Translate

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Me conformei...

Apesar da virulência dos últimos posts quero anunciar a toda nação (rubro-negra e dos 318 pastores) que já me conformei com o golpe. É assim mesmo. Vai rolar e pronto.

Aprendi cedo a lidar com isso, todos nós aprendemos. Quando criança, quem não teve um amigo que no meio da brincadeira disse: "não vou mais brincar"? Geralmente, era o garoto que não conseguia pegar ninguém no pique, ou aquele perna-de-pau que saía do jogo quando seu time estava levando uma goleada. Ou ainda a menininha mimada que sempre perdia no jogo da memória e, irritada, jogava todas as cartas pra cima.

A direita simplesmente cansou de perder. Levou quatro piabas seguidas nas urnas, viu que não ganha no voto e simplesmente decidiu melar o jogo. Disse que só joga se a bola ficar com ela a partir de agora.


Ok, vamos deixar a bola com ela. A gente toma de novo, no voto.

O que não dá pra aceitar são os idiotas achando que vai ser iniciada uma nova fase a partir de agora. Vão tirar o "governo corrupto" e estará instaurada a moralidade no país. Só pode ser imbecilidade ou má-fé acreditar que a partir de agora o Judiciário não vai fechar os olhos para os desmandos do novo governo, que a imprensa não vai ignorar seus escândalos, como faz com as contas de Eduardo Cunha na Suíça, com o metrô paulista, com a Operação Zelotes.

Quem acredita nessa baboseira? Os mesmos que acreditaram na Nova República do Tancredo/Sarney, no Plano Cruzado, na caça aos marajás do Collor... acreditaram até que a bandeira brasileira fincada pelo Bope no alto do morro do Alemão era a "retomada do território pelo estado". Choraram de emoção ao verem os traficantes fugindo em disparada, mas eles voltaram e hoje fazem tiro ao alvo nos PMs das UPPs.

Quer tirar o PT no casuísmo, numa chicana sem vergonha? Ok. Mas não venha com esse papo de que tudo será diferente...




7 comentários:

  1. Em 1937, contas de Getúlio Vargas também foram rejeitadas (JB online)
    Quem diria, o grande Vargas também teve suas contas rejeitadas pelo TCU e Sarney, Collor, FHC e outros nocivos presidentes foram aprovados pelo TCU.
    Como a maioria da imprensa é sórdida e monotemática, querem que seus fantoches voltem ao palco de qualquer maneira.
    Cury

    ResponderExcluir
  2. "Tudo sera diferente" eh musica de Roberto Carlos. No Brasil, NADA sera diferente. Sai Dilma, entra Temer (Um ponto a favor: a mulher dele eh bem gostosinha). Nao entra Temer, entra Cunha (se nao for preso antes). Sai (preso??) Cunha entra Renan (se conseguir se safar de mais um processo...). Sai Renan com todos os implantes, amantes e laranjas, entra Lewandowski...
    Dai, rola (atencao controladores: Eh rola com "o" aberto", OK?) uma eleicao, vence Aecio ou Bostanaro ou outro merda qualquer (Iiii... Saiu um "merda"...)
    Melhor ficar como esta desde que a Dilma somente faca pronunciamentos com teleprompter (poe u eletrodo nela: Se sair do escrito, da um choque) e deixe a economia e a administracao nas maos de quem entende. Desfruta o que resta do mandato como se fosse uma presidente dentro de um sistema parlamentar que conseguira eleger um/uma sucessor.
    Mas que ela fez um puta (saiu, pronto!) estrago na economia do Brasil, isso ela fez...

    ResponderExcluir
  3. Mais uma vergonha terceiro mundista.É uma competição insana/canalha/golpista que evidencia quem são, de fato, os piores.Nada é tão ruim que não possa piorar...com a direitalha mandona e corrupta.

