Translate

domingo, 4 de dezembro de 2011

Sócrates



Início de 1982. O repórter foi impiedoso e mandou na lata:

_ Sócrates, a seleção tem você, Toninho Cerezo, Falcão e Zico para apenas três vagas no meio de campo. Que trio o Telê deve escalar?

O objetivo do jornalista era colocar o jogador numa saia justa com os companheiros mas, verdadeiramente modesto e despojado como sempre, o doutor-craque-de-bola respondeu sem pestanejar:

_ Jogam Cerezo, Falcão e Zico. Sai Sócrates.

Noventa e cinco por cento dos jogadores de futebol profissionais responderiam que o técnico é quem iria decidir, que a seleção estava bem servida, aqueles chavões. Outros 5%, mais marrentos, fariam auto-promoção e se escalariam.

Mas Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira não era um jogador como os outros. Formou-se em medicina, era politizado, culto, simples, sincero, calmo. Dentro do campo, usava o calcanhar como ninguém. O calcanhar de aquiles deveria, aliás, ser rebatizado de calcanhar de Sócrates.

Arrebentou na Copa de 82 (Telê achou lugares para os quatro no time titular).


E também jogou bem na de 86, quando mostrou sua personalidade ao perceber que os mexicanos haviam colocado o Hino à Bandeira em vez do Hino Nacional antes da primeira partida do Brasil. Enquanto os outros jogadores ficaram com cara de tacho, o capitão saiu da tradicional perfilação balançando negativamente a cabeça.

Era muito alto e tinha os pés pequenos, o que, para qualquer um, seria um empecilho à prática do futebol. Não para ele. É verdade que foi mal na Fiorentina, mas outros craques como Didi, Renato Gaúcho e Edmundo também passaram maus momentos no futebol europeu. Acontece.

Valeu, Sócrates!


3 comentários:

  1. Oi Marcelo,hoje cedinho quando liguei a TV dei de cara com essa notícia.
    Confesso que na década de 80 eu não ligava muito para futebol,mas me lembro perfeitamente do famoso calcanhar do Sócrates... Valeu!

    Monica.

    ResponderExcluir
  2. Jogou muito mesmo, mas em 1986 ele já tava mortinho.

    ResponderExcluir
  3. É verdade, Victor, aquele time foi mal pacas. Abraço

    ResponderExcluir