Translate

sábado, 29 de junho de 2013

Inacreditável!!!!

A cena aconteceu no Arpoador, o metro quadrado mais metido a besta do mundo.

Quando passei pelos dois, achei que estavam falando das manifestações numa discussão acalorada. Devem estar falando mal da Dilma, que é o que todo o imbecil teleguiado vem fazendo, pensei.

Eu já seguia meu rumo, mas ouvi gritos às minhas costas. Era uma briga. Os dois caras estavam quase saindo no braço.

E aí veio a surpresa: a causa da quase pancadaria era que nenhum dos dois quis desviar do outro!

Isso mesmo. Um vinha de bicicleta, o outro caminhava em sentido contrário em passo acelerado. Ambos em cima da borda do calçadão. Pararam diante um do outro e surgiu o bizarro impasse.

Não acreditei que aquele pudesse ser o motivo, mas era. O cúmulo da mesquinhez humana entre dois sessentões.

Outras pessoas pararam para ver de longe, menos um PM, que passou batido ao notar que poderia ter trabalho.

Depois de alguns tensos minutos de bate-boca, o homem que vinha caminhando se deu por vencido, deu um passo para a esquerda e continuou andar, não sem antes voltar para mais alguns xingamentos ao cara da bicicleta, que permanecia imóvel.

Como a Humanidade está egoísta, principalmente a classe média da zona sul do Rio (eu incluído), que acha que tem o rei na barriga quando lá dentro na verdade só tem hamburger e miojo...

Pra não dizerem que é mentira, eis o flagrante:

Foto: Marcelo Migliaccio
Quando já ia embora, o homem de preto voltou para discutir mais com o de azul

15 comentários:

  1. Me lembrei do motorista do ônibus que foi surpreendido por um ciclista que entrou na frente do veículo em movimento, crendo ser o super-homem, ainda parou e chamou o motorista para briga, que curto e grosso respondeu:

    - Não vou sujar minhas mãos com um sujeito como você!

    Se fosse entre leão e cervo, o desfecho seria previsível.

    E ainda somos chamados de animais racionais.

    ResponderExcluir
  2. É, Meu Amigo, vivemos tempos bicudos...

    Abraços,

    Wanda Rodrigues

    ResponderExcluir
  3. Existem pessoas que tem "necessidade orgânica" de criar confusão com os outros, hoje mesmo estava conversando com um amigo de Niterói sobre um vizinho dele, que a d o r a testar a paciência de todos.

    E a nossa PM sempre fingindo que não vê, ainda mais quando percebe que o B.O. não gerará $$$ para eles.

    Cury

    ResponderExcluir
  4. Desculpe Marcelo, mas ultimamente tenho visto alguns imbecis teleguiados falando mal da Dilma e um monte de gente que se questiona e raciocina falando a verdade sobre o péssimo governo que ela vem fazendo, inclusive eleitores dela, como eu fui.

    A exceção é o inacreditável Mantega, para esse não existe adjetivo na língua portuguesa que descreva a condução da política econômica...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não avalio o governo dela como "péssimo". Comete erros (como a isenção para carros), tem ladrões (como todos os governos) mas acho que não haveria alternativa melhor no momento. Respeito a sua opinião, porém cuidado para não ser levado pela onda.

      Excluir
    2. É isso, mesmo, Marcelão.

      Parabéns pelas sempre lúcidas considerações.

      Wanda

      Excluir
    3. Marcelo. Como sempre d++++++++++++++++++++++++++++++++++

      Abraços

      Alcinete Campos

      Excluir
  5. Péssimo governo para quem ??
    Dilma é o que tem de mais representativo para os trabalhadores e também para quem nunca teve nada.

    Sou brasileiro, trabalhador, pai e estou muito satisfeito com o governo Dilma, pois vejo um futuro melhor para meu filho, desde sua posse.

    Cury

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você!!!

      Abraços

      Alcinete

      Excluir
  6. Mauro Pires de Amorim.
    O fato é que a vida nas grandes cidades e capitais é doentia, pois essas cidades são doentes. Cresceram demais de forma desordenada e sem planejamento e o material humano adoece em função disso. "O bagulho é neurótico" e a neurose e o estrese são as doenças mais comuns, fora as consequências físicas e psico somáticas desse "bagulho doido".
    Mas ao menos o povo brasileiro saiu da letargia e aprendeu que se não exigir políticos e governantes vão continuar fazendo política e governo em benefício próprio e dos seus, bem ao estilo. O povo que se exploda, quero o meu!
    Felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir
  7. Uma vez pedalando na ciclovia me vem um cara na contramão, freamos a tempo, ficou roda com roda, frente a frente, nem uma palavra de ambos. Nem olhei pra cara do cara, com cabeça baixa estava e fiquei. Ambos estáticos e absolutamente silenciosos, um esperando o outro sair da frente. Silêncio absoluto de uns cinco segundos. Aí o cara desviou e foi pra pista certa.

    ResponderExcluir
  8. Tudo seria bem mais fácil se as pessoas tivessem um pouco mais de bom senso. Se a regra do "conserve sua direita" fosse seguida o mundo seria muito mais agradável. Conflitos assim seria evitado. Ainda bem que aqueles dois não chegaram à via dos fatos. YBM.

    ResponderExcluir
  9. Marcelo, neste mesmo local vivi uma história diferente. Estava de carro, vindo pela orla em direção ao centro da cidade, encantada com as ondas, com o dia lindo, com a praia lotada numa segunda, não observei que a gasolina tava acabando... e acabou mesmo. Fiquei no prego, ali no "endereço metido a besta". Não consegui sair do carro de tanto rir daquela situação ridícula. Isso nunca tinha acontecido comigo. Foi aí que a magia aconteceu, e rápido, não deu tempo para pensar, pq em segundos parou um Senhor numa camionete para ver o que estava acontecendo. Assim, de grátis mesmo. Ele parou tão somente para o socorrer um terceiro desconhecido, por humanidade (meu carro tinha película 100%). Ele me deu uma bronca pela minha irresponsabilidade, bateu nas minhas mãos pq estava roendo as unhas e, em seguida, me rebocou até o posto. Achava que este tipo de atitude não mais existisse. Pensei logo q o cara era um anjo (ele tinha tanto equipamento no carro q podia rebocar até uma carreta) que a providencia divina me enviou com agilidade pq sua uma abençoada. Depois conversando com ele, vi que se tratava de um cavalheiro, uma pessoa educada e gentil, que como muitas outras ainda existentes neste planeta, se dispôs a "perder um pouco do seu tempo" para um gesto solidário. Nem tudo está perdido Rio Acima! Saudações, Andrea

    ResponderExcluir