Translate

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Tigres e dragões

Outro dia, tive que rir com um desses apresentadores de programas policiais da TV.

_ Se vierem me assaltar eu reajo e atiro primeiro. Não quero saber se depois vão me processar. Prefiro ser julgado por sete que carregado por seis.

Nenhuma das duas alternativas me parece vantajosa.

A tragicômica declaração reflete uma preocupação comum a todos nos dias atuais. Envolver-se numa confusão, mesmo que involuntariamente, é um risco que corremos em cada esquina. E, quando o perigo se apresenta, o que fazer?

Todo valentão é um retardado. Sim, depois que inventaram a arma de fogo (e já faz tempo), os corajosos tornaram-se uma espécie em extinção. Claro, como eram muito numerosos dada a vaidade inerente ao ser humano, ainda há muitos valentões por aí. Mas não tantos quanto no tempo das diligências. Desde então e diariamente, vários são abatidos à bala. Cowboy, só no cinema.

Não interessa se o cara é fera em algum tipo de luta, ou em MMA, que misturou todas tornando a briga de rua o esporte que mais cresce no mundo. Basta um esquálido apontar uma pistola na direção do lutador e… babau.

Pelo fato de simplesmente analisar o mundo que o cerca e trabalhar com possibilidades, riscos e vantagens, o homem inteligente jamais reage a uma provocação.

Se, num supermercado, um imbecil furar a fila e entrar na sua frente, deixe pra lá. Dê uma reclamadinha protocolar mas não vá além disso. Se o cara quiser comprar uma briga com você, conte até dez e fique na sua. Se a coisa parar por ali, o que você perderá? Dois minutos ou três até que aquele suicida em potencial registre e pague seu carregamento de batata chips e refrigerante? É muito pouco para arriscar-se a interagir com um desconhecido. Se ele quer morrer, não serei eu a realizar seu desejo.

Se, no entanto, sua vaidade obrigar você a reclamar com o furão, as perspectivas não serão nada boas. Digamos que após os xingamentos, os dois partam para as vias de fato (não vou considerar a hipótese extrema de homicídio). Ou você vai bater ou apanhar.

Se bater, poderá ser processado por lesão corporal e até preso. Na cadeia por não querer perder dois minutos na fila... E, se apanhar do furão, pior ainda. Imagine, ficar banguela ou com o olho roxo porque sua vaidade não deixou que você engolisse aquela perereca.

No transito, também, o valente corre sério risco de se dar mal. O medroso não: leva fechada, fica na dele e sai ileso.

Qualquer animal, seja ele grande como o elefante ou forte como o leão, evita o contato com tudo que pode ser perigoso. O embate é sempre sua última opção.

Deveria ser a nossa.

7 comentários:

  1. A bebida muitas vezes potencializa o que você é, por isso eu, que não gosto de discutir com ninguém, jamais discuto com um bêbado.
    Tinha um amigo de infância que virou sargento da PM, ele era muito bom de capoeira e de boxe, de tão bom de briga o apelido dele era Kung-Fu, já o vi encarando 4 ao mesmo tempo. Até que um dia chegou um garoto uns 15 anos do Cerro Corá/Guararapes onde ele morava, e lhe deu um tiro fatal.
    Se continuasse a ser o tranquilo José Carlos, acho que ainda estaria entre nós.
    Cury

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que todo mundo conhece uma história parecida. Abraço

      Excluir
  2. Concordo absolutamente com este texto irretocável, oportuno e lúcido, nestes tempos rasos e "modernos", onde a violência, a alienação, o individualismo exacerbado, a competição insana, etc.pontificam.

    Parece que estamos, de fato, retrocedendo à barbárie.Credo! Considero mais sensato um "covarde" vivo do que um herói/justiceiro com as próprias mãos morto. Aceitar provocação dos inevitavelmente idiotas ou mal resolvidos sexualmente ou infelizes, é competir para ver quem é o pior.

    A Excelência Suprema, segundo,Sun Tzu, autor do célebre livro A ARTE DA GUERRA, fecha o pacote: " Derrotar o inimigo em cem batalhas não é a excelência suprema; a excelência suprema consiste em vencer o inimigo sem ser preciso lutar".

    Outro iluminado, o grande Dalai Lama, nos diz, sabiamente , que "Violência não é um sinal de força..A violência é um sinal de desespero e fraqueza", ou, "Responder à ofensa com ofensa, é lavar a alma com lama.O silêncio é um dos argumentos mais difíceis de se rebater.

    Graças a Deus, até por conta de nunca ter aprendido a brigar e ser radicalmente contra qualquer tipo de violência, jamais aceitei ou aceitarei provocação alguma, pois nenhum insulto vai atingir minha alma ou fazer-me vestir a carapuça ou vai condizer com minha realidade que busca, sempre que possível, a ética e o altruísmo, embora seja eu mais um ser humano bastante imperfeito, claro!

    Aprendi, ainda bastante jovem, com o Hermann Hesse, esta evidência solar: "Se você odeia alguém, é porque odeia alguma coisa nele que faz parte de você. O que não faz parte de nós, não nos perturba".Depois, descobri na psicanálise que só corroborou ao afirmar que antipatias violentas, camuflam ou denunciam afinidades secretas, inconscientes. O insulto é , portanto e merecidamente, exclusivo do insultador.
    Marcos Lúcio


    Leia mais: http://www.mensagenscomamor.com/frases-de-famosos/frases_sun_tzu.htm#ixzz3Jd7qWz4G

    ResponderExcluir
  3. Mauro Pires de Amorim.

