Translate

sábado, 19 de julho de 2014

Sombras da ribalta

Nelson Ned, que já passou, cantava:

"Mas tudo passa, tudo passará..."

Todos nós estamos de passagem mas, na ribalta, quando o tempo conjuga esse verbo o sujeito pira.

Leio agora que um dos Cassetas (é, aqueles humoristas que fizeram muito sucesso nos anos 90) mandou o repórter Vesgo, do programa Pânico, tomar no cú.

"Não vou dar ibope pra você!", esbravejou o humorista da Globo, que está na geladeira, já que seu programa saiu do ar por falta de... audiência. Ou seja: se há uma coisa que ele não está dando atualmente é ibope...

Vesgo é chato pacas. Faz um humor agressivo importunando pessoas conhecidas. O xingamento foi merecido, mas mostrou o quanto é forte a dor de cotovelo no meio artístico.

Quando o Casseta & Planeta surgiu, trouxe um humor novo em contraposição aos já desgastados Chico Anysio e Jô Soares. Jô se reinventou e virou entrevistador (já precisando se reinventar de novo...). Mas Chico entrou de sola nos então novatos logo que viu seu monopólio do riso na TV ameaçado.

Pois os anos se passaram, Chico, que realmente era um gênio na criação de tipos, morreu, e o humor do Casseta deixou de ser novo. Desgastado, perdeu audiência até o programa sair do ar.

E agora um de seus membros repete a história de muitos narcisos, desta vez no papel de vilão, porque é duro ficar fora do ar. Renato Aragão e Xuxa que o digam. Já provocaram filas de dar volta em quarteirão com seus filmes, faturaram milhões, foram unanimidades burras, e agora... morrer é doloroso, principalmente quando se ainda está vivo.

A mídia é assim: faz um carnaval com você enquanto as pessoas te comprarem. Numa época em que ficou fora do ar, Chacrinha desabafou: "Quem não tem ibope, não tem amigos".

João Ubaldo morreu ontem (mês passado, foi Marlene, "a maior"). Hoje, o escritor é primeira página de todos os jornais. Amanhã, estará esquecido. Depois de amanhã, a nova geração sequer saberá quem foi. Uma vida, um universo reduzido a um livro na estante.

A vaidade é o combustível de toda pessoa pública e também o veneno que a consome.


4 comentários:

  1. Se queres ser eterno: plante uma árvore, escreva um livro ou faça um filho. Pessoas que hoje transitam pela mídia, recebendo atenção às vezes exageradas, sentem-se tão importantes, que não podem imaginar que esse estado de estase um dia vai ter um fim. O Ego desses mortais começa a crescer de tal maneira, que o indivíduo passa a se julgar acima do bem e do mal. Um dia porem serão descartados, porque outros tomarão seus lugares. Muito bem, se sair por motivo de morte, tanto melhor. Assim voarão para a eternidade com ideia fixa de ainda são o máximo. Melhor para eles. Porem...se ainda com vida, quanta tragédia poderá advir. De drogas até suicídio. Aquele EGO não suportará o ostracismo. Quantos egos transitam por ai, fazendo papel ridículo para seguir o ditado: falem mal, mas falem de mim. São dignos de pena. Infelizmente!

    ResponderExcluir
  2. Por mais que os holofotes tenham sido lançados sobre João Ubaldo por conta da sua morte, aqui na Bahia, constata - se nitidamente que a comoção foi muito menor do que a causada pela saída do Bel de uma banda sofrível chamada Chiclete com Banana, que motivou inclusive o fechamento de uma das vias mais importantes de Salvador por uma passeata pedindo a volta do cantor. Ressalta - se que isso ocorreu em plena época das manifestações por melhorias sociais em 2013. Figura frequente no Leblom, é de sua terra Natal, ilha de Itaparica, que guardo minha maior lembrança: Em 2011 aluguei uma casa ao lado da sua para o carnaval e de lá podia ouvir sua voz marcante quando ele estava no quintal ou descansando na rede. A morte de João Ubaldo é uma grande perda para a Bahia, que talvez ela mesmo não tenha percebido, ou se percebeu não deu a importância devida.

    ResponderExcluir
  3. Esse vazio existencial, q a fama passageira não supre, é a falta de Deus...
    E infelizmente hoje em dia, mais do q nunca, a falta de autenticidade em quase tudo q nos rodeia, leva a essa efemeridade e distorção do que realmente tem significado em nossas vidas.
    E insisto, a interesses maiores em expandir, lucrar e perpetuar esse erro...

    Torelly

    ResponderExcluir
  4. Concordo, Torelly. A falta de Deus em nossas vidas faz com que nós tornemos sem vida interior.

    ResponderExcluir