Translate

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Fábula jornalística

Foto: Marcelo Migliaccio


Trancado cruelmente numa prisão sem ter cometido crime algum, o passarinho interrompe seu vôo neurótico naquele cubículo. Ao avistar o dono chegando para limpar o recinto e repor água e comida, o pobre encarcerado subitamente esbraveja:

- Ok, me prendeu, perdi. Mas não vem forrar minha gaiola com esse jornal mentiroso, não!

Enquanto isso, na feira livre, o peixe morto ressuscita e interrompe o vozerio dos passantes pasmos. Numa cena surreal, ele protesta contra o feirante:

- Me matar, eu aceito; vender meu corpo pra essa dona cozinhar no almoço, tudo bem, é do jogo. Mas nem pense em me embrulhar nesse jornal de quinta categoria!

Foto: Marcelo Migliaccio

5 comentários:

  1. Ganha om doce quem adivinhar o nome desse jornal sórdido e memtiroso !!!
    Uma vez me ligaram oferecendo assinatura desse jornaleco, respondi que aqui em casa esse jornal não entra nem para recolher o cocô da minha cadela Laika.
    Cury

    ResponderExcluir
  2. Mas nem tudo está perdido. Os cães, até onde sei, não reclamam. A finalidade tem valido o preço.

    ResponderExcluir
  3. Ver as noticias no O Globo eh um exercicio de conhecimentos: Voce le a noticia e compara com o que voce sabe sobre os fatos...
    Ate ai, nao temos novidades. O Globo eh... O Globo.
    Triste mesmo eh ver um jornal que sempre primou pela independencia; pela informacao da verdade, como foi o JB, do qual fui assinante, "apresentar" as "noticias" que ora apresenta.
    A leviandade do JB de hoje faz a condessa dar voltas dentro do caixao, Marcelo. Eh algo que jamais pensariamos que iria ocorrer mas... ai temos o JB baba ovos do governo. Mais triste do que ver o Globo, que sempre foi o que foi, continuar sendo o que foi...

    ResponderExcluir
  4. O que faz um jornal ser bom ou ruim não são só os jornalistas, mas os seus colunistas, nisso o JB se destaca dentre os jornais.
    Cury

    ResponderExcluir
  5. Concordo com o Cury. O JB felizmente voltou a ter mais independência, da forma como sempre foi admirado em um passado recente.

    ResponderExcluir