Translate

terça-feira, 10 de abril de 2012

A apologia ao sexo e suas consequências

Pronto.

O telejornal da emissora líder de audiência mostrou e agora vai ser um Deus nos acuda.

Vai ter polícia, Exército, Ministério Público, ambulância e tudo mais. Isso até a emissora esquecer e o gelo, enxugado às pressas, voltar a pingar. Aí a prefeitura e o governo do estado poderão relaxar, pelo menos até a próxima denúncia vazia e efêmera.

Quem não sabe que o Rio está cheio de cracolândias, inclusive no Centro da cidade?

Quem não sabe que as crianças e adolescentes dependentes assaltam pessoas no meio da rua para poder comprar a droga?

O problema não é o crack.

O problema é essa fábrica de meninos e meninas de rua que, no Brasil, anda a todo vapor. Seu combustível? Uma indústria da comunicação que faz apologia do sexo 24 horas por dia. A única diversão do pobre é fazer sexo e ele recebe um incentivo fenomenal para exercitar esse prazer.

Enquanto todos os países sérios do mundo estão preocupados com a explosão populacional, o Brasil só fala em sexo, só mostra sexo na TV, só massifica músicas de sexo.

"Ai, se eu te pego, ai, ai."

Vão me chamar de moralista e puritano, já sei. Sempre os mesmos defensores da "liberdade de expressão"e da "livre iniciativa". Logo eu, que adoro praticar o mais saudável de todos os esportes...

Imagine o efeito dessa apologia ao gozo entre milhões de pessoas sem educação, sem dinheiro e vivendo em famílias miseráveis e desestruturadas...

Aliás, não precisa nem imaginar. É só olhar para os lados, inclusive porque um desses meninos de rua pode estar chegando para arrancar seu cordão de ouro. Que trocará por uma pedra de crack de 1 real.

O país não tem nenhuma política de controle da natalidade, nem move uma palha para tentar fazer frente a essa lavagem cerebral que a mídia impõe. Nenhum poder público faz nada para contra-atacar essa avalanche de apelo sexual à qual crianças e adolescentes são submetidos.

O tesão já é a maior força da natureza, não precisa de tanta propaganda.

Outro dia, um coroa jornalista, que por sinal é empregado das organizações Biscoito de Polvilho, escreveu que ficou escandalizado ao ver a neta, de dois anos, se despedir do namoradinho da creche com um beijo na boca. Ele deveria reclamar com seus patrões, incentivadores contumazes dessa sexualização precoce, mas não faz isso para não perder o emprego, claro. Esse vetusto homem de imprensa, que, pelo jeito, logo será bisavô, não ficaria tão surpreso com a precocidade da netinha se deixasse a orla de Ipanema por algumas horas e subisse o Pavão-Pavãozinho para conversar com as adolescentes de lá.

E a emissora líder faz que nem é com ela, como quando noticia, sempre timidamente, a explosão de consumo de álcool por crianças e jovens. Evidentemente ela não vai dizer que uma das razões disso é ela mesma, e suas coco-irmãs, exibirem propaganda de bebida alcoólica o dia inteiro para todas as faixas etárias.

O Brasil tem um câncer: essa lavagem cerebral da mídia, que construiu um poder avassalador durante a ditadura concentrando-se nas mãos de meia dúzia de famílias. Eles têm rádio, jornal, TV, site, o diabo. Fazem o que for preciso para fechar o ano no azul, e o lixo todo vai parar na cabeça do brasileiro, vitimado ainda por uma educação pública de péssimo nível, com professores mal pagos e pessimamente preparados.

Milhões de pessoas vão para o extremo oposto e viram evangélicos fundamentalistas, outras saem por aí enchendo a cara de Smirnoff Ice e fazendo filhos que não vão ter dinheiro nem saco para criar. Rico, quando quer abandonar o filho, manda para o shopping center. Pobre larga na cracolândia mesmo.

