Translate

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Espetáculo deprimente

Molecagem, gritaria, cinismo, exaltação a torturados, pilantragem evangélica... são os representantes do povo brasileiro.

Você ficou surpreso com o que viu e ouviu na votação do impeachment na Câmara dos Deputados? 

Eu não. 

Aqueles parlamentares não são ETs, receberam 42 milhões de votos para estarem ali.

E se o espetáculo deprimente em rede nacional teve algo de bom foi mostrar a nós mesmos e ao mundo a que nível de indigência mental e de canalhice chegou a nossa sociedade.

Estou com Frei Beto, para quem um dos maiores erros do PT foi não iniciar um processo de politização do povo nesses 13 anos. Achou que bastavam três refeições por dia e dinheiro pra comprar uma máquina de lavar. Quando o empresariado golpista liderado pela Fiesp e pela UDR tirou da massa o poder de compra, ela voltou-se imediatamente contra o governo. A lavagem cerebral da mídia foi decisiva, mais uma vez.

O PT perdeu para si mesmo. Ao ser reeleita, Dilma achou que poderia levar o barco sem o Congresso. Basta ver o nível dos parlamentares que a estão derrubando e suas muitas pendências judiciais para tirar-lhes qualquer autoridade. Mas é bom lembrar que foi com a maioria deles que o PT governou desde 2003. Agora, está prestes a ser apeado do poder por aquela gente que vimos ontem transformando o plenário da Câmara num recreio de escola pública, com direito a bulying, cusparada, ofensas, empurrões, chacotas, gritaria pra não deixar o colega falar e macaquices diante das câmeras de TV.

A verdade é que o povão não se engajou na defesa de Dilma. As manifestações contra o impeachment só tinham gente politizada, com nível universitário e sindicalistas. O grosso da população passava apressado do outro lado da rua.

Queriam chegar em casa logo pra não perder a novela.

Muitos talvez nem saibam que o próximo capítulo será a chibata neoliberal.

6 comentários:

  1. É verdade que o povão não participou ainda do processo, mas devemos ter o cuidado de eximi-lo de parte da culpa, pelo simples fato de que 4 ou 5 famílias dominarem os meios de comunicação e portanto, com algumas exceções, o povão não tem de onde buscar informação isenta. Ou se democratiza a mídia ou não tem jeito.
    Mas o fato mais emblemático desta corja (PCC: Partido da Corja do Cunha) que aprovou a abertura do processo contra a Dilma foi a deputada Raquel Muniz que votou SIM contra a maldita corrupção e dedicou seu voto ao marido Ruy Muniz, prefeito de montes Claros que hoje foi preso pela polícia Federal. Quer mais ou está bom?

    ResponderExcluir
  2. Agora sou à favor de eleições para presidente e vice ainda esse ano, temos o Lula subindo nas pesquisas. Aproveita-se todo o aparato que vai ser montado para as eleições municipais.

    SERGIO (Pai da Luisa)

    ResponderExcluir
  3. Esses são os políticos que nós elegemos !!!

    Boff tem razão ao escrever:

    http://www.jb.com.br/leonardo-boff/noticias/2016/04/18/um-golpe-parlamentar-e-a-volta-reacionaria-da-religiao-da-familia-de-deus-e-contra-a-corrupcao/

    Cury

    ResponderExcluir
  4. Excelente comentário, Marcelo. Foi um vexame, um verdadeiro circo do horrores. Não cri no que vi.Surreal, absurdo, patético e patológico. Vergonha de ser brasileiro, neste escabroso caso.
    Endosso as palavras do Clistenes e concordo com o Cury, quanto à lucidez do artigo do sempre especial Leonardo Boff.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente com vc. Ótimo comentário.
      Theo Lima

      Excluir
  5. Parabéns, Marcelo! A análise mais completa e perfeita de todo esse estado político no qual o país se encontra. Nada a acrescentar a não ser meu lamento. Que algum Deus ilumine o futuro!
    Theo lima

    ResponderExcluir