Translate

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Grandes encontros da História XXXIII

10 comentários:

  1. OH, Marcelo...
    Mais uma vez, você me emociona.
    Não sou muito de futebol, mas lembro que esta seleção, no momento histórico em que ela se apresentou (vivíamos a crise do regime militar) representou a esperança de muitos de nós: a garra e a esperança de um país melhor.
    Tinha eu 25 anos e estávamos em uma vigorosa campanha pela redemocratização do Brasil e a cada show que, especialmente, o Dr. Sócrates dava nosso ânimo aumentava.
    De novo, obrigada.
    Um abraço fraterno,

    Wanda Rodrigues

    ResponderExcluir
  2. Quem assiste esse vídeo, só tem uma certeza: Essa seleção merecia ter ganho a Copa, só tinha craque de primeira.

    Durante o vídeo, lembrei-me da música que Júnior cantava: Voa Canarinho.
    Depois da música Arigatô Flamengo de Bebeto em 81, Voa Canarinho foi a música mais cantada nos campos e estádios. (rsrs)

    Cury

    ResponderExcluir
  3. "Esta seleção parece que joga por música, parece uma orquestra, não fica devendo nada a de 70". (meu pai)

    O futebol apresentado nos anos de preparação e na copa foi uma das coisas mais fantásticas que já vi na vida.

    Se liga na responsa (http://www.youtube.com/watch?v=jnoz4NuYMU8): cooperativismo/altruísmo/pleno senso de equipe: olhou (ou não), viu (mesmo sem olhar), passou, rápido, fácil, sem firula, sem burocracia e, portanto, lindo.

    Drum

    ResponderExcluir
  4. O soviético Dasayev, o melhor goleiro do mundo, estático, sem ação, apenas acompanhando com os olhos a bola chutada por Éder. Achei perfeita a escolha como o gol mais bonito porque é muito raro, talvez inédito, o cara, na corrida, suspender a bola e bater com o mesmo pé, conseguindo manter o equilíbrio e, ainda, conseguindo força no chute.

    Acho que o que matou o arqueiro foi exatamente o fato do ponta reserva de Zé Sérgio (há tanto pra dizer sobre esse time, mas, ao mesmo tempo, dito Éder reserva de Zé Sérgio, nem precisaria falar mais nada...) ter batido com o mesmo pé (o esquerdo, óbvio, pois canhotos 'não tem pé direito', enquanto destros tem pé esquerdo torto). Daí, por raro ser, surpreendendo, por ganho de fração de segundo não trocando de pé e ainda pela maior dificuldade em marcar canhotos, a impotência, o nada a fazer, do grande goleiro.

    Drum

    PS: Prezado Migliaccio, desculpe se houver dois comentários repetidos, é que deu tilt aqui. Abraço, fica com Deus.

    ResponderExcluir
  5. Seis meses antes da Copa ninguém diria que Eder barraria o Zé Sergio, que estava jogando muito, driblando Deus e o mundo. Mas Eder venceu com seus chutes incríveis. Nesse vídeo, relembrei aquela Copa, mas fiquei impressionado com a quantidade de passes de calcanhar do Sócrates e com as bolas precisas que o Zico dava no ponto futuro. Abraço, Drum

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Doutor passou a usar o calcanhar mais famoso da história por necessidade de melhor se equilibrar, pois tinha pés relativamente pequenos pra sua estatura. Fez de um problema uma excelente ferramenta de trabalho. + cabeça pelo bem comum + simplicidade + objetividade + visão + rapidez de raciocínio, de raciocínio correto, de passagem (um camarada uma vez: a mulher do fulano pensa muito rápido...[pausa-respirou] ...porém errado) = não raro, dois, três adversários desconsertados sem saber pra onde ir. Ótima citação do blogueiro no post-homenagem quando da partida do querido Magrão: o gênio se escalou pro banco perguntado sobre chegada de Falcão pra compor o meio-campo com Cerezo e Zico.

      O Galinho (o da camisa rasgada pelo Gentile dentro da área, seu juiz!) inspirou Messi li em algum lugar. Técnica e inteligência desequilibrantes.

      Telê Santana é um homem que não admite violência desleal contra um colega de trabalho. Era cortado, fosse quem fosse. Sua filosofia era: entre agredir e tomar um gol, toma o gol. O único não campeão de copa chamado novamente pra ocupar o cargo de técnico de seleção.

      Excluir
    2. E seis minutos antes da estréia, 120 milhões escalariam, com razão, Valdir Perez pegador de pênalti. E seis segundos depois da desclassificação, 120 milhões foram acometidos de amnésia e julgaram o todo por uma parte. E a única falha grave a meu ver foi o monumental frango contra URSS, que não interferiu em nada na campanha. Contra a Itália, todo o time falhou.

      Drum

      Excluir
  6. Pelo jeito, vingar-se de uma derrota nas urnas é uma prática nacional...

    ResponderExcluir
  7. http://www.youtube.com/watch?v=CPX3IO22dtc - Argentina x Brasil, histórico jogo, Sócrates marcando dois na estréia. Inusitado, Zico expulso (?!). Com Zé Sérgio, Falcão etc

    ResponderExcluir