Translate

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Abaixo a Fifa, mas viva o futebol

Foto: Marcelo Migliaccio

Só o futebol faz isso. Só esse esporte fascinante, mais perfeita metáfora da vida, move pelo planeta essa multidão que veio parar no Brasil. Africanos, asiáticos, europeus e, principalmente, milhares de latino-americanos. Tem até gente de país que não está na Copa, já vi grupos de jovens peruanos e venezuelanos uniformizados na festiva Copacabana.

Só para comparar, uma Olimpíada reúne todos os outros esportes e não movimenta um décimo dessa massa que peregrina atrás da bola pelo mundo.

Quando o Brasil se candidatou a sediar a Copa confesso que achei um absurdo. Achei que o simples ato de pleitear esse evento bilionário era um desrespeito com milhões de pessoas que ainda precisam de saúde, educação e saneamento básico de qualidade. Mas as explicações do governo me convenceram. O investimento não chegou a 10% do orçamento anual da educação, por exemplo, e a maior parte do dinheiro gasto pelo governo, em forma de financiamento, voltará para os cofres públicos em parcelas. Se pudesse, FHC teria feito uma Copa, mas com o país ajoelhado diante do FMI, ele não teve condição.

Agora temos grana para bancar. Não há problema nos aeroportos, ao contrário do que a grande imprensa privada alardeou durante dois anos para atingir o PT. Não há roubos nas ruas, não há black blocs atirando coquetéis molotov na polícia, não há greves. Os sabotadores da Copa estão frustradíssimos. A revista semanal que pensa que o leitor é cego chegou ao fundo do poço do recalque em sua mais recente edição: "Só alegria, até agora". Esse até agora expressa o desejo inconfessável de que alguma coisa dê errado até o dia da final.

Até agora, a única bola fora foi a falta de educação da elite alienada que ofendeu, diante dos olhos do mundo, em plena cerimônia de abertura, a presidente da República, principal responsável pela festa, pois, afinal, foi ela quem abriu o cofre.

A Fifa é corrupta? Dizem que é. É a grande gigolô do esporte bretão? Com certeza. Promove jogos só para mauricinhos e patrcicinhas devoradores de novela assistirem nos estádios? É o que vemos.

Mas o futebol, quando a bola está rolando, é muito maior que tudo isso.

Numa arena, na calçada esburacada ou na várzea, a bola é o remédio para todas as mazelas.

Só o futebol faz isso: a mídia que critica a Copa feita pelo governo do PT é a mesma que fatura bilhões com ela.

Só o futebol faz americanos e iranianos trocarem apertos de mão e ramos de flores, faz a Colômbia passar por cima do Japão. Faz o Uruguai derrotar a Itália no grito e na mordida. Faz a Costa Rica chorar de alegria e a do Marfim, de tristeza...

Só um jogo maravilhoso como esse faz um moleque esquálido de Santos deixar um colosso de ébano camaronense no chão com um simples jogo de cintura. E não há outro esporte que transforme o gênio em burro e o burro em gênio numa fração de segundo.




11 comentários:

  1. Concordo que o futebol faz milagres, mas se tratando de beleza, as olimpíadas são inigualáveis, ela reúne dezenas de modalidades esportivas lindíssimas de se ver.
    Infelizmente no Brasil o "esporte amador" fica sempre em 2º plano, basta olharmos para os clubes e escolas que temos, só se fala em futebol.
    Nós endeusamos tanto o futebol, que esquecemos de apreciar outros esportes lindíssimos, que até são usados por muitos países para ajudar na educação e na socialização de crianças e adultos.
    Cury

    ResponderExcluir
  2. Há duas denominações perfeitas para a Copa no Brasil: É verdadeiramente a "Copa das Copas" por toda a organização e pelo congratulando que vem permitindo entre povos. É também a "Copa dos arrependidos", aqueles que torciam para não dar certo, num exacerbado complexo de vira - latas. Foi preciso o reconhecimento internacional para que os arautos do "viralatismo" se convencesse que o Brasil é capaz. Agora tem um monte deles correndo atrás de ingressos e eu felizmente já tinha comprado o meu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu quis dizer congracamento, mas o teclado "inteligente" não permitiu.

      Excluir
  3. Oi Marcelo,
    Dois prazeres: Um, ler o que você escreve. Outro, ver que essa Copa deu certo, uma verdadeira alegria.
    Beijos,
    Sandra

    ResponderExcluir
  4. E a Dilma mandando beijinho no ombro para os recalcados, hehehehehe. Abração, Marcelo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu a bem sacada e bem lembrada brincadeira kkkk. Não custa lembrar que a tal da Popuzuda -uma exibicionista sem talento artístico - , seja uma escrota apelativa, e ainda que gostosa para a maioria, tenha mais afinidade, então, com os palavrões escrotos dirigidos à presidenta.

      Excluir
  5. Sera q não há jeito de se quebrar esse monopolio da FIFA no futebol?

    Torelly

    ResponderExcluir
  6. Mais um gol de placa seu, Marcelo. Irretocável e oportuno. Como não tenho nada a acrescentar, gostei muito deste escárnio, a seguir.Para compartilhá-lo, por questão de espaço, farei dois posts.

