Translate

domingo, 31 de maio de 2015

Futebol de verdade

Metrô, depois trem e pronto, estava de novo em Madureira. Como tem o Engenhão no caminho e era dia de jogo do Botafogo, a Supervia colocou a composição mais nova no ramal. Trem chinês novinho, mas já imundo porque pessoas que o Brasil não conseguiu educar jogam tudo no chão, ignorando as pequenas lixeiras do vagão. Mas, com sujeira, já estamos acostumados, assim como com o verdadeiro camelódromo ambulante lá dentro. Duro mesmo foi ver a inadequação do novo trem às plataformas. Há um verdadeiro fosso a ameaçar os passageiros que entram ou saem. Um passo em falso e... na mesma semana uma mulher se acidentou ali.


Foto: Marcelo Migliaccio

Mas era dia de festa. Pelo menos para as cerca de 600 pessoas que foram ao estádio da Rua Conselheiro Galvão ver o Madureira  enfrentar a Portuguesa de Desportos pela terceira divisão do futebol brasileiro.


Foto: Marcelo Migliaccio

Até um pretenso Bin Laden foi prestigiar a contenda. Apesar da cara de mau, estava em missão de paz.


Foto: Marcelo Migliaccio


Só quando já estava dentro do pequeno estádio, chamado Aniceto Moscoso, descobri o que me levara até ali num sábado, acompanhado da minha santa mulher. Eu fui atrás de um futebol que não existe mais. Bem diferente do jogo fake visto pela TV, com jogadores milionários sem paixão em campo e mauricinhos e patricinhas nas arenas modernas e sem identidade em que os tradicionais estádios foram transformados. Eu queria ver de novo gente jogando a vida ou a morte em campo e povo, povão, ao meu lado numa velha arquibancada. Acho que eu saí em busca da minha infância, que não reencontro mais naquele que já foi o meu Maracanã.


Foto: Marcelo Migliaccio

De um lado, o lendário Madura, patrimônio carioca.


Foto: Marcelo Migliaccio


Do outro, a Portuguesa paulista, vítima da divisão dos clubes de futebol em castas. Quem tem o grosso do dinheiro da TV fica por cima. O resto vai cada vez mais pra baixo. Talvez por isso os ânimos estivessem quentes em campo. E nem era verão em Madureira, imagine se fosse.

v

A torcida da lusa, fiel, vai aonde seu time for.


Foto: Marcelo Migliaccio

Mas, como não tinha nenhum Neymar ou Messi em campo (o mais conhecido era o zagueiro Bolívar, ex-Botafogo), a diversão para alguns foi comer umas frutinhas.


Foto: Marcelo Migliaccio


Se me pedissem para resumir o programa, eu diria que é um luxo para poucos.


Foto: Marcelo Migliaccio


Poucos e alegres amantes do verdadeiro futebol...


Foto: Marcelo Migliaccio


Ah, a Portuguesa ganhou de 2 a 1.

Foto: Marcelo Migliaccio



LEIA TAMBÉM:


Um comentário:

  1. Não troco um passeio desses por nenhum "passeio" em nenhum shopping.
    Cury

    ResponderExcluir