Translate

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Por que a Mangueira ganhou?

Foto: Marcelo Migliaccio


No carnaval da crise, tinha que ganhar a mais popular. Sem o dinheiro dos barões do bicho ou de governos e empresas a fim de promoção, a campeã foi a escola de samba mais famosa do mundo, a Mangueira.

A Mangueira é do morro da Mangueira. A Mocidade não é da favela da Mocidade, é da Vila Vintém. Sem os milhões de Castor e seus herdeiros, quase caiu.

A Portela também é tradicional, mas a Mangueira nunca rachou. E da Portela nasceu a Tradição, que por sinal, já desapareceu.

A Beija-Flor e a Imperatriz dependem dos Abraão David e do Luisinho Drummond. A Mangueira nunca teve bicheiro mecenas. Nunca teve um Miro, um Maninho, que fizeram do Salgueiro uma super escola de samba. E super não combina com samba. A Mangueira não tem dono, sempre sobreviveu nos braços da sua gente. Sua rainha de bateria mora no morro, não é uma nissei famosa importada de São Paulo. Nem a Galisteu, a Brunet, a Luma... é só a garota que arrasou no Buraco Quente.

Sobreviver assim, na raiz do samba, não é fácil. Que o diga o Império Serrano...

A Vila Isabel tem Martinho, teve Noel... que até fazem um páreo duro com Cartola e Carlos Cachaça, os intelectuais da Mangueira. Mas nenhuma escola terá um casal de mestre sala e porta bandeira como Delegado e Mocinha. 
Mocinha e Delegado


A Mangueira é tão carioca que fica colada no Maracanã. Não importa se o maior estádio do mundo virou um estúdio de TV elitista. A Mangueira continua povão.

No Estácio nasceu a primeira escola, mas a estação primeira é de Mangueira.

A Mangueira não investiu milhões em carnavalescos renomados, como Paulo Barros ou Rosa Magalhães. Entregou seu imaginário a um novato, um principiante. A Mangueira é diferente, sempre. Combina verde com rosa e fica ótimo.

Por isso, quando foi preciso alma, a Mangueira ganhou.





5 comentários:

  1. Parabéns a Mangueira, mas a piada do carnaval do Rio (a de São Paulo todo mundo sabe) foi a Mocidade. Como pode uma escola de samba bancada por bicheiros querer dar lição sobre corrupção? Resultado: quase caiu! Muito parecido com os defensores do "impitma", cujas mascaras caem mais cedo ou mais tarde, seja ele da turma do quanto pior melhor ou um simples desatento.

    ResponderExcluir
  2. Embora torça pela Portela, a Mangueira sempre foi minha 2ª escola de coração, principalmente pela proximidade com o time e a torcida do Flamengo.
    Mas a Beija Flor que é a mais rica de todas tá igual ao Aécio, não sabe perder.
    Cury

    ResponderExcluir
  3. Compartilhando outros pontos de vista.
    Huffpost Brasil | De Amauri Terto
    6 motivos que fizeram a vitória da Mangueira

    Mangueira celebra 50 anos da carreira de Bethânia com luxo e muitos artistas

    1. Maria Bethânia


    Neste ano, a escola verde e rosa homenageou a cantora e compositora baiana Maria Bethânia, com o enredo Maria Bethânia, a Menina dos Olhos de Oyá. Nos carros alegóricos e fantasias, a escola relembrou a religiosidade da cantora, seus shows e sucessos interpretados ao longo dos 50 anos de carreira. Ovacionada pelo público, Bethânia desfilou no último carro da escola, que representava a sua paixão pelo circo. Deslumbrante!

    2. Luxo


    A vitória da escola quebra um jejum de 12 anos. Depois de um longo período de crises financeiras, que impediram bons resultados da escola no Grupo Especial, a Mangueira surpreendeu os espectadores com a beleza e o luxo das fantasias apresentadas na avenida. Neste ano, o verde e rosa da escola foi bem acompanhado por muito dourado e efeitos especiais.

    3. Comissão de frente


    Realmente um caso à parte. Formada por 15 bailarinas negras com figurinos que deixavam os seios à mostra, a comissão de frente trazia em sua coreografia a representação das guerreiras de Oyá – orixá relacionada à sensualidade e valentia.

    4. Abre-Alas


    Representando orixás presentes na vida da cantora baiana: Iansã, Oyá e Oxum, o carro abre-alas contava com um inusitado efeito especial: jatos de água eram lançados sobre a figura de Oxum – a deusa que habita as águas doces. Em um trono do carro, em destaque, ficou o sambista Nelson Sargento.

    5. Bateria


    Quem viu a escola desfilar de perto pôde participar do samba-enredo por meio das paradinhas e frases de efeito destacadas pela Mangueira neste ano. Além disso, pôde também se deslumbrar com a chuva de confetes que a bateria – fantasiada de “fera ferida” - soltou na avenida.

    6. Estrelas



    A Estação Primeira de Mangueira levou para a avenida uma verdadeira constelação de estrelas. Divididos pelos carros alegóricos e destques de chão, desfilaram artistas como Caetano Veloso, Regina Casé, Zélia Duncan, Cauã Reymond, Adriana Calcanhotto, Mart’nália, Beth Carvalho, Chico César, entre outros.

    Como estive presente no Sambódromo tanto na noite de segunda-feira quanto no desfile das campeãs, e respeitando opiniões divergente, sempre... posso comprovar e garantir , com total isenção pois não sou portelense, que a escola que sacudiu, verdadeiramente, foi a Portela. A unica que desfilou com os gritos de É CAMPEÃ!!! Impactou, deslumbrou e emocionou Se dependesse de mim, certamente seria ela, com toda honra e justiça. A azul e branco de Madureira cantou como ninguém, e mostrou sua força fazendo um desfile arrebatador.

    ResponderExcluir
  4. É, todos dizem que a Portela contagiou mais o público, mas em todos os anos há contestação ao resultado do júri.

    ResponderExcluir

  5. Li, adorei e reproduzo:

    Nem tudo esta perdido!
    A revanche.
    "A rainha do Carnaval 2016 não é bombada. Não usa fio dental. Não tem peitão." Não canta axé, pagode, sertanejo universitário e funk (credo!) e nem é evangélica (ufa!).
    Tem Cabelos brancos, uma bagagem musical fantástica, é iluminada, Rainha da Fé: A Diva........ Bethânia

    ResponderExcluir