Translate

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Existe esquerda dentro da PM

Entro no uber numa tarde de sábado. Vejo que o motorista é um homem muito forte, de pele negra. Sempre bato um papo com os motoristas mas naquele dia não estava a fim de conversar. Ele segue naquela velocidade de cruzeiro que às vezes irrita quem está com pressa. Para não ficar muito antipático, uns 300 metros adiante puxo assunto.

_ O pessoal come muito essas balas aqui?

Com uma voz mansa e uma entonação gentil e atenciosa de quem fala com a própria avó de 90 anos, o homem com braços de alterofilista responde:

_ Mais é criança que gosta. Ou então o pessoal que vem da madrugada...

Não lembro como a conversa chegou até a profissão dele.

_ Sou capitão da Polícia Militar. Completo a minha renda aqui no uber.

A associação foi imediata diante daquele corpanzil.

_ Você é do Batalhão de Choque, né?

_ Sim, senhor _ respondeu o motorista no mesmo tom gentil e manso que agora contrastava com as imagens na minha mente dos homens do choque distribuindo cassetada nas manifestações populares.

Tomei coragem.

_ Sabe, amigo, eu sempre quis encontrar algum de vocês num lugar que não fosse uma zona de conflito onde pudéssemos conversar com calma. Às vezes, vejo seus colegas fazendo ginástica na praia e penso que seria o momento ideal, mas nunca tentei, fiquei sem graça de abordar.

Ele está interessado, vejo pelos seus olhos no retrovisor. E prossigo:

_ Acho que seria muito legal se vocês do choque e os estudantes universitários pudessem conversar numa boa, trocar ideias com calma, porque muitos são da mesma faixa etária e vivem a mesma realidade no Brasil. O problema é que os dois grupos só se encontram na hora do conflito. No dia em que o choque mudar de lado nós consertamos esse país, nesse dia o povo coloca essa corja de ladrões para fora e toma o poder.

_ É verdade. Mas é difícil. A Polícia Militar tem uma hierarquia muito rígida.

_ Você sabe o que aconteceu com aquele policial do choque que se recusou a reprimir a manifestação de professores estaduais?

_ Não foi só um, foram 15, e eu era um deles. Ficamos 15 dias presos no quartel.

_ Sério!?

_ Como é que eu vou bater em professor? Não dá.

É difícil descrever a emoção que senti vendo um policial dizer aquilo. Ele prosseguiu, com a mesma fala mansa:

_ Agora não nos escalam mais para manifestações. Quando tem alguma coisa assim, mandam a gente para outros trabalhos, reforçar UPPs por exemplo. É um absurdo nós, funcionários públicos, reprimirmos nossos colegas que protestam para receber salários, estamos todos com salários atrasados por causa desses políticos que acabaram com o estado do Rio.

_ Qual é a porcentagem de pessoas que pensam como você dentro da Polícia Militar? Chega a 10%.

Ele pensa um pouco.

_ Acho que uns 20%. Mas é difícil politizar a tropa, a maioria dos soldados nunca leu nada na vida. Eu costumo sempre mandar os soldados lerem, lerem qualquer coisa para ver se pegam o hábito. Indico até livros de guerra porque pelo menos eles estarão lendo. Mas é muito complicado.

_ Você já pensou em entrar na política, ampliar seus horizontes, tentar mudar as coisas, ser um contraponto ao Bolsonaro entre os militares?

_ Não sei... já pensei mas... não sei. Detesto esse Bolsonaro. Outro dia, na véspera da eleição passada, participei de um debate em que estava o filho dele, candidato a prefeito. Eu sabia que ele e o pai recebem dinheiro da Taurus (fabricante de armamento que fornece ao governo do Rio). Perguntei então o que ele achava da péssima qualidade das armas usadas pela polícia, que falham e provocam a morte de muitos policiais. Ele ficou todo embaraçado diante de uma platéia cheia de policiais. Foi engraçado.

_ E você não está marcado entre os oficiais por ser de esquerda?

_ Estou sim, querem me mandar até para o morro do Alemão comandar uma UPP.

