Translate

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Um peixe chamado boi...

Foto: Marcelo Migliaccio


Meio sem jeito, o guia e agente de preservação do Projeto Peixe Boi diz que seu pai comia a carne desse incrível animal. Resisto mas não consigo evitar a brincadeira.

_ Devia ser bom porque era almoço tipo dois-em-um: peixada e churrasco ao mesmo tempo.

Felizmente, a algazarra no pequeno barco não deixa ninguém ouvir a piadinha ordinária.

Todos estão mais preocupados em avistar pelo menos um dos animais mantidos numa área controlada em Tatuamunha, município de Porto de Pedras, em Alagoas. Nem todos os turistas conseguem. Muitos vêem apenas os sinalizadores presos a cada um dos peixes e que ficam sempre flutuando na superfície. Aliás, para conseguir prender a engenhoca no peixe-boi, usa-se uma tática meio sacana, literalmente. Um dos tratadores começa a alisar o órgão sexual do animal até que ele fique excitado e envergue o corpanzil. Aí um segundo homem aproveita para colocar a cinta que prende o sinalizador. Depois, conta o guia, quando descobre o logro, o peixe-boi fica fulo da vida. E não queira levar uma lambada desse gigante que chega a medir 3 metros e pesar 500 quilos.


Foto: Marcelo Migliaccio

Nosso grupo até que teve sorte. Primeiro, vimos o dorso de um deles, dormindo, perto da margem do rio que leva o nome do lugar. Mesmo durante o sono, ele volta-e-meia coloca as narinas fora d'água para respirar.


Foto: Marcelo Migliaccio

O peixe-boi é um animal fantástico, aliás, como todo animal. Mamífero aquático como as baleias, ele no entanto é herbívoro. Estava sendo dizimado pelos pescadores, porque arrebentava redes com seu tamanho descomunal. Era abatido, pasmem, a pauladas. Mas a sacaneada, vilipendiada, esculachada e pujante Petrobras desenvolveu um projeto para preservar essa jóia da fauna brasileira. Opa!, agora próximo ao barco, outro peixe exibe suas ventas. Trata-se de um filhote brincalhão. Tremendo ladrão de oxigênio, olha só!


Foto: Marcelo Migliaccio

Alagoas é linda. Muita miséria da maioria contrastando com a opulência da minoria abastada. Às vezes, parece que as coisas aqui estão por um fio...


Foto: Marcelo Migliaccio

A pátria educadora nunca foi tão necessária.


Foto: Marcelo Migliaccio

Mas, de volta ao peixe-boi, fico sabendo pelo guia que o animal transita com desenvoltura pelo rio e pelo mar. E, no projeto, já até deu cria, o que só aconteceu depois de os biólogos e ribeirinhos descobrirem que era preciso soltar uma fêmea e dois machos, porque ela só aceita acasalar se, antes, o felizardo tiver sobrepujado um rival para merecê-la. Mulheres... bááá...


Foto: Marcelo Migliaccio

Tatuamunha é um dos muitos lugares fascinantes do Nordeste. É lá que fica a Praia do Patacho, das mais bonitas que já vi. Tem também o farol, as casinhas, a mata... uma delícia.


Foto: Marcelo Migliaccio

Claro, o peixe-boi não está sozinho nesse paraíso. Caranguejos habitam a área de manguezal, também preservada. Depois, fui provar a iguaria. Dá muito trabalho pra abrir e o conteúdo não compensa. A maior parte da carne tem gosto de coração de galinha, o mais gostoso está nas pernas, em doses pra lá de racionadas.

Foto: Marcelo Migliaccio

É melhor vê-los no mangue do que em cima da mesa...

Foto: Marcelo Migliaccio

Outra maravilha desse ecossistema são as raízes suspensas das plantas. Um emaranhado onde vivem dezenas de espécies. 


Foto: Marcelo Migliaccio

E a turistada lá, fotografando e falando sem parar. Talvez por isso os peixes-boi não apareçam tanto. Escutam e enxergam muito bem, diz o guia.


Foto: Marcelo Migliaccio

O passeio termina e vamos embora reverenciando novamente a natureza, torcendo para que o peixe-boi, mesmo tendo virado atração turística, continue sua incrível sina evolutiva.


Foto: Marcelo Migliaccio








5 comentários:

  1. Elis Regina cantava:
    O Brasil, não conhece o Brasil
    O Brasil, nunca foi ao Brasil
    (Querelas do Brasil)
    Infelizmente os brasileiros desconhecem 90% do Brasil.
    Cury

    ResponderExcluir
  2. Quanta maravilha que esse gigante adormecido nos oferece. No entanto o que mais se assiste na internete são Maravilhas de outros mundo. Deveríamos dar mais valor ao que é nosso.

    ResponderExcluir
  3. Esse é o novo nordeste após um governo que finalmente olhou para essa região tão importante do País. Logo veremos comitivas de paulistas em direção ao nordeste em busca da água que hoje não existe mais em São Paulo. Quanto ao caranguejo, alguém precisa te ensinar a comer para você ver que realmente compensa. Se não tiver jeito tente uma casquinha ou um catado.

    ResponderExcluir
  4. Pois é: entre a caça e o caçador quem vence? A magnífica natureza, sempre. Os peixes-bois sobrevivem sem a nossa presença, assim como a natureza que existia antes da nossa desastrosa chegada rs.Belíssimas fotos..

    ResponderExcluir