Translate

domingo, 14 de dezembro de 2014

Histórias da esquina

Já tinha visto virarem nome de rua políticos, artistas, militares, latifundiários, médicos, advogados, nobres, atletas… mas foi a primeira vez que vi um cara virar nome de rua por ser genro de alguém.



Que méritos teria esse genro para merecer tal honraria? Seria a filha do barão um fardo tão pesado que justificasse tal presente ao obscuro Alberto de Campos? Provavelmente nunca saberemos, porque os historiadores não costumam investigar com tanta profundidade. E a profissão do genro? Seria tão irrelevante a ponto de não constar na placa? Será que ele passava o dia na praia jogando frescobol?

Ainda intrigado com o nome daquela rua de Ipanema, saí à procura do Barão cujo prestígio era tão grande que levava até seus contraparentes à glória.

E, como estamos no Rio, fui achar o Barão de Ipanema em… Copacabana!



Lá estava ele, plantado numa esquina da Avenida Atlântica, com vista eterna para o mar. E aí vieram novas surpresas: ele não era o primeiro, mas o segundo barão, seja lá o que isso significar.  Se ele era o segundo, o vice, quem teria sido o primeiro barão? Talvez o do Rio Branco, que até teria, no futuro, o rosto estampado em cédula

E mais, segundo a placa, o Barão de Ipanema era um barão "com grandeza". Teria ele um metro e noventa de altura, dois metros?


Lapsos da História...


5 comentários:

  1. Mais uma vez o que posso dizer é console - se comigo. Não bastasse Feira de Santana estar entre as 10 piores cidades grandes do País para se viver, aqui o hábito e homenagear as pessoas em vida. Isso explica porque tanta coisa ter nome de ACM mesmo com ele vivo. Em Feira, na gestão anterior, o prefeito deu seu nome a um viaduto que ele mesmo construiu. Não conheço o genro do Barão, mas o prefeito daqui conheço bem e sei que não merece...

    ResponderExcluir
  2. Depois que as placas de ruas passaram a explicar quem são os homenageados, a vontade que tenho é mijar na maioria delas.
    Cury

    ResponderExcluir
  3. Esse (não conhecer a razão da homenagem) é um dos casos em que a ignorância é uma benção. Ana

    ResponderExcluir
  4. Famosa é a Rua Nascimento silva, 107. Homenagen do Vinicius ao Tom em Carta ao Tom.
    Agora letra porreta do Vincius é testamento.

    ResponderExcluir