Translate

sábado, 19 de maio de 2012

Nós e a Lua

Lua/Foto Marcelo Migliaccio


Um dia desses, meu joelho inchou de tanto eu pedalar e fui obrigado a ir ao médico. Era uma tendinite, disse ele, antes de me receitar um anti-inflamatório. Parei com a atividade física por uns dias e o edema sumiu.

Taí uma das grandes invenções do ser humano: o anti-inflamatório.

Embora eu ache que a eficácia da medicina vai muito pouco além do anti-inflamatório, devido à complexidade do bicho homem e da imprevisível interação entre o físico e o psíquico, reconheço que em matéria de tendinite, a turma do estetoscópio foi muito bem.

Me disseram que aquele ortopedista é uma sumidade. Deve ser, pois em oito minutos apertou meu joelho, verificou a firmeza da rótula e especulou ser uma tendinite. Pediu um exame de imagem, claro. Paguei R$ 250, 00 pelo rito sumário da sumidade. Acho que nem o Eike Barbeiro ganha 250 pratas em oito minutos...

Devo confessar que não fui fazer a ressonância magnética, porque, sem dor e sem inchaço, não vou perder tempo alimentando a indústria dos Labs...

Outra grande invenção do homem é a Coca-Cola (essa bandida gostosona...). Os óculos escuros também foram um adianto enorme, pois além de filtrar os raios UVA ainda nos permitem fingir que não vemos um chato na rua.

O uso recreativo da canabis sativa foi igualmente um achado, embora a tal erva continue proscrita 5 mil anos depois, dado o seu poder de fazer as pessoas pensarem... sem apologia, porque tem muita gente que pira mesmo. Pensar, às vezes, é pirante.

Calça jeans, eis outro feito da Humanidade. Serve pra todas as horas e não sai de moda nunca. Confortável e bonita, o que mais se espera de uma peça de roupa? Poderia listar também a bicicleta e a música (a única droga sem efeito colateral que conheço) como grandes criações da nossa espécie.

Mas o maior feito desse animal que está levando o planeta para o buraco com sua dupla de âncias (ignorância e ganância), sem dúvida, para mim, foi ter chegado à Lua. Quem diria que aquela formiguinha do universo fosse construir uma engenhoca que a levasse a 350 mil quilômetros de distância, para caminhar num lugar em que nem oxigênio há?

Foram seis missões lunares, todas custando os olhos da cara do Tio Sam, mas desde que o primeiro homem das cavernas olhou para o céu e viu aquela bola prateada suspensa no ar, ele sonhou em andar por lá.

Quinta-feira passada morreu o último velhinho que ainda duvidava de que aquelas imagens do astronauta quicando de felicidade no solo lunar eram montagem e que aquilo tudo foi uma grande cascata dos americanos para sacanear os soviéticos.

De concreto, a ida à Lua pouco trouxe de progresso. As frigideiras de teflon em que você frita seus ovos, por exemplo, fazem parte do "grande passo para a Humanidade" dado pelo astronauta Neil Armstrong em 1969. Dizem que o quartzo dos relógios também veio de lá. O resto era terra e crateras.

Vista daqui, a Lua sempre inspira os namorados em suas juras de amor (os casados não costumam ter muitos olhos para ela) e faz os lobos uivarem como loucos.

Só pensar que, depois de tantos séculos a contemplar aquela inatingível e distante maravilha, o homem chegou lá, andou por lá, já é uma coisa fantástica.

Viva a Lua, viva o homem quando ele sabe usar a cabeça.

Ai, meu joelho tá doendo...

23 comentários:

  1. O sol é importante para o planeta pois aquece a vida. Porem a lua, além de satélite natural,dissipa as trevas noturnas.
    Sergio.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo, então use a sua cabeça e vá fafzer a ressonância que a sumidade pediu, porque ele sabe o que está fazendo, e se pediu é porque é preciso. Esse papo de "alimentar a indústria do Labs" é de uma ignorância surpreendente, tanto quanto dizer que a eficácia da medicina vai pouco além do anti-inflamatório. Perdoe-me a sinceridade, e olha que eu sou sua fã... mas rever suas ideias pode melhorar muitíssimo a sua vida.

