Translate

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Grandes encontros da História LI

O Fluminense está prestes a cair para a segunda divisão, mas não é o meu Fluminense, que morreu em 1987 junto com o futebol brasileiro. O meu Fluminense é o que jogou contra o Bayern de Munique, em 1975, no Maracanã (aquele Maracanã, não a arena impessoal e elitista de agora).

O time alemão era a base da seleção campeã do mundo um ano antes. Sessenta mil pessoas no estádio numa quarta feira à noite para ver um jogo amistoso. Atualmente, isso é público de decisão de campeonato, e olhe lá, porque um ingresso chega a custar R$ 800.

Aquilo é que era futebol!

Podem me chamar de saudosista, mas ninguém é mais vítima do saudosismo que o próprio saudosista, porque ele tem consciência de que o melhor já passou. E no caso do futebol, lamento dizer aos mais jovens, o melhor já passou. Claro que ainda há jogadores muito bons, lances bonitos e até alguns jogos emocionantes. Mas a essência do futebol, o esporte mais apaixonante já inventado pelo Homem, acabou quando um tecnocrata disse "ei, nós podemos fazer muito dinheiro com esse jogo". Aí, tudo se corrompeu, os clubes faliram e as empresas compraram a festa. Não existe mais o espírito clubístico nas equipes. O jogador não cria mais raiz, fica seis meses e vai embora. Zico jogou quase 20 anos no Flamengo; Pelé, outros 20 no Santos. Hoje não ficariam dois anos.

Que identidade com a camisa e que paixões na alma dos torcedores Zico, Pelé e outros craques teriam criado se tivessem ficado tão pouco tempo nesses clubes? Os pequenos torcedores não terão mais ídolos da grandeza de Garrincha, por exemplo. Nunca mais, a menos que a engrenagem financeira que rege o futebol seja revista. Hoje os times são todos iguais, perderam a personalidade que cada um tinha nessa ciranda de jogadores mercenários.

Agora, saboreie um pouco do verdadeiro futebol! De um lado, Rivelino, Mario Sergio e Paulo Cézar Caju; do outro Beckembauer, Gerd Muller e o fantástico goleiro Sepp Maier.


8 comentários:

  1. pois é,Marcelo,o que fizeram com o nosso tricolor e o futebol em geral.Roberto lima.

    ResponderExcluir
  2. Pelo menos ainda temos o bálsamo das lembranças. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Pois é Marcelinho, sinal dos tempos
    E o que aconteceu com o futebol, tambem se aplica a todas as paixões humanas...
    É essa coisa asseptica, pasteurizada, desodorizada, desnatada, inumana porem acintosamente androgina, que a gente sempre encontra por exemplo em campanhas publicitarias do governo.
    Vou reler "Taras Bulba" de Nicolai Gogol, ou "Cangaceiros" de Zé Lins do Rego, que é pra alma não se atrofiar diante de tanta patifaria.

    Torelly

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente a paixão nacional está nos deixando na mão.
    Por isso que prefiro assistir um "vale a pena ver de novo" que muitos programas atuais.

    Cury
    Cury

    ResponderExcluir
  5. É Sr. Marcelo Migliaccio,o futebol foi tomado pelos executivos no ano de 1987 e a grande culpada foi a CBF que abriu essa brecha;pois a mesma estava interessada somente em suas politicagens!E hoje chegamos a esse estado de coisas em que pelo menos um carioca já caiu para a Série B e o único que ganhou um título vai ficar na porta!E yemos o perigo da volta de Eurico Miranda,é mole?Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Eu fui nesse jogo! Esse vídeo não dá idéia do show que o Flu deu. era coisa pra 5 ou 6...
    Concordo com tigo: Futebol de verdade, acabou. Sou tricolor mas não tenho mais a mínima vontade de ir ao maracanico, campinho mínimo, bico seco, ridículo. Virou novela da Globo...
    Um abraço! André Guimarães.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu queria muito ter ido, mas não fui porque foi num dia de semana à noite e eu tinha 11 anos. Queria ter ido principalmente pra ver o show do Cafuringa!

      Excluir