Translate

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Fortunas imorais

Não tenho nada contra o fato de alguém ser rico (desde que seu dinheiro não tenha sido ganho me explorando), mas as fortunas reveladas nas contas de brasileiros no HSBC da Suíça são imorais. Num país, aliás, num mundo em que há tanta miséria, como alguém pode ter US$ 500 milhões numa conta bancária?

Alguém precisa de US$ 500 milhões? Alguém é capaz de gastar essa quantia?

De que adiantam castelos de 70 quartos quando só levarão para o cemitério a roupa do corpo? E a mais barata, porque as roupas caras seus herdeiros não deixarão enterrar.

Qual é a graça de parar no sinal vermelho dentro de um Porsche quando diante do carrão está um menino esquálido fazendo malabarismo?

E foram reveladas contas de apenas um dos cerca de 200 bancos que operam na Suíça, fora os outros paraísos fiscais que aceitam dinheiro de corruptos e corruptores mundo afora.

No topo da lista, estão os donos da Companhia Siderúrgica Nacional, que era minha, era sua, era patrimônio do povo brasileiro, mas os tucanos fizeram o favor de vender a preço de banana.

Também constam na relação, donos de hospitais que salvam sua vida se você tiver dinheiro ou te deixam morrer na calçada se não tiver.

É para isso que eles vivem falando, eles e seus papagaios colunistas de jornal e TV, que "é preciso encolher o estado". Querem encolher o estado para aumentar ainda mais essa concentração de renda indecente que existe no Brasil e em tantos outros países. E ainda reclamam do governo que fala em taxar essas fortunas irreais.

Se esse dinheirão enviado ao exterior não foi declarado à Receita Federal, as fortunas, além de imorais, são também ilegais.

Ontem muitos hipócritas exaltaram a Páscoa, Jesus etc. Mas quando se fala em repartir o pão, aí ninguém quer dar nem um farelo dos seus US$ 500 milhões.


Foto: Marcelo Migliaccio

8 comentários:

  1. A questao nao eh se "alguem precisa" mas sim se o dinheiro na conta foi declarado a Receita Federal, tendo a origem sendo comprovadamente licita.

    ResponderExcluir
  2. Imoral são os 30 milhões de euros que Renato Duque, ex-diretor petista da petrobras indicado por Zé Dirceu, tentou safar tirando o dinheiro da Suíça . Imoral são os milionários desvios do petrolão e do mensalão patrocinado pelo partido dos trabalhadores. Ontem os hipócritas petistas exaltaram a Páscoa, Jesus etc. Mas quando se fala em repartir o pão, aí ninguém quer dar nem um farelo dos recursos subtraídos dos cofres público. Nem Lula, apesar de já estar milionário, não abre mão dos 6mil do bolsa ditadura. José Genoíno, também não abre mão de uma boquinha; tentou passar a perna nos médicos do congresso para se aposentar, tentando receber 5 mil a mais pela aposentadoria por invalidez. Delúbio, o nosso Delúbio, passou anos e anos sem trabalhar, recebendo salários do governo goaino, tendo sido condenado a devolver R$ 165 000 ao governo. E olha que eles ser arvoram em defensor dos pobres, hein. Imagina se não fossem!

    ResponderExcluir
  3. Em qual parte do texto o anônimo entendeu que criticar alguém que sonega imposto e mantém conta ilegal no exterior significa dizer que você concorda com qualquer outro tipo de delito exceto esse? O anônimo deve ter exaltado a páscoa, mas não consegue se livrar do ódio pelo partido que mudou o rumo do Brasil. Apesar disso, mais uma vez eu digo que a culpa é sua Marcelo, por aceitar opiniões de quem aproveita o anonimato da internet apenas para destilar ódio e rancor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razão, Alexandre, a partir de agora comentários só identificados. Abraço.

      Excluir
    2. Obrigado Marcelo. Certamente o nível do blog subirá muito.

      Excluir
  4. Rolaram umas lagrimas quando li "...pelo partido que mudou o rumo do Brasil.". Sim, isso eh uma grande verdade...

    ResponderExcluir
  5. Poxa. Não sei porque me lembrei de um ex-presidente do Flamengo que chorou depois de vender o Zico a preço de banana...

    ResponderExcluir
  6. Aquele filósofo do século XIX - que muitos adoram odiar - disse certa vez que toda fortuna tem origem na exploração de alguém por outrem.

    ResponderExcluir