Translate

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

O funk do quebra-piroca

A gravação de um documentário me levou ao alto do morro Pavão-Pavãozinho, que é o lado B de Copacabana e Ipanema, os dois bairros mais emblemáticos da Zona Sul do Rio. Lá de cima, a vista das ilhas Cagarras é deslumbrante.

Foto: Marcelo Migliaccio


O morro Dois Irmãos é como a Zona Sul, o primo pobre e o primo rico. A Pedra da Gávea testemunha essa história de amor e ódio desde o início.

Foto: Marcelo Migliaccio


 É aqui que os urubus pousam para tomar sol.

Foto: Marcelo Migliaccio


Lá embaixo, outras aves na lagoa...

Foto: Marcelo Migliaccio


Em cima, o futuro do Brasil desbrava seus horizontes.

Foto: Marcelo Migliaccio


PMs da UPP? Só vi na entrada da favela. Como patrulhar tantos becos claustrofóbicos?

Foto: Marcelo Migliaccio


Como tomar conta de tudo?

Foto: Marcelo Migliaccio


Onde a liberdade não tem fronteiras e quem solta a pipa também está no céu.

Foto: Marcelo Migliaccio


Crianças brincam nas vielas ao som do funk altíssimo que emana de um barraco psicodélico...

Foto: Marcelo Migliaccio


É o funk do "quebra-piroca", diz a letra que as menininhas ouvem sem querer desde cedo numa lavagem cerebral precoce. Imagino a vizinhança evangélica obrigada a conviver com a trilha sonora do capeta.


Foto: Marcelo Migliaccio


Sobram razões para tantas meninas novas com filhos pequenos...

Foto: Marcelo Migliaccio


Bem-vindo ao topo do mundo.


Foto: Marcelo Migliaccio

8 comentários:

  1. Parabéns pelo brilhante texto.

    Hoje eu escutei uma música que tem um trecho que lembra bem o desespero de Cabral com a hostilidade do povo, penso que ele deve estar dizendo toda hora:

    Agora, meu Deus, o que eu faço agora ? (João Nogueira - Pimenta no vatapá).

    E nós estamos cantando Elis Regina:

    Não venha querer se consolar
    Que agora não dá mais pé
    Nem nunca mais vai dar...

    Quaquaraquaquá, quem riu
    Quaquaraquaquá, fui eu
    Quaquaraquaquá, quem riu
    Quaquaraquaquá, fui eu

    Cury

    ResponderExcluir
  2. O funk do "Quebra Piroca" foi feito em resposta ao funk "Perereca de Aco"??

    ResponderExcluir
  3. As ótimas e expressivas fotografias não deixam margens a dúvidas.Evidenciam o contraste injusto/desumano entre o Éden: A natureza deslumbrante e o Hades : as "condições" de habitabilidade deprimentes e/ou precárias da(s) favela(s).Considero um cinismo - como tudo que é neoliberal - mudar o nome para comunidades sem lhes alterar as condições favelescas, digamos assim.

    O mais trágico são as duas grandes sacadas:"Em cima, o futuro do Brasil desbrava seus horizontes", que, sinceramente, não vejo para a maioria absoluta desta gente humilde... sem a menor condição de competir com os mauricinhos e patricinhas do asfalto .Sei que muitos nefelibatas dirão: mas o Lula que teve condições similares... chegou lá. Não estou-me referindo à exceção de exceções elevada à pentelhésima rs potência. Estou falando das "condições normais de temperatura e pressão". Logicamente, "Sobram razões para tantas meninas novas com filhos pequenos...", ou seja, para a reprodução irresponsável, alienada, etc., perpetuando, destarte, a pobreza. Os pobres (sem nenhum preconceito, ninguém é pobre porque quer...e nada garante que eu não possa vir a ser - que Deus se apiede de mim rs) contribuem diretamente -fazendo filhos sem pensar no amanhã...como os coelhos (ratos seria ofensivo eu sei) -, para a eterna perpetuação da miséria. É de chorar. O mais paradoxal é que eles sonham com a riqueza, claro...e, nesta questão primordial , ignorantemente não imitam os ricos, que possuem no máximo 2 filhos e em condições mais do que favoráveis, né?Com este aumento em progressão geométrica da pobreza não há bolsa família , nem quantidade de creches que dêem conta e jeito.Problemaço insolúvel, enquanto não houver um programa sério de controle de natalidade, uma vez que os "pais" , a escola, as religiões (aqui mora o perigo, nem camisinha pode (pode??? tamanha absurdidade???), e estado não são suficientes para orientar estas meninas e meninos. Até a população de rua (mendigos é politicamente incorreto, cinicamente, pois continua e aumenta a mendicância, pelo menos no Rio), se reproduz assustadoramente.Não conheço cena mais deprimente do que ver meninas pedintes/mendigas desfilando seus barrigões ."Agora eu vou cantar pros miseráveis
    Que vagam pelo mundo derrotados
    Pra essas sementes mal plantadas
    Que já nascem com cara de abortadas"(Cazuza, genial)