Então, esconda seu colar, porque essa "séria denúncia" do telejornal da noite não vai dar em nada. Depois começa a novela e...

Vamos pra cama, querida?

Crianças na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro/Foto: Marcelo Migliaccio

16 comentários:

  1. É isso aí, Marcelo!
    Você teve coragem de tocar em um vespeiro. São raros os jornalistas que conseguem criticar as novas ondas de violência e sexualização transmitidas pelas mídias sem resvalar para o conservadorismo e sem se importar com os "novos e radicais (sabemos quem e a quais interesses servem) defensores da liberdade de opinião".
    O discernimento e a coragem caminham juntos.
    Precisamos apoiar o projeto do Franklin Martins que dormita nos corredores do poder e que poderia dar uma nova dimensão à essa discussão.
    Um abraço fraterno de sua leitora assídua,
    Wanda Rodrigues

    ResponderExcluir
  2. Certinho!
    E aí a gente pode se lembrar também da inutilidade que é a Igreja Católica, sempre pronta a impedir qualquer manifestação relacionada ao controle de natalidade.

    A grande mídia no Brasil deixou os principais fundamentos do jornalismo de lado e virou uma grande organização capitalista, mais preocupada com os ganhos financeiros de uma empresa. A grande mídia quer vender seus produtos, é um supermercado 24 horas dentro de nossas casas.

    Vc fala muito bem quando lembra que qualquer música idiota dessas que se houve por aí a todo tempo, como se estivéssemos com um enorme fone de ouvido plugado nos ouvidos, qualquer música dessas faz uma tremenda apologia ao sexo e à banalização do sexo. Qualquer telenovela, seriado, qualquer programinha produzido de qualquer jeito leva o sexo pra dentro da casa de pessoas despreparadas para entender a real função da prática. E aí, filho é consequência. E por tabela, o abandono é consequência. E por fim, a violência nas ruas é consequência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ATACAR A IGREJA CATOLICA NÃO ENRIQUECE EM NADA ESSE DEBATE, MUITO PELO CONTRARIO...

      Excluir
  3. Prefiro ver um reacionário fiel de uma igreja evangélica ou católica do que um viciado em álcool ou droga.
    Ao menos algumas igrejas evangélicas livram muitos dos seus membros das drogas, do álcool, da violência doméstica, etc...
    Sabemos que muitas dessas igrejas também são "drogas" que dominam os seguidores, mas é menos nocivo para a sociedade que as drogas fumadas, cheiradas ou bebidas pelas ruas.
    Parabéns pela coragem do comentário, por isso que sou um Migliacciano.

    Cury

    ResponderExcluir
  4. Impressionante a sua capacidade, melhor ainda, o destemor em colocar os pingos nos is e nos jotas. Com esta mania neoliberal de relativizar tudo, quase ninguém expõe, com clareza, seus pontos de vista e, menos ainda, seus conceitos. Irretocável e assertivo, pra ficar no básico e não estender o assunto, até porque, você matou a cobra e mostrou o pau e matou a pau.

    É impossível erradicar a miséria com todo este incentivo e permissividade, que muiiiiito ou completamente contribui para a proliferação dos miseráveis e pobres, lato sensu...através da tv "GROBOBO", e de outras , em que pese a minha ojeriza por telê, e total falta de tempo para ela. Idem para as "músicas?!" horrorosas de axé, funk, pagode e quejandos, que só apelam para sexo e bobagens(claro, onde falta poesia , inspiração e talento...sobra porcaria).

    Com a estupidez ou perversidade das religiões que são contrárias a métodos contraceptivos (camisinha, nem pensar...o que gera reprodução irrespónsável e mais pobreza, ou pior: doenças sexualmente transmissíveis).

    Logicamente que sexo, com responsabilidade, limites e assumindo, inclusive financeiramente auas consequências_sem ajuda monetária de outros ou da bolsa família_ pode e deve ser praticado... é saudável e prazeroso.

