faz comida boa..."

    ResponderExcluir
  4. Também percebi que estava envelhecendo quando começaram a me chamar de senhor, e ainda tenho 49 anos.
    Estou com Millôr quando diz: “Qualquer idiota consegue ser jovem. É preciso muito talento pra envelhecer.
    Cury”

    ResponderExcluir
  5. Tio Sukita sabe bem o que é isso !! Talvez até mereça ir pra galeria dos "Grandes Encontros"

    Batman e mulher-gato passaram dos 80, Robin beirando os 70, mas que importa se ainda continuam ídolos. E assim permanecerão, graças aos tios, pais, avós...

    Importante é aproveitar bem o nosso tempo no carrossel, como diria meu querido filósofo ...

    ResponderExcluir
  6. Tiozinho é melhor que coroa. A primeira vez sempre é dificil. Depois voce acostuma. A primeira vez que me chamaram de tia eu fiquei revoltada e perguntei ao cara: "por acaso sou irmã da tua mãe? Outra vez me chamaram de "madrinha". Respondi: "não me lembro de ter te batizado". Agora já me acostumei e tiro de letra. Ainda não fui chamada de "coroa!", apesar dos meus 78 anos. Mas tudo bem. Sempre me consolo com esses apelidos, cuja finalidade é ofender. O chique hoje é ser jóvem. Será que esses babacas, que por ser jovem, pensam que nunca vão envelhecer. Estou viva e isto e o que me importa. Yves.

    ResponderExcluir
  7. Oi Marcelo,

    Impagável!
    Ri muito.
    Você é bom demais.
    Eu também estou nessa. Eu então que sou mulher, já estão me cedendo lugar há muito tempo, mas eu resolvi aceitar e agradecer.
    E quando vejo um homem mais novo me olhando, já caminho em outra direção.
    Uma amiga minha tem a maior implicância quando dizem que ela tem o espírito jovem. Ela diz que não quer perder o que a idade pode trazer de bom, que é a estrada caminhada.
    O jeito é procurar o tal do lado positivo.

    Beijos,
    Sandra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho certeza que você sabe muito bem encontrar o lado positivo, sempre. Beijo

      Excluir
  8. Eu tenho 55 anos e minha filha 9. Quando ela nasceu me incomodava a pergunta: É pai ou avo.
    Depois aprendemos à lidar com a situação, e, hoje até brincamos com isso.

    ResponderExcluir
  9. Ainda considero envelhecer -com dignidade e saúde e com bom humor - a melhor opção...a outra é morrer antes disto. Pode, inclusive, ser a melhor etapa da vida , em boas condições, digamos assim.Ainda vejo como prêmio... a ancianidade saudável e com recursos financeiros suficientes para uma vida digna.

    ResponderExcluir
  10. Quando me chamam de sr.ainda olho pros lados pra ver com quem estão falando,apesar do escassos 48 anos rsrs
    J.Leão

    ResponderExcluir