Translate

terça-feira, 3 de maio de 2016

O jogo está assim

O relógio marca...

Fiu, fiu, fiu, fiuuuu

Trinta e oito minutos do segundo tempo e permanece lá, no placar:

Meritocraciaaaaaaa...

Dois!

Democraciaaaaaaa...

Zero!

A torcida da Meritocracia já comemora a vitória. Do outro lado, a massa da Democracia está em silêncio. Esse segundo gol, também marcado pelo centroavante Eduardo Cunha, foi uma ducha fria. O goleiro José Eduardo Cardozo disse que foi empurrado no lance mas o juiz Gilmar Mendes validou o gol. A Charanga do Chico parou de tocar e ninguém no lado esquerdo da arquibancada parece acreditar numa virada. Em campo, o time da treinadora Dilma Rousseff está perdido, e ela pode ser dispensada logo após o jogo, ainda no vestiário. Os atacantes Lindberg e Jandira já não têm forças para enfrentar a violenta zaga formada por Caiado e Bolsonaro. O Bolsomito, como é carinhosamente chamado pela torcida verde-amarela, também conseguiu desestabilizar o meia adversário Jean Willis, que perdeu o foco no jogo. Agora, Dilma colocou em campo o centroavante reserva Roberto Requião, e ele está lá na área tentando dar umas cabeçadas. Lula não consegue organizar o meio-campo e Ciro Gomes está inconstante como sempre, ora faz uma boa jogada, ora some da partida. Para piorar, Cunha permanece sem marcação. É um Deus nos acuda toda vez que o ponta Sergio Moro puxa um contra-ataque pela direita e Temer, até pouco tempo integrante do time de Dilma, tem atuação destacada na articulação das jogadas. O personagem principal da partida, no entanto, é o juiz Mendes, que deixou de marcar um pênalti claro há alguns minutos, uma mão leve de Aécio dentro da área. A defesa da Democracia também reclamou que o primeiro gol de Cunha foi em impedimento, mas a bandeirinha Rosa Weber deixou o jogo correr. Neste momento, chega a notícia de que o tira-teima da Globo atestou que o gol foi legal.

Na tribuna de honra, o presidente da Meritocracia, Paulo Scaf, já recebe os cumprimentos. Ele investiu muito em contratações e agora só uma virada quase impossível lhe tira a vitória.

Quem nunca se sentiu assim na arquibancada de algum estádio de futebol?


Foto: Marcelo Migliaccio






5 comentários:

  1. Essa frase descreve muito bem o que penso desse GOLPE.

    "Se os pobres soubessem o que estão armando contra eles, as ruas do Brasil seriam insuficientes para conter o número de manifestantes que protestarão contra”.

    Cury

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Palavras sábias. Com certeza. Mas, como desgraça pouca é bobagem, não basta já serem pobres, precisam ser burros também. Claro que não falo por todos. Sou pobre e não sou otário e sei que tem muitos pobres que não alimentam essa palhaçada. Que não acreditam em tudo que vêm na televisão. Que não assistem Big Brother. Mas, metade da população é alienada, burra e como porcos, sentem prazer na sua lama. Graças a Deus que estamos do outro lado.

      Excluir
  3. Não entendo absolutamente quase nada de futebol...portanto não posso dar palpite. Mas, pelo menos um integrante deste jogo , o famigerado evangélico CUNHA, parece embolado , prejudicado...conforme últimas notícias:

    "O ministro Teori Zavascki determinou a suspensão do mandato parlamentar do deputado Eduardo Cunha e o afastamento da presidência da Casa. Na decisão, Zavascki informou que, diante da denúncia apresentada por Janot, Cunha não tem condições de ocupar o cargo de presidente da Câmara e nem substituir o presidente da República. De acordo com a Constituição, com ausência do presidente e do vice-presidente do país, o presidente da Câmara é quem ocupa a Presidência da República.

    Teori Zavascki determinou a suspensão do mandato parlamentar de Cunha atendendo a um pedido liminar do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que diz que Cunha usa o cargo para "constranger, intimidar parlamentares, réus, colaboradores, advogados e agentes públicos com o objetivo de embaraçar e retardar investigações". O procurador-geral Rodrigo Janot se referiu ao parlamentar como "delinquente" que, em sua definição, significa quem infringe uma lei e/ou certas normas morais pré-estabelecidas. Pessoa que praticou um delito; criminoso. Entre os sinônimos de delinquente estão bandido, réu, matador, malfeitor, homicida, facínora, criminoso, celerado, assassino, sicário".

    ResponderExcluir
  4. Não seria mais adequado "plutocracia" em vez de "meritocracia"?

    ResponderExcluir