    É lamentável, mas o que mais cresce é o número de pessoas sem as condições dignas e/ou financeiras de vida. Resta a elas frequentarem escolas de péssima qualidade com professores de péssimos ou aviltantes salários e mal formados (coitados, aprenderam errado, é crônico).

    Ricos só têm no máximo 2 filhos...quando os possuem. Também por isto preservam e aumentam seu capital e o filho fica como herdeiro. O pobre reproduz a pobreza em progressão geométrica e os filhos só vão ficar com o "merdeiro", com todo o respeito e consideração a este contingente explorado e discriminado socialmente.

    Quem vai fechar esta torneira??? com um urgente e completo controle de natalidade. Não adianta só tentar enxugar a água ou apenas esconder o colar.

    Tenho consciência de que não sou pobre ou miserável por mero acaso_e ninguém escolheria ser_ e possuo uma indignação crônica quanto à esta situação indesejável e injusta pra qualquer mortal.
    Parabéns pelo excelente post.
    Abraço
    Marcos Lúcio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns! Perfeito! Disse tudo. Só posso endossar cada palavra.

      Excluir
  5. Enquanto a GLOBO for a lider de audiência, nada mudará nesse Pais. Inclusive a guerra entre as emissoras para superá-la será cada vez mais acirrada.É um "pega pra capá" para ver quem consegue baixar mais o nível. Yves.

    ResponderExcluir
  6. A frase: "Não se pode erradicr a miséria proliferando os miseráveis", é indiscutível. O baixo nível da tv e de muitos "ritmos dançantes", que muitos consideram música ?!, idem. A baixa qualidade do ensino idem. Parece beco sem saída e que Deus se apiede de nós.

    ResponderExcluir
  7. Adriana Rodrigues11 de abril de 2012 22:55

    O tabloide popularesco que em vez de informar dá relógio pro leitor- talvez pra compensar o tempo perdido com a leitura - traz em sua edição dominical a Revista da TV, aliás, suplemento muito importante, pra alguns chega a ser indispensável, já que logo é segunda e precisa-se saber quais as cenas dos próximos capítulos, assunto dominante nas primeiras horas da manhã, no coletivo, na padaria, antes do chefe adentrar o recinto...

    A tal revista reserva as últimas páginas para os pequenos, inclusive trazendo uma seleção de desenhos feitos pela molecada de até 10 anos.

    Dia desses, passando os olhos nela, deparei com duas páginas de desenhos, identificados com nome da criança e sua escola. Havia pelo menos 10 desenhos de crianças de várias idades, estudantes de escolas públicas e particulares do Rio de Janeiro. Claro que foram selecionados os mais “bonitos”, “coloridos”, “criativos”, mas olhando aqueles desenhos fiquei pensativa quanto algumas constatações. Havia apenas um super-herói, um super-homem, malha azul e capa vermelha, mas tão mirradinho, uma mola encolhida na imensidão branca; uma reprodução quase perfeita da Rosinha, personagem da turma da Mônica, que brincava sozinha; um planeta terra com contornos deformados, que chorava e pedia socorro; uma princesa, com seu longo vestido rosa e azul, coroa na cabeça, colar no pescoço, ocupava toda folha, tão vaidosa e rica de penduricalhos, mas no rosto um sorriso de plástico; uma menina, vestida como periguete, que parecia dizer “ah, como eu tô bandida!”

    Não havia foguetes, carrinhos, escorrega, balanço, pássaros, casa com chaminé, barcos no mar e gaivotas, muito menos retrato de família – pai, mãe, irmãos. Havia sim uma boneca maior de mãos dadas com outra pouco menor, que não se sabe se era mãe, irmã ou amiga, tal como se vê nas filas dos postos de saúde.

    A criança retrata o mundo em que vive sem fazer juízo de valor. E se a infância dos mais abastados, aqueles que têm casa, escola, alguém que lhes dê alguma atenção, revela um mundo individualista, consumista, egoísta, que pede socorro, e até o super-homem parece esmagado pelo rolo compressor, encurralado, que futuro há para os filhos da miséria e da falência social?