    ResponderExcluir
  4. Um dos juristas mais consultados nos últimos meses para debater as tentativas de impeachment da presidente Dilma Rousseff e a competência de órgãos da Justiça no Brasil, o jurista Dalmo Dallari disse, em entrevista ao Jornal do Brasil, que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não pode impugnar o mandato da chefe do Executivo.

    "O TSE só pode ter interferência em até 15 dias depois da diplomação da presidente, caso alguém venha a contestá-la. A competência do TSE, que é muito importante, se refere apenas ao período e ao processo eleitoral", sentencia o jurista.

    Para Dallari impeachment não vai prosperar

    Sobre o Tribunal de Contas da União, que deu parecer que reprova as contas de 2014 do governo federal, Dallari lembra que o órgão é, historicamente, "condicionado a interesses partidários" pelo fato de ser composto por ex-parlamentares indicados pelo Congresso Nacional. O jurista questiona, ainda, a suposta autonomia da instituição.

    "Recentemente, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) esteve no TCU e afirmou que estava lá para impedir que o tribunal cometesse ilegalidades. O que são esses políticos? Controladores do controlador? Qual é o nível de controle e de autonomia desse tribunal, então?", questiona.

    Sobre as tentativas da oposição de instaurar um pedido de impeachment, Dallari afirma que o processo não vai prosperar no Congresso, no TSE nem no TCU. "Em última instância, haverá recurso no Supremo Tribunal Federal. Seja pelo processo que tramita no TSE, seja por eventual votação de impeachment no Congresso, a última instância será sempre o Supremo", sentencia o jurista.

    ResponderExcluir
  5. Bandeira de Mello desmonta tese de impeachment com maioria simples
    Jornal do Brasil

    12/10/15

    Um dos autores do parecer que desmonta a possibilidade de impeachment da presidenta Dilma Rousseff a partir do julgamento das contas de 2014 no Tribunal de Contas da União (TCU), o jurista Celso Antônio Bandeira de Mello afirmou que o argumento sempre foi muito simples, mas a oposição faz questão de fingir que não vê.

    “Para rejeitar as contas basta maioria simples, ao passo que impeachment requer quórum qualificado (dois terços da Câmara ou 342 votos). São duas coisas completamente diferentes. Qualquer um vê isso, não é preciso muita lucidez para que perceber que o que está acontecendo não passa de uma armação ridícula de quem quer ganhar ‘no tapetão’, como se diz no futebol”, defendeu Bandeira de Mello.

    Para o jurista Bandeira de Mello, assim como no futebol, oposição "quer ganhar no tapetão"
    Para jurista Bandeira de Mello, assim como no futebol, oposição "quer ganhar no tapetão"
    O advogado disse, ainda, que a imprensa é cúmplice da oposição a partir do momento em que passa a comprar argumentos sem fundamento jurídico e constitucional. “A repercussão sobre essas possibilidades absurdas de impedimento da presidente ocorre porque a imprensa passa a noticiar tudo isso sem pesquisar o assunto”, diz ele.

    ResponderExcluir
  6. A partir dos argumentos dos mortadelas, o PT teria patrocinado o golpe contra Collor durante o processo de impeachment. Quanta contradição...

    ResponderExcluir
  7. O grande Davis Sena não acredita (tomara e torço para que ele esteja certo)nesta canalhice, nesse golpismo safado, nessa chicana escrota, senão vejamos :"O golpe paraguaio e de direita expirou seu tempo. Há um ano Aécio Neves e seus bate-paus estão a peregrinar pelos tribunais e Congresso. Suas intenções golpistas recebem as vestes de "legalidade" da imprensa de negócios privados dos magnatas bilionários sonegadores de impostos. Por causa disto é que eles são bilionários e fortes o suficiente para se contrapor a um governo constitucional vitorioso nas urnas e apostar em golpe de estado, porque golpe é golpe, seja pela força das armas ou por meio de chicanas jurídicas ou ardis parlamentares de políticos sorrateiros. O golpe paraguaio foi derrotado. A direita é o inimigo interno do Brasil. É isso aí".

    ResponderExcluir