_ Mas isso é mandar você para a morte! Estão atacando a polícia direto lá.

_ É, mas não sei o que vai acontecer. Talvez até as UPPs acabem antes disso...

A corrida chega ao final e me despeço do capitão. Desço do carro com uma ponta de esperança, ainda que seja uma pontinha tão pequena que quase não dá para enxergar.


Foto: Marcelo Migliaccio





21 comentários:

  1. Sim, há militares de esquerda. Aliás, não é o caso de esquerda nem de direita, basta ser humano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Li e iria comentar mas, ao ler o seu comentario, vi que nao havia necessidade posto que sigo igual raciocinio.

      Excluir
  2. Sem duvida , é uns dos lugares mais importantes para conscientizar ...

    ResponderExcluir
  3. Fantasiosa demais essa história. Certeza d q esse "capitão " não existe mas a intenção foi Boa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, vai ver que o motorista é aquele personagem do filme Fragmentado...

      Excluir
    2. Existe sim, convivi alguns anos com um capitão da PM que tinha posições muito parecidas e que acabou saindo da corporação antes da reforma. A hierarquia é rígida e para as posições de mando, praticamente, só vai que, está alinhado tacitamente com a missão colonialista da PM.

      Excluir
  4. Essa corrida de Uber foi muito interessante.
    Uma vez num debate que fui no sind. dos bancários nos anos 90, usei o termo esquerda e direita numa pergunta que fiz pro Frei Betto sobre o vaticano. ele logo trocou o termo por vaticanista e não vaticanista ao responder-me.
    Depois desse debate, passeia a trocar o termo esquerda e direita por humanista e não humanista.
    Cury

    ResponderExcluir
  5. Sim, Marcelo, existem sim. E, por sinal, eu sou um dele. Dentro desta polarização específica, eu posso me considerar um policial de esquerda.

    ResponderExcluir
  6. Historia totalmente inventada e mentirosa! Familia Bolsonaro é a unica que faz movimento contra a fabricante Taurus, essa que detém de monopólio das armas no Brasil. O choque não usa armamento Taurus. Seria suicídio. A fabricante Taurus financio campanhas como de Jean Willis e o que o deputado Eduardo Bolsonaro tenta a alguns anos é abrir uma CPI para investigar essa empresa que alem de tudo produziu uma pistola que dispara sozinha e ja matou e feriu muitos policiais militares. Alem de vender armas para traficantes armamentistas na Africa. Eduardo Bolsonaro só pistola Glock e deixa isso muito claro. Faz questão de dizer o quão ruim são os produtos da Taurus e a importância de quebrar esse monopólio ridículo e apoiado pelo PT. Ate hoje o único politico com coragem e determinação que decidiu armar sua policia com armamentos de primeira linha foi Joao Doria na capital de Sao Paulo. Marcos Duval sim foi pago para fazer propaganda da Taurus, visitar a fabrica e fazer videos mostrando como a fabrica era boa. Ele não representa nenhum partido, muito menos Bolsonaros. E que pensamento solidário esse... Professor não pode apanhar (todos CONCORDAMOS) mas policial pode ser condenado a morte??? Que solidariedade é essa que trata a vida de um pm como um cachorro de rua. Que pode morrer a qualquer hora. Em nenhuma guerra morrer tantos policiais como no Estado do Rio. Em nenhum país acontece isso, por mais miserável que seja. O problema aqui vai alem de corrupção e crime organizado. Torna-se valores e moralidade. Quando a pessoa que deveria nos defender sente que a sociedade esta o condenando, o Estado o esta abandonando e o inimigo é fortemente armado, protegido (leis, corruptos, menores,falta de punição). Quem ainda assim arrisca sua vida pela sociedade é um guerreiro, e não adianta criar historias bonitinhas e mentirosas como essa... A REALIDADE É OUTRA! É TRISTE MESMO.

    ResponderExcluir
  7. Eu sou militar da Fab. Pelas redes sociais fui comprovar aquilo que já sabia sobre meus colegas: eu sou exceção. Poucos são de fato politizados, a maioria segue a cartilha fantasiosa dos jornais e novelas da Globo, inclusive quanto a gostos musicais impostos pela matriz norte-americana e tudo o mais.
    A mídia com certeza ajudou para criar uma rivalidade entre esquerda e direita, como se tudo se resumisse a um inofensivo Fla-flu, ou Remo e Paysandú, como na minha terra.
    Basta ler um pouco mais e procurar saber mais um pouquinho além das novelas e JN para descobrir que estamos num país desigual e que essa desigualdade não é pura obra do acaso ou mesmo, como querem nos dizer alguns, culpa de quem é pobre; que é assim mesmo e nada há como mudar.
    Mas nós militares também precisamos alimentar, vestir e educar (vamos dizer assim) uma família, também estamos inseridos nessa sociedade desigual.

    Fico me imaginando no lugar desse capitão de polícia, tendo consciência dessa triste realidade e vendo que não há muito a fazer.

    Vamos acordar. Votar não é coisa singela e romântica como torcer por este ou por aquele time de futebol. É muito mais!

    ResponderExcluir
  8. Se a história é verídica ou não, nao vem ao caso... mas é verdade que o dia suecos policiais unirem se aos estudantes e movimentos sociais... Brasil será outro, pois somos todos trabalhadores e acima de tudo humanos.

    ResponderExcluir
  9. Eu sou um policisl de esquerda. E bom que as pessoas saibam que por tras da profissao tem um ser humano como voceis, que pensa e tem sentimentos.

    ResponderExcluir
  10. Marcelo...você precisa fazer essa descoberta e anunciar aos quatro cantos desse pais! Existem sim policiais de esquerda e comunistas! Eu e mais algumas centenas se comunicam através de redes sociais. Somos o contraponto. O ponto fora da curva! sabemos dos entraves e dificuldades. Mas tentamos nos organizar e se comunicar. Um dos meus companheiros e de esquerda escreveu uma bota aqui acima nos comentáriso, é o Ewerton Monteiro, daqui da Bahia. Visite as páginas de Facebook : https://www.facebook.com/groups/policiaisantifascismo/ ou a página do Coletivo Sindical Sankofa: https://www.facebook.com/www.coletivosindicalsankofa.com.br/... Ou a página Policial Pensador: http://www.policialpensador.com/ e tantas outras que poderia ser citada aqui. Lá você encontrará textos, depoimentos, notas, manifestos, e posicionamentos desses policiais de esquerda! Espero poder colaborar com essa sua descoberta.

    ResponderExcluir
  11. Texto, verídico ou não, republicado em meu blogue: www.bloguedovalentim.com

    ResponderExcluir
  12. Que eu saiba, tanto o batalhão de choque qto o BOPE, usam Glock e não a Taurus. E a família Bolsonaro condena o uso da Taurus por policiais, pois deixam os mesmos em situações de risco. Não acredito nessa estória.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engracado. Não acredita no blogueiro, mas acompanha o blog...Ou será o que chamam atualmente de "robo"? Enfim, 20% não é tão pouco assim. Com algum esforço dá para levar pro segundo turno...

      Excluir
  13. Desculpe. Nao faz parte do contexto mas merece ser divulgado: https://www.facebook.com/gustavo.salles.946/videos/10206723514004970/

    ResponderExcluir
  14. Precisamos de mais homens como esse dentro da polícia para humaniza-la. Todo policial é fundamental a sociedade, mas muitos deles precisam se desarmar do pensamento fascista que resulta em práticas extremamente condenáveis no dia a dia da sua profissão.

    ResponderExcluir
  15. Meu (ex) professor de Saxofone aqui de Curitiba também é um oficial da PM, mas que atua muito pouco nas ruas, visto que faz parte da banda da PM do Paraná e, apesar de não ser de esquerda é uma pessoa bastante razoável. Formado em Direito e Música, possui uma cultura diferenciada da maioria de seus pares (não que isso seja imprescindível para ser uma boa pessoa, mas ajuda) e, tal qual o colega dele aí do RJ, dá aulas de Sax para complementar sua renda.

    ResponderExcluir