Translate

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Cortaram as asas de Eros


Foto: Marcelo Migliaccio

Quando alguém lhe disser que a maré aqui no Rio não está para peixe, acredite. Depois de o governo do Estado cortar tudo, merenda, material hospitalar, salário de servidor etc, chegou a vez do Deus do Amor sentir na pele o tamanho da crise. Isso mesmo: cortaram as asas da estátua de Eros, que fica na entrada do Túnel Novo, entre Botafogo e Copacabana. Sei que não foi o Pezão que subiu lá e destruiu o poder alado da divindade grega a chutes, mas na certa foi algum revoltado com a situação geral.

É verdade que Eros já esteve bem pior, como, por exemplo, na época em que perdeu a cabeça. Dizem que foi por causa de uma moça que passou de bicicleta pela ciclovia ali ao lado mas acho que foi coisa de vândalos mesmo, porque, além da cachola, levaram também os dois braços. Fico imaginando como é que o cara se virava naquela situação. Em crise de identidade, chegou a achar que era a Vênus de Milo.


Foto: Marcelo Migliaccio


Mesmo depredado e pichado, porém, ele continuou fazendo extravagâncias com seu harém. Era festa direto, com as mulheres literalmente subindo pelas paredes e jogadas aos seus pés.


Foto: Marcelo Migliaccio


Depois, arranjaram uma cabeça pra ele que não era a dele. Foi aí que Eros quase pirou. Bem ao estilo carioca, fizeram-lhe uma gambiarra. Ficou péssimo, até porque o dono da antiga cabeça não tinha nem 10% do poder de sedução do verdadeiro Deus do Amor.


Foto: Marcelo Migliaccio


Mas ele é safo. Nem amputado e com cara de panaca, parou de praticar esportes. E a para-olimpíada que não viu isso! O cara seria medalha de ouro na vela.


Foto: Marcelo Migliaccio


Aí, uma generosa alma resolveu pesquisar e conseguiu reproduzir a verdadeira cabeça da estátua. O penteado não era lá grandes coisas, na época de Platão talvez fosse um corte moderninho...


Foto: Marcelo Migliaccio


Deram-lhe até um outro par de asas. Lindas. E o recauchutado garanhão voltou a encantar a mulherada como fazia desde o tempo em que morava na Grécia. No Carnaval, então, ele arrasava.


Foto: Marcelo Migliaccio


Pena que não durou muito. Primeiro, foi-se a nova asa esquerda.


Foto: Marcelo Migliaccio


Agora, também a direita.


Foto: Marcelo Migliaccio


Se cortarem mais coisa, temo que o Deus do Amor seja rebaixado a eunuco.


Foto: Marcelo Migliaccio



Leia também:
Até o Deus do Amor fez plástica
Tudo como antes
O dia em que Eros perdeu a cabeça

2 comentários:

  1. Ainda bem que não mexeram com Ares, pois a nossa guerra social e política do dia a dia não pode se agravar.
    Cury

    ResponderExcluir