Translate

sexta-feira, 11 de março de 2016

Prensa na imprensa

Alguns jornalistas assustados vêm reclamando que o PT "criou uma bandeira de ódio contra a imprensa". Segundo eles, o partido tem estimulado agressões a jornalistas. A primeira pergunta a ser feita é se foi o PT quem incentivou manifestantes a virarem os carros do jornal O Globo quando o presidente Getúlio Vargas, envolvido num mar de lama nas manchetes, deu um tiro no próprio peito. Não, o Partido dos Trabalhadores sequer existia em 1954.

De lá para cá, a conduta dos empresários que dominam a comunicação de massa no Brasil pouco ou nada mudou. Apoiaram o golpe militar de 1964, encobriram a corrupção e o entreguismo durante a ditadura a troco de facilidades para ampliarem seus impérios, criaram nacionalmente uma imagem falsa de Fernando Collor para torná-lo o primeiro presidente civil, nos empurraram Tancredo/Sarney em seguida e transformaram os governos do PSDB em autênticos contos de fadas.

Quando o PT chegou ao poder, em 2002, os grandes jornais, revistas e emissoras de TV e rádio mudaram radicalmente de conduta, passando do adesismo sustentatório a uma oposição ferrenha e combativa. É fato que já perseguiam o partido desde sua fundação. Quando surgiu como líder sindical no ABC paulista, Lula passou oito anos sem aparecer no principal telejornal do país. Discricionário, o jornalismo praticado pela emissora líder de audiência e pelas que a copiam também assassinou em vida brasileiros ilustres como Darcy Ribeiro, Paulo Freire, Jango, Juscelino e Leonel Brizola, que teve mais espaço no noticiário no dia de sua morte do que nos 40 anos anteriores, período em que governou o Rio por duas vezes, enfrentando oposição ferrenha, diga-se.

As pessoas estão vendo. Muita gente, graças a Deus, não tem cérebro de minhoca. E se revolta. A imprensa chama todo mundo que apóia o atual governo, eleito democraticamente, de "militante do PT. Bolas, são brasileiros. Alguns se filiaram a um partido outros a centrais sindicais. Mas, antes disso, são brasileiros. Estigmatizá-los, só reforça a atmosfera belicosa em que vivemos.

Hoje, felizmente, muita gente é capaz de analisar criticamente a informação que recebe. A credibilidade desse noticiário enviesado e míope foi se diluindo com o passar dos anos. Basta dizer que o PT venceu as últimas quatro eleições diretas apesar de todo o catastrofismo das manchetes, das pragas dos colunistas de aluguel, das capas de revistas caluniosas em vésperas de votação.

Alguns desses jornalistas assustados juram que toda a classe sempre apoiou o PT e que está decepcionada porque o partido, quando chegou ao poder, repetiu velhas práticas condenadas por ele mesmo. Pode ser. Onde tem dinheiro, tem ladrão. Há corruptos nos EUA, na China, no Japão e até no Vaticano. Digo que o PT fez diferente sim, porque foi o primeiro a cortar na própria carne e o único que distribuiu a riqueza nacional de verdade, tirando o país do mapa da fome e dando chance aos pobres de chegar à faculdade. Claro, ainda falta muita coisa, estamos pagando a conta de séculos de desmandos, exclusão, enfim... do que fez a oligarquia que mandou no Brasil de 1500 a 2002.

O povão nunca esquece de quem lhe fez bem. A popularidade de Lula e seu favoritismo para o pleito de 2018 mostram isso. De nada adianta a imprensa insuflar manifestações como a deste domingo. Mais uma vez, o trabalhador, o sem terra, o sem teto não estarão presentes. Será mais um carnaval fora de época em que a classe média devoradora de novela _ e que teve como professoras Xuxa e Marlene Mattos _ ocupará as áreas de lazer das capitais para praguejar raivosamente contra o PT. Envenenaram tanto o cérebro do Hommer Simpson no noticiário que sua massa cinzenta virou mandiopã. Agora ele é um cão que baba de ódio ao ver uma camisa vermelha.

O radicalismo está instaurado. Os próprios criadores do monstro estão com medo. Não cabem agora queixas chorosas de menino brigão tipo: "Mãe, foi ele que começou".

Como dizem por aí, o povo não é bobo e acabou percebendo o jogo da grande imprensa. Querem cassar mais de 54 milhões de votos de maneira calhorda, na base do grito, do rolo-compressor, da manchete condenatória, do apoio editorial a métodos arbitrários do Ministério Público, da oposição no Parlamento e da Polícia Federal nas ruas. Se há condenáveis reações violentas contra jornalistas, a terceira Lei de Newton explica.

