Translate

terça-feira, 8 de março de 2016

Diário do golpe diário

Os golpistas não vão desistir. Se o que estão tentando hoje não der certo, amanhã será outra coisa. Seus papagaios amestrados já falam abertamente em "intervenção militar" nos jornais. Estão prestes a afastar Dilma na marra e matarão Lula se preciso for para que ele não volte à Presidência.
 
Só o povo na rua evitaria o retrocesso. Povo mesmo, não essa minoria politizada.

O problema é que a cabeça de grande parte do povo jaz na mão da televisão. Quatro décadas de imbecilização em massa fizeram do brasileiro médio um indigente mental que só pensa em sexo, cerveja e celular. Dê-lhe também uma sandália Havaiana e um pacote de Cheetos e a maioria achará que todos os seus anseios foram atendidos. Escola? Quem saber de estudar se uma novela lhes dá um curso completo de como (não) viver? Se Donald Trump fosse candidato no Brasil estaria eleito. Só que aqui, em vez de terroristas, o magnata americano torturaria os bandidos das favelas. E quem quiser saber o que nos espera perca 20 minutos do seu dia observando a garotada de 9 a 14 anos na saída de uma escola pública em qualquer lugar do país.

Domingo, quem não é a favor dessa cafajestada política que estão fazendo com a presidente não deve nem passar perto das aglomerações pró-impeachment. Nada de fazer cabecinha na multidão para o helicóptero deles filmar. O Rio tem muitas áreas de lazer, o zoológico estará reaberto, tem o Aterro, enfim, algum lugar longe dos teleguiados de verde e amarelo. Longe do Luciano Huck, do Faustão, do Alexandre Frota, do Bolsonaro, do Jabor, do Pauderlino, Pauderlei, sei lá. Deixemos Ipanema e Copacabana só pra eles. Em São Paulo, fujamos do Pato sinistro da Fiesp.


PS: Ontem, o bispo Edir Macedo convocava no rádio todos os adeptos da Igreja Universal para o "Dia da Justiça", coincidentemente no próximo domingo. Segundo ele, será o momento de cobrar de Deus a Justiça divina. Só faltou pedir o traje verde e amarelo.

Acho que Anita Garibaldi estaria com Dilma.

Anita viveu 28 anos e participou de várias batalhas armadas defendendo a República

6 comentários:

  1. Espero REALMENTE estar errado mas este domingo sera marcado pelo derramento de sangue de brasileiros causado por brasileiros.

    ResponderExcluir
  2. Não ao GOLPE, evidentemente, que é contra o povo e a democracia. Compartilho este texto do Kiko Nogueira que considero muito oportuno/realista:

    "Ao inocente útil: o golpe não é no Lula ou no PT, é em você".

    Desde o início a Lava Jato foi marcada por um propósito político, que não se importou com as claras violações aos direitos individuais vinculadas aos seus métodos, condenados por boa parte do mundo jurídico e por entidades e órgãos de imprensa internacionais. Por que a operação do Sr Moro delimitou suas operações apenas ao período que se inicia em 2003? Qual o sentido de excluir reiteradamente nomes da oposição de seu alcance, mesmo que identificados através de seu principal procedimento de investigação, a delação premiada? Qual o sentido dos vazamentos e dos espetáculos de execração pública de pessoas investigadas, notadamente petistas?

    Dos métodos da Lava Jato, e da espetacularização da justiça através da mídia (rede esgoto - GloBOBO- GloBIGBRTHERde telê), não se entrevê nenhuma herança institucional capaz de levar à redução da corrupção. Seu efeito mais visível é a estigmatização de um grupo específico de pessoas, os petistas e os que deles se aproximaram, subsidiando animadas campanhas midiáticas e um clima de perseguição fascista, cujo propósito imediato é o golpe, a erradicação do PT e a erosão da imagem de Lula.

    Como se essa solução final fosse purgar o país de seus pecados e permitisse a afirmação de seres dotados dos atributos da lisura e da honestidade, santos de pau oco, próceres da hipocrisia e do cinismo. Junto a ela, uma inaudita regressão civilizatória e o envenenamento sem precedentes nas relações de convivência entre os brasileiros.

    E no final, o que restará? Um país entregue, um povo cindido, o comprometimento talvez definitivo de qualquer possibilidade de desenvolvimento soberano.

    O golpe, porém, é nele. O golpe é no voto de 54 milhões de pessoas que elegeram a candidata. O impeachment preventivo de Lula traz no pacote o impeachment de Dilma. O grupo vencedor não governa. Votar nesse grupo torna-se crime por associação.

    A você, que está em cima do muro; a você, que pensa que isso é do jogo; a você, que acha que estamos avançando, bem ou mal, na luta contra a corrupção; a você, que tem a ilusão de que tucanos e congêneres também serão submetidos a esse escrutínio; a você, que assiste Maluf e Cunha desfilarem por aí e não se arrepia; a você, que está assistindo a um linchamento ao vivo sem mover uma sobrancelha.

    Acorda, Alice. Isso não é republicanismo. É ser trouxa e conivente.

    ResponderExcluir
  3. Boff no JB online de hoje está sensacional:

    ...Mas não o conseguirão. São tão obtusos e faltos de criatividade em sua fome de poder que usam as mesmas táticas de 1954 contra Vargas ou de 1964 contra Jango. Tratava-se sempre de deter os reclamos do povo por mais direitos, o que implicava a redução dos privilégios e uma melhora da democracia. Mas os tempos são outros. Não vão prosperar pois já há um acúmulo de consciência e de pressão popular que os levará à irrisão, não obstante seus porta-vozes mediáticos, verdadeiros “rola-bosta” que recolhem o que acham de ruim para continuarem a mentir, a distorcer, a inventar cenários dramáticos para desfalcar a esperança popular e assim alcançar seu retorno com a força e não com direito democrático. Porém “no, no pasaran”...

    Concordo em gênero, número e grau com ele.
    Cury

    ResponderExcluir
  4. Ate "entendo" quando um jovem fala em intervencao militar pois (penso eu) esse jovem nao viveu durante os anos de chumbo, nao se interessou em saber como foram essas duas decadas, quantos foram presos sem motivo, torturados, mortos, "desaparecidos", como a economia foi para o buraco e a divida externa para a estratosfera, etc.
    O que, para mim, eh impossivel aceitar eh uma pessoa na faixa dos 50/60 anos falar em intervencao militar. Sera que sao tao acefalos assim? Sera que passaram uma borracha no cerebro (se eh que existe um), vinagre nos olhos, cera nos ouvidos? Como pode, uma pessoa que viveu durante esse periodo horrivel, falar tal coisa??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ariel, o pior é que tem muitos coroas que tem saudade dessa época.
      Cury

      Excluir
  5. O que justifica isso é o fato de que apesar de ser uma minoria, ainda assim muitos levaram vantagens durante o regime militar. Basta lembrar o que era a Globo e Folha antes disso. E cá entre nós, muita gente gostaria de poder roubar sem ser investigado como acontecia na ditadura, e mais recentemente no período FHC que muitos têm saudade também.

    ResponderExcluir