    A segunda espetacular sacada é o funk quebra piroca como "a trilha sonora do capeta". Este tipo vulgaríssimo e tosco exatamente pela falta de música e letra e melodia e vocais, por isto conceitualmente INSUPORTÁVEL para quem tem um mínimo de bom senso, criticidade e sensibildade, é o vulgo funk carioca de putaria, (eu chamo de melô do esgoto/lixão...não por acaso oriundo das "comunidades"). Sempre imaginei-o como o hit, o "must have", o "the best" do DJ FERRABRÁS, para a trilha sonora ininterrupta (cruzes!!!) dos desgraçados lançados sem dó nem piedade nas profundezas "dusinferno"rs.
    Bom finde
    Marcos Lúcio

    ResponderExcluir
  4. As questões acerca da cidadania estão em voga desde a década dos anos 90. Acredito que a queda da URSS marcou o fim da etapa do embate puramente político-ideológico, onde OTAN e Pacto de Varsóvia, representados por seus militares odiavam-se em função meramente do foco sócio-político econômico.
    Com isso, tal fato possibilita, para quem não tem preguiça de estudar para aprofundar e consequentemente amadurecer o pensamento para realizar as críticas a um país ou bloco, esteando-a em argumentos sólidos.
    Por outro lado, os(as) velhacos(as) dos tempos antigos, que no fundo sempre foram indolentes natos, continuam lendo, estudando e ensinando suas desbotadas e amareladas cartilhas de pretensos saberes e verdades insólitos. Criando com isso, novas gerações doutrinadas, que tal qual copistas, só sabem repetir o que pensam ser a sapiência de seus mestres, tal qual "Pombos de Estátua".
    Sou naturalmente desconfiado de doutrinadores(as) pois como a etimologia da palavra estipula, doutrina é uma verdade absoluta, calcada num dogma ou mistério, que não aceita ser contestado ou discordado, pois caso contrário desaba, pois a verdade absoluta do dogma não possuí argumento lógico, científico, sólido para sustentar-se. Doutrinadores são naturalmente autocráticos e como tal são aclamados como "Papas", "Mestres", "Líderes", "Reis" e "Imperadores", "Heróis" e como parte desse jogo de dominação e convencimento psicológico sobre mentes mais tendenciosas a serem submissas e tímidas, mantêm sempre o ar da empáfia, da superioridade professoral de quem é dono da verdade. Meu estilo é mais para pensador, pois nunca fui de fugir de embates que surgiram em meu caminho, muito menos, de um embates meramente intelectuais e calcados em bases epistemológicas ou científicas. Adoro doutrinadores para trucida-los sem piedade ou recuo (risos).
    Mas o fato é que em nossa política, principalmente nas políticas públicas, já que são bancadas com o sustento financeiro de toda sociedade e portanto devem atender a todas as necessidades proporcionais desta, não são traçadas com maturidade e seriedade. Nossa sociedade precisa perder a mania de ícones de feituras e lideranças personificados por uma figura ou pessoa e aprender a pensar, sentir e raciocinar mais como instituição. As pessoas físicas e seus rótulos e ícones que lhes são atribuídos um dia morrem, mas as instituições, embora sejam pessoas jurídicas compostas por pessoas físicas, mas mesmo assim pessoas, também evoluem, involuem, morrem ou transformam-se.
    Portanto, resta a sociedade brasileira saber, ter a ciência e consciência em que direção caminha, porque caminha e porque o passo evolutivo desta mesma sociedade no tempo e espaço da história é tão lento, demorado, modorrento.
    Felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir
  5. Caro Marcelo que seu texto é bom eu já sabia, mas como fotógrafo sou obrigado a te parabenizar pelas fotos, que estão cada vez melhores.

    Abs. Cláudio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um dia eu chego aonde você está. Grande abraço!

      Excluir
  6. Esse Marcelo é muito humilde com seus feitos.

    Noticia ruim que acabei de ler na Band.com.
    Sarney tem melhora e recebe alta da UTI em SP
    Não foi dessa vez !!

    Cury

    ResponderExcluir