    ResponderExcluir
  3. Conheço um lunático que morre dizendo que o homem jamais foi a lua. Acho que ele deve ter pego sol de mais na cabeça. rsrs

    ResponderExcluir
  4. Marcelo, lendo o seu texto percebi um pequeno erro cometido: o nome do astronauta é Neil Armstrong, Louis era o cantor.
    um abraço
    Sandra Leão

    ResponderExcluir
  5. Também não gosto de alimentar a indústria dos Labs, principalmente quando um daqueles representantes de algum laboratório entra no consultório antes de mim, com aquela mala cheia de remédio, e fica um tempão mostrando ao médico as "novidades" da medicina.
    Outro dia crie caso com um representante e seu baú que queria furar fila e entrar antes de mim, ele colocou a viola no saco e esperou acabar minha consulta para depois entrar.
    Fez cara feia, mas deixei ele quietinho esperando, como nós pacientes que pagamos os médicos ficamos.

    Cury

    ResponderExcluir
  6. Se sigo vivo devo isso aos "alem dos anti-inflamatorios". Sim, estou com um pe na cova: 2 stents, remocao de prostata com cancer, implante de male slig para parar de fazer xix na cueca, cirurgia nos dois joelhos, outra para hernia, uso diario de remedio para reduzir ocolesterol, para reduzir o trigliceridio, para controlar a diabelte, alem da pilula "especial" usada para quando rola um clima... Todos criados apos o descobrimento do anti-inflamatorio ou seja, essas drogas e essa tecnologia seguram esse individuo (eu) aqui na terra por mais algum tempo, tempo necessario para poder contemplar a lua no jardim do fundo da casa onde sento, curto as cachorras e faco um churrasco. Essa mesma lua que interfere nas mares, que faz casais enamorados se entrelacarem, que faz com que a gota de sinais de vida...

    ResponderExcluir
  7. Quanto à maravilhosa música (talvez o segundo melhor, como entretenimento ou terapia...) sei de muita gente inteligente, sensível, bem educada, altruísta, enfim, de boa civilidade, que não suporta os efeitos colaterais -e sem nehum tipo de preconceito, ao contrário, conceitualmente não se descobre qualidades mínimas, mesmo!_do funk de putaria (moi aussi) e diz, literalmente, que seus ouvidos não são latrinas. Há quem precise "evacuar" ou escafeder-se do local, antes que se irrite ou enlouqueça com aquele barulho infernal e com "letras" escrotas, precárias, apelativas e toscas, de pura baixaria.

    Quanto a não acreditar na ida do homem à lua, conheço uma senhora de 84 anos, lúcida e inteligene que ainda duvida e, sensatemente, duvida de quase tudo e todosssssssssssss.Ela não conhece decepção ou desilusão.

    Quanto à esplêndidez da Nossa Senhora do Silêncio_ assim a batizou o genial Fernando Pessoa_, há uma afirmação , do Gilberto Gil, com a qual afino: "do luar, já não mais nada a dizer...a não ser, que a gente precisa ver o luar".
    Marcos Lúcio

    ResponderExcluir
  8. Escrevo para o "Sou Contra": na realidade, escrevo para convidá-lo a ler, lá no Alma Lavada, o post "Todo mundo é pé na cova", que escrevi ano passado.

    ResponderExcluir
  9. Bom não foram apenas crateras e areia que encontraram lá, os outros astronautas foram proibidos pelo governo de falar o contato com extraterrestres e o fato de a Lua já estar ocupada com instalações

    Diálogo de Niel Armstrong não divulgado, evidenciando sua surpresa sobre o que realmente viu por lá
    http://www.youtube.com/watch?v=YqWRA4cPnI8



    Série de fotos mostrando instalações não naturais na Lua
    http://www.youtube.com/watch?v=fUOs95ZLR7A

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho que não estamos sós...

      Excluir
    2. Tambem acho. Eh mais do que elementar que exista vida no universo alem da no planeta terra.
      Mas, fica a questao: se existe um tipo de vida com conhecimento tecnologico avancado o suficiente para construir um meio de transporte espacial que possa viajar a velocidade da luz (que segundo a teoria de Einstein seria o limite da velocidade de um objeto no espaco) e resolva viajar alguns anos luz para chegar ate a terra, por que vem, olha e vai embora? Nao faz sentido; nao tem logica!

      Excluir
    3. Não sabemos se os ETs olharam e foram embora ou se estão por aí, atrás de alguma moita...

      Excluir
    4. Que eu me lembre, atras da moita ia o vegetariano radical com a namorada para... comer a moita!

      Excluir
  10. Bom Dia, Marcelo!

    Mais uma vez você alegra minha manhã de domingo.
    Belo Horizonte é belíssima no outono: ar fresco e céu límpido.
    Soma tudo e... vou passear.