Lamento que colegas meus estejam dando munição aos golpistas, porque é muito cômodo para quem está com vergonha de apoiar abertamente um lado apontar defeitos no outro.


Revolta popular contra a imprensa após a morte de Getúlio, em 1954. O PT nem existia na época, senão o culpariam.




4 comentários:

  1. Irretocável e assertivo, plenamente. De fato, lamentavelmente, "o radicalismo está instaurado. Os próprios criadores do monstro estão com medo".

    Não sejamos hipócritas nem idiotas.
    Não foi o PT que descobriu ou inventou a corrupção no Brasil. Aliás, foi quem permitiu e incentivou o combate a ela. Se acusarmos apenas um partido, estaremos absolvendo os outros. Não caia nessa armadilha que só interessa aos eternos corruptos de todos os governos, sem exceções..
    Todos os partidos precisam responder pelos seus erros e ter compromisso com a nação.

    Quem ainda tem, pelo menos dois neurônios e pode acessá-los, pode imaginar que o Lula (e, claro,a Dilma também) estavam sendo investigados (inclusive pela CIA, etc.)e suas vidas viradas pelo avesso, desde antes de suas respectivas vitórias. Se houvesse provas de corrupção contra eles já teriam sido demonstradas e eles nem teriam chegado lá, "of course".
    O Marcus Ianoni, , em grande sacada, refere-se ao PARTIDO OPERAÇÃO LAVA JATO (POLJ): ir
    PUBLICIDADE


    Fatos recentes esclarecem ainda mais que um dos mais importantes grupos de interesse em ação na crise brasileira é o Partido Operação Lava Jato (POLJ). Ele não possui registro eleitoral,mas tenta influenciar as próximas eleições, principalmente a de 2018. O POLJ, braço investigativo-jurídico da coalizão neoliberal-conservadora, quer expelir,de fato,seu principal adversário da competição política democrática e abrir caminho para seus aliados no sistema partidário stricto sensu, a começar pelo PSDB, que é a vanguarda institucional dos interesses do modelo financeirizado e excludente de capitalismo que a oposição deseja restabelecer no Brasil.


    Mas esta máfia (oposição desesperada, midia golpista, Moro, parte da polícia federal e do judiciário comprados) com amparo ou tendo orquestração do poder ( o pt é só governo) ou do grande capital estrangeiro neoliberal transnacional (de olho no pré-sal e outras riquezas), tenta inviabilizar a possível candidatura Lula/18.


    Se ele fosse flor ou pó rs que se cheire, os mineiros - que de bobos não têm nada - teriam lhe dado votação esmagadora...o que não se verificou, muito pelo contrário. Aliás, este moralista sem moral, não passa de um MOROlista. Não por acaso, delator da Petrobrás disse que o PSDB foi quem mais recebeu dinheiro da corrupção. E Aecim, também citado, disse aos desavisados, tontos ou trouxas...que quer combatê-la.


    Se derem o golpe baixo, na mão grande ou na violência, vão colocar quem no lugar? Não vejo, neste momento, alternativa viável ou melhor.
    E, pior: vai piorar muito mais (não há nada tão ruim que não possa piorar) e, claro, cinicamente vão culpar o governo anterior pelo caos. É dose!
    "Se respaldar o golpismo, inevitavelmente, estaremos abandonando princípios

    e invertendo valores"
    Ministro Marco Aurélio

    ResponderExcluir
  2. Perfeito...vc me representa Marcelo. Uma pena que alguns de teus colegas precisem tanto do emprego pro leite das crianças rs

    ResponderExcluir
  3. Quem diria...O jornalista Ricardo Noblat, colunista do jornal O Globo (radicalmente contra o governo ), foi direto ao ponto . Lógico que o jornal mantém este tipo de jornalista porque é preciso dar o anel para não dar o dedo e para confundir os ingênuos rs.

    “Políticos precisam derrubar logo Dilma antes q sejam atingidos ainda + pela Lava-Jato e outras operações.”

    Foi isso que o blogueiro disse de forma clara e límpida.Traduzindo: se Dilma cair acabam-se as investigações.

    Sem mais e nem menos,

    Mas tem gente que foi vai para a rua neste domingo pensando que está defendendo o fim da corrupção.

    ResponderExcluir