Translate

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

A quantas anda

Desta vez foi em Mato Grosso do Sul. O motivo da briga: uma garota espalhou desodorante na sala de aula. Uma outra disse ser alérgica e combinaram de se engalfinhar na saída. A mais velha, de 15 anos, já mãe de uma menina que completou um ano no dia seguinte, chutou várias vezes o rosto da outra enquanto esta estava caída. Se os ídolos do MMA fazem, que mal há nisso? Se agredir sem dó virou esporte, vamos praticá-lo. A selvageria travestida de arte marcial movimenta milhões nas arenas e nas TVs. Massificaram a pancadaria, glamourizaram o chute na cara e deu nisso. Toda a molecada consome. Bater numa pessoa caída é o cúmulo da covardia, mas no UFC é nobre, é o que os heróis do momento fazem. Nas lojas de brinquedo, bonecos do Minotauro disputam a atenção da garotada com os do Homem Aranha, que está apanhando feio. Claro, vão dizer que uma coisa não tem nada a ver com a outra. O mundo inteiro está praticando essa luta sem regras nem ética, então o Brasil, em seu complexo de vira-lata, vai nessa também, além do mais dá dinheiro. Na escola sul-matogrossense, uma facada mortal encerrou a briga, que envolveu quase 20 adolescentes. Quando vão prestar atenção no que nossas crianças estão se transformando?






LEIA TAMBÉM:
A cultura da violência


5 comentários:

  1. Desculpe-me Marcelo mas o blog está muito macabro, primeiro foi a tartaruga desfigurada pelos urubus, agora uma briga que passou na tv e na internet (e que eu havia me recusado a assistir).
    Mas continua assíduo desse blog.

    Cury

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida às vezes é macabra, meu caro Cury.

      Excluir
    2. Camarada Marcelo, há gente demais no mundo.
      A "ciência" faz sobreviver fetos de poucas semana de vida, que naturalmente, não vingariam. É claro, desde que alguém pague seu lucro. A(s) Igreja(S) incentiva o "crescei e multiplicai-vos", de 2 mil anos atrás, ignorando e condenando a anti-concepção. E a massa bovina, consumista e tele-guiada acha bonito criar filhos sem pai ou mãe, ou com 2 pais ou com duas mães. Assim vamos empilhando gente, no morro ou no asfalto, com os pombais humanos, mas com piscina e churrasqueira. Onde vamos parar? Um abraço. André Guimarães.

      Excluir
    3. Boa pergunta, André. Onde vamos parar?

      Excluir
  2. Lamentável, para não usar palavras mais adequadamente fortes/realistas.Este tipo de adolescente/criança deve ser fruto de reprodução irresponsável (que são inúmerassssss), além de incentivados pelos programas televisivos de baixo nível.Se possuem pai e/ou mãe, dá pra imaginar o tipo de (falta) de educação que receberam deles.A coisa tá feia e tende a piorar, de acordo com meu " eterno pessimismo da razão casadíssimo com o otimismo da vontade", parafraseando Gramsci.
    Marcos Lúcio

    ResponderExcluir