    A cracolândia ou o lixão, claro, sem o glamour da novela das oito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará... S.Mateus 24;12

      Excluir
  8. Muito bom o teu post, Migliaccio. Costumo coincidir com os pontos de vista dos teus textos. Em geral, é opinião que eu próprio gostaria de externar. Esse sexismo das novelas da Globo e a banalização da violência em suas emissões estão entre as grandes causas do cenário deprimente que nos envolve. Ainda chegará o dia que esses concessisonários de bem público serão obrigados a usá-lo com responsabilidade social e não como mero instrumento de lucro a qualquer custo. Agem como se tivessem o domínio pleno de um bem público, o espectro eletromagnético de suas emissões de rádio e TVE, do qual não têm mais que uma concessão do Estado. Carlos Alberto A. Marques

    ResponderExcluir
  9. Quase todas as emissoras de Tv brasileiras fazem apologias quando qualquer delinquênte é acusado de estupro,porque os seus reporteres e jornalistas dizem que o acusado ao ser preso logo será estuprado,abusado,enforcado,linchado,etc.O crime no Brasil passa a ser motivo de risos e piadas,também quando o acusado é traído, homosexual,etc.
    Os reporteres fazem acariações sem nenhuma autoridade nem autorização judicial,com isso passa a comunicar aos outros bandidos envolvidos como os seus comparsas estão se saindo nas perguntas para que tenham as suas famílias protegidas.Nessa perspectiva o corrupto assume tudo sozinho para inocentar o corruptor,o que prova que essas emissoras se mostram mercenárias e desumanas,além de muitas vezes atrapalhar o trabalho da própria polícia.
    As emissoras brasileiras são preconceituosas,discriminadoras e omissas quando precisam cortar o mau na própria carne.
    Para que o Brasil,ocupe uma cadeira permanente no Conselho de Segurânça da Onu,os nossos padrões de justiça deverão se adequar sobretudo com ética e cidadania,mas para tanto creio que o Ministério da Educação,deverá urgentemente atualizar o currículo para logo criar um novo curso específico nas áreas de Comunicação e Jornalismo,antes que esse sensacionalismo se transforme em terrorismo das comunicações.
    A comunicação de que o condenado será perdoado por Deus ou por Jesus quando cumprir a sua pena,faz do delinquênte um inocentado,justificado e pronto para cometer novos crimes,como se a vida humana tivesse algum preço pagável simplismente pelo isolamento social.Digo a esses criminosos que ninguém tem o direito de tirar uma vida,e que mesmo em legítima defesa temos as nossas escolhas,porque o assassino mata porque revida ou ataca o seu oponente,que nessa perspectiva encontra-se vulnerável ao golpe ou contragolpe.Nós sempre temos uma escolha.Eu sou o seu amigo Juranda da Bahia.

    ResponderExcluir
  10. Poxa cara, você tá certíssimo em fazer essa crítica mesmo! É só bunda que aparece na televisão. É apologia empurrada o dia inteiro ao Sexo(que o diga Gabriela e as demais novelas da rede a qual não posso citar). Depois é o virgem e os sem-filhos é que são os perdedores, poxa, é esses caras que serão os heróis amanhã. Cadê a propaganda sobre os preservativos? So passam no carnaval? Se a sociedade soubesse como é difícil lidar com o desejo sexual de uma pessoa. Certamente não julgariam Clinton, Itamar e Strauss-Kahn.

    ResponderExcluir
  11. Otimo texto, parabéns. Essa novelas estao cada vez piores a pornográfica é clara. Fazem de tudo para terem audiência. Hoje em dia a televisao mostra que ser traficante e legal que da dinheiro. Que sexo é tudo, que as atrizes quem que fazer cenas mostrando os peitos e a (xana) que tudo e lindo e profissional, eu sinceramente acho desnecessário. Mas fazer o que né??? Aqui é Brasiillll

    ResponderExcluir