    Um abraço fraterno,

    Wanda Rodrigues

    ResponderExcluir
  11. Mauro Pires de Amorim.
    Acho esses assuntos galáticos inspiradores. No ano de 1991, passei 10 dias seguidos em Saquarema, RJ, na casa de uma amiga da namorada de um amigo meu. De vez em quando à noite, íamos à Praia de Itaúna, cerca de 3 quarteirões da casa onde estávamos, para observarmos o céu estrelado. Eu ficava lembrando-me da Carta Celeste vista do Hemisfério Sul e viajando nas constelações, num clima de pura meditação zen, ao menos para mim,
    principalmente sabendo que os(as) astro-físicos(as) e astrônomos mundias, concordam que existam no Universo, aproximadamente, 1 bilhão de galáxias como a nossa, a Via Láctea, sendo que, em cada uma dessas galáxias, aproximadamente, 1 bilhão de estrelas ou planetas. Portanto, a possibilidade de vida e até mesmo de vida inteligente, que pode ser mais ou menos evoluída do que nós é bem plausível. Comparativamente falando, nosso Planeta Terra é um grão de areia numa praia inteira.
    Você sabia que os soviéticos foram os primeiros a chegarem na Lua por intermédio da sonda-satélite Mechta, sonho em russo, lançada pela nave Luna 1, em 4 de janeiro de 1959? Todo o projeto Luna, soviético, foi dedicado à pesquisas lunares.
    É verdade que os soviéticos jamais fizeram vôos tripulados por humanos na
    Lua, mas o primeiro robô ou "rover" a andar num corpo celeste fora de nosso planeta, também foi soviético. O projeto Lunokhod, andarilho lunar em russo.
    Primeiramente o Lunokhod 1, pousado no Mar de Chuvas, pela nave Luna 17, em 17 de novembro de 1970, e que, com todos os seus sensores analíticos, de comunicações com a Terra e baterias recarregáveis por painéis solares de células foto-elétricas, funcionou, até as baterias não serem mais passíveis de recarga para movimentar-se, no dia 04 de outubro de 1971, tendo percorrido mais de 10.500 metros nesse período.
    Posteriormente, o Lunokhod 2, mais aprimorado que seu antecessor, pousado na Cratera Le Monnier pela nave Luna 21, no dia 15 de janeiro de 1973, tendo funcionado igualmente, até que suas baterias não mais recarregassem viabilizando seu movimento, até o dia 04 de junho de 1973,
    tendo percorrido cerca de 37.000 metros de solo lunar, realizando análises e transmitindo-as para a Terra.
    Tanto o Lunokhod 1 como o Lunokhod 2, apesar de não se movimentarem mais por falta de energia suficiente para tanto, estando portanto estáticos no solo lunar, ainda enviam sinais de sua localização para a Terra até hoje.
    Felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir
  12. Mauro Pires de Amorim.
    Marcelo, você tem o programa Google Earth no seu computador?
    Caso não tenha, entre no site www.baixaqui.com.br, que é um site seguro, que disponibiliza, pelos fabricantes, uma série de programas de computador grátis, baixe e instale o Google Earth em português.
    Pois bem, após feito isso, abra o Google Earth.
    Inicialmente, aparecerá um retângulo tutorial com uma mensagem. Se quizer explore-o.
    Por trás dessa mensagem tutorial, está o Planeta Terra no espaço, mas você só poderá visualiza-lo perfeitamente após fechar o tuotrial.
    No alto da tela do Google Earth, há uma barra de ferramentas do programa, com uma série de opções. Entre elas, há um ícone, uma figurinha, similar ao Planeta Saturno, logo uma planeta com anel em volta.
    Clicando nessa opção, aparecerão as sub-opções Terra, Céu, Marte e Lua. Você poderá girar qualquer dessas opções, mudando o ângulo de visão da sub-opção selecionada, fazendo girar, com a utilização do mouse para tanto.
    Na opção Céu, você poderá visualizar a carta celeste à partir do espaço, com todas as constelações.
    Na opção Lua, você poderá visualizar e selecionar todos os pontos de pouso de todas as missões lunares, tanto dos EUA, como da URSS.
    Na opção Marte, as missões internacionais compartilhadas.
    As informações espaciais do programa Google Earth, são o compêndio visual, tornado público de satélites e sondas espaciais, inclusive o Telescópio Espacial Hubble.
    Pena que não constem ainda mais sub-itens dos demais corpos celestes de nosso sistema solar, mas enfim, são imagens autorizadas e já proporcionam uma boa diversão.
    Mais uma vez, felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir