Translate

domingo, 18 de março de 2018

De onde surgiu tanto fascista?

Para mim, a resposta é simples. As crianças dos anos 1990 e 2000 cresceram. Cresceram vendo televisão, na maioria das vezes sem alguém por perto que as esclarecesse sobre absurdos veiculados em horários matutinos e vespertinos. Quem tem filhos sabe que a TV funciona para eles como uma cartilha do comportamento e dos valores do mundo adulto, para o bem e para o mal. Pois milhões de pessoas cresceram entregues unicamente à educação que a babá eletrônica lhes dava em troca de audiência fácil e anúncios milionários.

Em vez de Vila Sésamo, viram desenhos violentos com muito tiro, porrada e bomba.

Em vez de Mundo Animal, viram a agressividade animalesca de Datena e Ratinho.

Em vez de Capitão Aza e Capitão Furacão, viram a maledicência nos programas de fofoca.

Em vez do Sítio do Picapau Amarelo, a sexualização precoce de Xuxa e suas Paquitas arianas.

Em vez do Meu Pé de Laranja Lima e a Pequena Órfã, viram Malhação, feita para adolescentes mas vista por crianças de cinco, seis anos.

Em vez das comédias de Jerry Lewis, viram Máquina Mortífera e Duro de Matar na Sessão da Tarde.

Em vez de Batman, Túnel do Tempo e Terra de Gigantes, viram pastores evangélicos picaretas.

Em vez de Os Três Patetas, viram lutas de UFC, com gente sendo espancada e chutada mesmo caída no chão.

Em vez de Shazam e Xerife, viram novela das oito reprisada com uns poucos cortes às duas da tarde.


E, para forjar definitivamente seu caráter, acostumaram-se a assistir telejornais que privilegiam grupos políticos e só ouvem um lado da história.

O resultado é essa turba de idiotas capazes de difamar com calúnias uma pessoa que acabou de ser assassinada por defender gente pobre dos abusos de autoridade da polícia e do Exército. Gente que vai para a porta de um hospital vaiar a ex-primeira dama que acabou de sofrer um AVC.


Claro que tem gente mais velha que também apoia todo tipo de opressão e discriminação, mas essa massificação do pensamento discricionário é um fenômeno recente.

Eu sei que alguém vai dizer que viu isso tudo e não se transformou num fascista. A esse, eu digo: sorte sua.

Desde que a ditadura militar desmoralizou a palavra censura com seu arbítrio, virou pecado falar em controle da programação televisiva. Para que a indicação etária no início dos programas se tornasse obrigatória foi uma luta. Sou contra a censura no cinema, no teatro, na literatura, pintura etc. Toda a manifestação artística deve ser livre. Porém, em se tratando de televisão, um canal aberto a todo tipo de telespectador, de todas as idades, vale a pena pensar um pouco mais no que é exibido. Se não o fizermos, daqui a algum tempo, será preciso incluir no currículo escolar uma disciplina que ensine as crianças a se defenderem da babá eletrônica.

G.I. Joe, um dos desenhos mais violentos já feitos, está na gênese dessa geração fascista brasileira

8 comentários:

  1. Não acredito que exista uma receita simples de criar fascistas. Eles existem e como uma doença oportunista se aproveitam de momentos de debilidade da sociedade para se manifestar e, obviamente, isso, muitas vezes, vem passando de pai pra filho já que ninguém nasce fascista. É Verdade que a televisão pode ajudar em muito, mas como você mesmo disse, nem todo mundo se tornou fascista, apesar de termos assistido quase tudo o que foi citado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como a TV atinge milhões, forma um contingente considerável de fascistas que não existiria se a programação fosse outra. Nem todo mundo foi contaminado mas temos que nos debruçar sobre os tantos que foram.

      Excluir
  2. Matou a pau, Marcelo!
    Eu, que assisti na infância Shazan e Xerife, atesto que é verdade tudo o que você escreveu.
    Tomo a liberdade de repostar em A BODEGA do Valentim (http://www.abodegadovalentim.com/)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Da mesma maneira que a minha Rua tem a pior geração de todos os tempos, vejo que Rio a coisa não é tão diferente assim.

      Excluir
  3. http://www.abodegadovalentim.com/2018/03/marcelo-migliaccio_20.html

    ResponderExcluir
  4. A serpente, ou a sua cabeça (rede globo) é de esquerda ou direita, ambidestra, tem norte ou sul, direito ou avesso?
    O poder precinde ideologias.
    Direita fascista ou esquerda stalinista.
    Tudo são protocolos para sobrepujar a quem não interessa.
    E falando em protocolos, os protocolos...

    Kissinger, Fukuyama, Netanyahu
    E é claro todos nós que...

    "Por uns velhos vãos motivos
    Somos cegos e cativos"
    -Taiguara

    Torelly

    ResponderExcluir
  5. As gerações de crianças e jovens do período da ditadura receberam uma educação repressora e falta de incentivos ao desenvolvimento do espírito crítico.Professores tinham de dar aulas pré- elaboradas pelas secretarias estaduais de educação.Tudo direcionado à formação de fascistas.Eu era uma jovem professora na época. Quantos professores rebeldes a isso foram arrancados de sala de aula diante dos alunos e presos? Medo que ensinava a ter medo e se calar.Esses estudantes,hoje com 50 anos, formaram filhos fascistas e que aí estão.Seu fascismo dormia e foi acordado por Bolsonaro.Aprenderam a amar o opressor Querem sua volta.Os governos posteriores à ditadura se esqueceram de reorientar a população,de a politizar.

    ResponderExcluir