    A Copa é um fracasso
    Francisco Costa

    Conforme prognosticaram os jornalistas, embasados em vasta experiência jornalística, honestidade de propósitos, compromisso com a verdade e isenção política, infelizmente está tudo acontecendo como o esperado.

    Parabéns às tevês Globo e Band, à revista Veja, aos jornais Folha de São Paulo e O Globo, pela perfeita percepção da realidade, o que só os que fazem jornalismo sério, não corrompido por interesses políticos e pecuniários, podem ter.

    Como era esperado, o vexame é total, o que enxovalha o Brasil aos olhos do mundo e mostra toda a incompetência política e administrativa desse governo, nos expondo assim a humilhante situação, da qual demoraremos muitos anos para nos livrarmos.

    Para fazer as afirmações que se seguem, pautei-me pelo que tenho lido na imprensa internacional, a partir de jornalistas estrangeiros e turistas do mundo todo, e postado pelos bravos militantes da direita, intelectualizados e precisos nas suas análises e críticas.

    Os estádios todos inacabados, de arquitetura no mínimo duvidosa, feios, mal iluminados… Acertaram os que disseram que só ficariam prontos na próxima década.

    As chamadas obras de infrestrutura, no entorno dos estádios, foram uma balela. Os engarrafamentos, nos momentos que antecedem os jogos, são quilométricos, com os torcedores chegando atrasados, inclusive com muitos deles desistindo de entrar nos estádios.

    Os aeroportos superlotados, com voos atrasados e cancelados, filas imensas nos guichês, bagagens extraviadas… Com todos os aeroportos por terminar, cheios de materiais de obras espalhados, numa imundície só.

    Um outro fiasco que não poderia passar em branco é o das comunicações, com os correspondentes sem poder fazer contatos com suas bases, os links interrompidos ou com interferências, nos isolando nos momentos de pico, que antecedem e durante os jogos.

    E o apagão, a suprema humilhação? Como é que em pleno século XXI um país inteiro pode ficar sem energia elétrica por horas, em silêncio, no escuro, envergonhado?

    O apontado infelizmente aconteceu: um surto de dengue em pleno inverno, com os hospitais lotados, sem ambulâncias para transportar doentes, medicamentos em quantidade insuficiente, com muitos turistas debandando, voltando para os seus países, com medo.

    Mas… O que mais temíamos e tínhamos certeza que aconteceria e ficaria fora de controle… A violência generalizou-se de tal maneira que nem mesmo as Forças Armadas estão tendo força suficiente para, se não debelar, pelo menos minorizar: brigas generalizadas entre torcidas, resultado de um serviço de segurança ineficiente, pequeno no número de homens, e despreparados.

    ResponderExcluir
  7. Continuando o post anterior...

    As delegacias policiais já não dão conta de tantos registros de ocorrências de roubos, assaltos e sequestros, com balas perdidas em grandes aglomerações de turistas, os arrastões, promovidos por facções criminosas, com gente descida dos morros e vindas dos subúrbios.

    Perdeu-se a conta de ônibus queimados, vitrines quebradas, lojas comerciais saqueadas…

    Claro que uma situação dessa, e que só surpreendeu aos mal informados, não leitores de nossos jornais e revistas e telespectadores, só poderia gerar protestos, indignação, e então o que se viu foi o coro, em São Paulo, usando palavras de baixo calão, dirigidas à presidente da república.

    Não passou pela cabeça de ninguém que deixar o povo ter acesso aos estádios seria uma temeridade? Como esperar civilidade, educação, postura, respeito e até caráter de pessoas de pouco estudo, baixos salários, residindo em áreas longínquas? Como esperar dessa gente qualquer coisa como simpatia, hospitalidade, cortesia? São ogros.

    Só deveria ter acesso aos camarotes vips dos estádios os grandes empresários, os políticos de direita, os artistas e apresentadores da televisão, gente polida, educada, respeitadora, como não mostram no vídeo, em pleno exercício de monetário cinismo.

    O país está um caos, e não foi por falta de aviso: a mídia avisou que seria assim, a oposição ao governo provou que seria assim, uma multidão de internautas inteligentes e bem informados mostraram todas as evidências de que seria assim, mas o governo não quis ouvir e pôs avante esse sonho megalômano de realizar uma Copa do Mundo aqui.

    O Brasil nunca mais será o mesmo aos olhos do mundo, que agora entendeu que, aqui, a mídia e os partidos de direita (Dem, PSOL, PSDB…) são mais criminosos que o Comando Vermelho e o PCC.

    ResponderExcluir
  8. Vejam como a Copa envolve e contagia todos:
    Em Brasília um protesto anti-Copa acabou para os manifestantes assistirem ao jogo do Brasil !!

    E Fausto Fawcett mandou bem ao se referir a invasão de gringos em Copacabana:
    Quando a cidade recebe esses eventos, o único bairro que aguenta o tranco é Copacabana.
    Concordo plenamente com ele.

    Cury

    ResponderExcluir
  9. Que bom que tudo está dando certo.A energia do povo brasileiro é do bem. Os cães latem e a caravana passa. Bj. Yves.

    ResponderExcluir