Translate

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Snif, snif

A teoria de tudo é um filme que vai deixar certos críticos de cinema de mau humor. História do físico Stephen Hawking, essa produção comete um pecado mortal para essa casta pseudo-entendedora de cinema: emociona.

Alguns têm vergonha de se emocionar. É um mal que se alastra. O negócio hoje é levar o outro a nocaute, e não derramar lágrimas.  No auge da juventude, Hawking foi vítima de uma doença degenerativa que começou a tirar-lhe os movimentos voluntários. Um médico com coração de pedra lhe deu dois anos de vida. "Eu sinto muito" foi tudo que o homem de branco conseguiu dizer-lhe antes de virar as costas e sair.

Provando mais uma vez que a medicina não sabe nada sobre nós, Hawking está prestes a completar 72 anos. Tornou-se o maior físico da modernidade mexendo apenas os olhos. E é o olhar que marca a interpretação impecável do ator Eddie Redmayne. Ao longo do filme, seu corpo se transforma (sem efeito de computador) até que toda a sua expressão fica concentrada nos olhos. É uma performance maravilhosa.

O livro de Hawking sobre o tempo e a formação do universo já vendeu 10 milhões de exemplares. Ele teve três filhos, já que perdeu apenas os movimentos voluntários, e a paixão não tem nada a ver com a vontade. Teve grandeza até para permitir à mulher, que tanto o amou e se sacrificou, pudesse também ter tempo para ser feliz. E, de tempo, Hawking entende como ninguém.

A certa altura do filme, quase no final, começa o snif snif na platéia. As fungadas se multiplicam pela sala e acho que é isso que tanto vai incomodar aqueles críticos do tipo impávido-colosso. Emoção para eles é piegas, desvaloriza o filme. São como os comentaristas de futebol que escondem o time para qual torcem e os jornalistas que camuflam suas preferências políticas.

Assista ao filme.

E leve um lencinho.


14 comentários:

  1. Assisti ao filme e confirmei minha opinião sobre Stephen Hawking:
    Depois de Einstein, ele é o maior gênio que surgiu na Terra.
    Cury

    ResponderExcluir
  2. Fico deveras emocionado, com as crescentes denuncias que, sem nenhuma surpresa, causa-me. do envolvimento siamês, dos petralhas , com o escândalo do assalto á Petrobras.
    Em tempo: cadê seus leitores petistas, defensores da ética falaciosa dessa ditadura democrática populista? Que fim levou o Cara? A Presidente sumiu?É de chorar, sem dúvidas. Sem reprimir o choro.

    Pedro Valente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nenhum partido ganha quatro eleições seguidas se não tiver feito mais coisas boas que ruins para o conjunto da população. A campanha da mídia para acabar com o PT é sórdida quando se sabe que a corrupção no país é cultural e vem de longe, alimentada pela impunidade secular. O resto é preconceito.

      Excluir
    2. Tem que ser muito Valente para ter saudade de um país que vivia de pernas abertas para o FMI, inflação acima de dois dígitos, fila nas agências dos empregos, salários mínimos desvalorizados, privatizações, demissões em massas...esse foi o governo do PSDB que quebrou o Brasil 3 vezes...Já esqueceu? Eu não!

      Excluir
    3. Não foi porque um traiu (Judas) que os feitos de Cristo foram prejudicados, da mesma forma o PT é maior que esses safados que vestiam a camisa do partido com outras intenções.
      Cury

      Excluir
    4. É verdade, tem que ser muito valente para pegar uma inflação de 1764,86% (quatro dígitos) e entregrá-la em 12,53% ( dois dígitos, mas bem próximo de um dígito do que de três), tendo o governo rebaixado a uma média de 2,24%. Quanto ás pernas, continuamos com elas abertas, não mais para o FMI, a quem devíamos mixaria e a juros baixos, mas agora aos banqueiros nacionais aos quais pagamos a módica taxa de 12,5 % a.a., uma das mais altas do mundo, fora os cerca de U$S 100 bilhões que devemos, só o governo federal, a credores externos. Como vê, meu caro, continuamos de pernas cada vez mais abertas!

      Excluir
    5. Certamente tem gente de perna e boca aberta esperando a hora do golpe. Tem gente boquiaberta inclusive porque não admite ver o filho do empregado estudando na mesma universidade ou viajando no mesmo avião. Gente boquiaberta com a forma como a corrupção hoje é combatida por juízes enquanto antes era jogada para baixo do tapete pelo engavetador geral da união. Gente boquiaberta ao ver que a mídia que persegue qualquer petista ao menor deslize fecha aos olhos para escândalos do metro de São Paulo, Alstom, aeroporto do titio e helicóptero dos Perrela. Como disse o nosso bravo blogueiro, ninguém tem apoio popular sem ajudar o povo e é por isso que as pernas tucanas continuarão abertas esperando mais uma vitória do PT com Lula em 2018. Vamos apostar?

      Excluir
  3. Certamente assistirei ao filme, mas por conta de um diagnóstico equivocado de um médico, você considerar que a medicina não sabe nada sobre nós, équivale m desconsiderar a importância da ciência através do qual o próprio Hawking se tornou conhecido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não se trata de acertar ou errar diagnósticos, é que o corpo e a mente humanas são infinitamente complexos para caber em fórmulas químicas.

      Excluir
    2. Várias fórmulas ou formulações descrevem com precisão fenômenos que ocorrem em nosso corpo. Conhece - lo por inteiro não é simples, mas entende - lo por partes certamente ajudará a entender o todo.

      Excluir
  4. https://www.youtube.com/watch?v=e_0L6AxKzvI - Elétrons mudam de comportamento ao serem medidos; isso é muito sério. drum

    ResponderExcluir
  5. Realmente o filme é recomendável, super bem realizado... e olha que nem chorei, mas emocionei-me de verdade. O que mais impressionou-me, além do trabalho magistral do ator/protagonista, foi saber que, mesmo naquelas condições de quase inércia, a sexualidade dele estava preservada, ou seja, eros vencendo thanatos, como quase sempre. E, mais ainda: ele não perdeu o senso de humor, o que o salvou, certamente, mais do que tudo.Uma história incrível e inesquecível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bem lembrado a vitória de Eros sobre Thanatos.

      Excluir
  6. Excelente crônica. Lindo demais. Comovente em todos os sentidos. Bom para a mente e para o coração. Difícil não fazer este comentário piegas: "uma lição de vida", porém, não me vem outra coisa ao pensamento. Para mim, chegou no momento certo. Tenho certeza que estou um ser melhor. "E o que pode ser mais especial do que não ter limites? Enquanto houver vida, haverá esperança". Depois do discurso final do Stephen Hawking só me resta dizer quê: diante de um ser tão especial como ele só cresce a minha certeza que há um Deus tão ilimitado quanto o próprio universo, ou melhor ainda, talvez o universo não seja outra coisa a não ser Deus. Theo Lima

    ResponderExcluir