    Concordo contigo, pios armas não são viagras, Se é que você entende a metáfora piadista.
    Mas, voltando à realidade temporal e existencial. No mundo das artes representativas, guerra é também uma representação. Não tem glória alguma. Não tem honra, nem dignidade. Guerra é a expressão da mais nefasta inumanidade. A história do nosso planeta e humanidade registra isso ao longo de nossa existência. O problema ou questão, torna-se quando "políticos" e "políticas", sejam de situação ou oposição, somente se enxergam tal qual "donos" ou "donas" da terra, da pátria. Mas e aí? já que o dia tem 24 horas para todos e todas seres viventes nessa terra. Lhes pergunto ainda que seja em silêncio vocal, mas por meio de meu escritos. Vão fazer o quê no dia 1, após a tomada do poder. Seja ela feita "revolucionariamente" ou por meio "democrático-eletivo". Vão se pendurar em seus "marqueteiros" e marqueteiras". Mas que merda de comando no poder a gente dessa terra tem? Uma fraqueza existencial? Ética? Que resolve tomar o poder só para virar pop star do dia e no dia seguinte, já prostituiu o mesmo poder justificativo pelo qual está no Estado?
    Essa gente sofre de quê? Putaria existencial de caráter? Querem ser o quê? lembrados e lembradas por monumentos e estátuas, pois só então saem da vida pública, para entrarem na história? História de quem? Cabeção e cabeçona? Ahhhhhhhhhhhh. História de um mundo de fantasia paralela, comprada pelo marketing!
    Então, logo concluo, que a ganância e hedonismo existencial, vence a ética. Mas como minha realidade é bem mais simples. Sinceramente digo. Vocês todos e todas da política partidária, vivem num teatrinho sem graça e sem vida. A não ser a graça e vida que seus bancadores e bancadoras lhes determinem o roteiro, caminho, a seguir.
    Sinceramente falando, me afastei da política partidária há anos, décadas atrás, por a considerar a verdadeira e escrota representação mimada de alucinados e alucinada, deslumbrados e deslumbradas sem alguma representação identificativa com a terra que governam. Verdadeiros estelionatários e estelionatárias oportunistas. Tal qual todo golpista. megalômanos, absolutistas, autocratas, sem merecimento de valor algum. Mas no entanto coroado por seus e suas iguais corporativistas, que mentalmente te amam e odeiam, tal qual o humor, oportunidade e pretensão individual. Mas que no fundo, não passam de múltiplas personalidades enterreiras.
    Gente sem caráter definido, caráter prostituto e prostituta. Mercenário e mercenária. Criancinhas no poder! sejam da sigla partidária que tiverem Focinho
    de um(a), caro do outro(a). Vampiros da terra para onanismo existencial!
    Vem cá? Existe exame de sanidade mental para ocupação de cargo e função pública? Pois o que mais me parece é que continua valendo a fantasia onanista de feudal histórica psicótica delirante e oportunista de um tradicionalismo simbiótico obcecado e exibicionista em aparecer na vida.
    Mas, enquanto isso, a vida continua e existe. Idiota é quem não tem a sensibilidade e percepção para entender isso e vive querendo essa reconhecimento existencial por tais termos.
    É a ignorância que atravanca o país. Se chamem do que quiser, de "oposição", "governo". "Situação", "oponentes". A incoerência tem vários sinônimos, mas em termos de significantes e significados. Significam em linguagem popular, "focinho de um(a), cara do outro.
    Felicidades e boas e energias.

    ResponderExcluir
  4. Pq será q os monges Budistas, pacifistas notorios, inventaram as artes marciais?
    Pq se queres a paz prepara-te para a guerra. Já dizia o proprio Sun Tzu
    E, imagino q nao seria nem mesmo preciso salientar, q lutar de todas as formas e maneiras necessarias pelo q é certo e direito (não no sentido juridico do termo, esclareço), faz bem ao ser Humano, engrandece, dá sentido a vida.Vale lembrar São Paulo, combati o bom combate...
    Contudo, todavia, se mesmo assim alguem ainda imagina q vivendo covardemente de joelhos alcançará a imortalidade, a vida eterna; vale a poesia do Agenor...

    "Agora eu vou cantar pros miseráveis
    Que vagam pelo mundo derrotados
    Pra essas sementes mal plantadas
    Que já nascem com cara de abortadas

    Pras pessoas de alma bem pequena
    Remoendo pequenos problemas
    Querendo sempre aquilo que não têm

    Pra quem vê a luz
    Mas não ilumina suas minicertezas
    Vive contando dinheiro
    E não muda quando é lua cheia

    Pra quem não sabe amar
    Fica esperando
    Alguém que caiba no seu sonho
    Como varizes que vão aumentando
    Como insetos em volta da lâmpada

    Vamos pedir piedade
    Senhor, piedade
    Pra essa gente careta e covarde
    Vamos pedir piedade
    Senhor, piedade
    Lhes dê grandeza e um pouco de coragem

    Quero cantar só para as pessoas fracas
    Que tão no mundo e perderam a viagem
    Quero cantar o blues
    Com o pastor e o bumbo na praça

    Vamos pedir piedade
    Pois há um incêndio sob a chuva rala
    Somos iguais em desgraça
    Vamos cantar o blues da piedade

    Vamos pedir piedade
    Senhor, piedade
    Pra essa gente careta e covarde
    Vamos pedir piedade
    Senhor, piedade

    LHES DÊ GRANDEZA E UM POUCO DE CORAGEM..."

    Torelly

    ResponderExcluir