Translate

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Quem tem pena é galinha

O maior crime que alguém pode cometer hoje em dia não é roubar, nem matar. O pecado maior no capitalismo selvagem é sentir pena de alguém. Cotas para minorias? Bolsas de estudo? Auxílio alimentação? Isso é prejuízo para os tecnocratas. Que se dane quem está por baixo.

Ninguém pode ter pena de ninguém, isso é contraproducente, não gera receita... e ainda por cima é cafona, piegas, motivo de chacota. Intelectuais não tem pena, é maniqueísmo eles dizem, criaram o até o termo "coitadismo" para criticar as políticas sociais de transferência de renda. Na verdade, o que apavora a casta dominante é a igualdade de oportunidades para todos desde a infância.

O egoísmo se aprende na televisão, a grande educadora num país onde o ensino é indigente e elitista e a cultura popular resumiu-se ao axé, ao samba pasteurizado, ao funk sexista.

O humor virou zombaria, perseguição, pegadinha. O ser humano retrocedeu tanto que só consegue rir do outro e não com o outro.

O esporte que mais cresce no mundo permite a um lutador esmurrar outro que está caído até que um juíz troglodita se atire entre ambos para evitar o óbito. O futebol virou um negócio onde pobre não entra. Tiraram do povo seu único lazer e ninguém ficou com pena.

Já dizia o Bezerra da Silva: "Antes de ter pena de morte é preciso ter pena do pobre".

Mas o governo que matou a fome de 40 milhões é torpedeado pelo empresariado que precisa de famintos para lhes pagar o menor salário possível. Então o grande capitalista soa suas trombetas pela grande imprensa privada, aquela que só fala em solidariedade se for uma boa ação de marketing.

Ninguém tem pena de ninguém na selva de pedra, no país campeão mundial de linchamentos. Isso mesmo! Essa Copa já é nossa: o Brasil é o país que mais lincha no mundo. De vez em quando escalpelam um inocente, mas quem se importa? Falsamente constrangidos, os apresentadores fascistas de programas policiais agora lamentam a ação da turba ensandecida no Guarujá, que espancou até a morte uma mulher que saía da igreja.

Mas são esses mesmos apresentadores que vivem dizendo na TV:

_ O povo não aguenta mais. Não se deve fazer isso, mas é muita impunidade... uma hora as pessoas perdem a paciência...

Ou então, com um sorriso no canto dos lábios:

_ Vejam só como ficou a cara desse ladrão! O pessoal fez um carinho nele...

E a apresentadora insossa que ironizou os que tiveram pena do adolescente acorrentado a um poste passou a ser a mais valorizada no mercado televisivo. Vai ganhar um programa só dela por causa da declaração impiedosa que deu no telejornal.

_ Tá com pena (do jovem ladrão)? Leva ele para a sua casa!

A "pena" que se tem hoje é hipócrita, pra inglês ver, pra postar no Facebook. O apresentador garoto-propaganda de banco posa com uma banana. Ele e a esposa loira estão com peninha do jogador negro que comeu a banana atirada por um racista no estádio. Aí, o coro dos anti-racistas de ocasião diz que "todos somos macacos".

Como assim? Eu não sou macaco. O jogador não é macaco. Ninguém é macaco.

A solidariedade do apresentador garoto propaganda de banqueiro é dizer que ele também é macaco, assim como o jogador... vê se pode...

No seu programa, ele promete uma casa decente ao favelado, mas só se o infeliz participante conseguir equilibrar dez copos na ponta do nariz diante das câmeras. É um game show, afinal! Se não conseguir, volta para o barraco. E ainda chamam de assistencialista um governo que constrói quase 3 milhões de casas populares...

O pastor evangélico cobra o dízimo sem pena:

_ É tudo ou nada, ou dá ou desce!

_ Mas, pastor, eu só tenho pra comer...

_ Jejum, meu filho, jejum! Tá na "bibra".

Crianças e jovens só aprendem egoísmo, violência e sexo há décadas. No Youtube, os vídeos de espancamentos em escolas bombam. Todo dia tem um novo. Quase sempre garotas brigando por namorado. E não é só espancamento, tem facada e tortura. E o sucesso do momento é a funkeira que promete "tiro, porrada e bomba" na mulher que ousar olhar para o seu homem...

Se a heroína da novela cobre a rival de porrada, então tá liberado!

O black bloc quebra sem pena, o público e o privado. O torcedor quebra a privada e joga na cabeça do outro, sem dó.

O assaltante agora mata a vítima mesmo que ela não reaja. Sem pena. A polícia bate sem pena, a milícia e o tráfico matam sem pena. O povo lincha sem pena.

Pena é um artigo em extinção. E nós também.





19 comentários:

  1. Marcelo, se tem quem pena é galinha... prefiro a galinhao ao macaco! parabens pelas sempre certas e belas palavras! Gustavo Petra.

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de saber se a tal da Raquel Sheherazade (Eita nome complicado, parece a música do Ragatanga) não vai se declarar corresponsável pelo linchamento de uma inocente, afinal ela foi a grande incentivadora dessa "justiça pelas próprias mãos" ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Alexandre...o nome desta coisa incentivadora da barbárie é estranho/complicado como ela, sim, mas como sou antigo rs, lembra-me nome de chacrete Chacrinha, o Velho Guerreiro , adoraria rs.

      Excluir
    2. Desculpe, ficou truncado por desatenção. O correto seria, sobre o caricato nome Raquel Sheherazade, que desconheço solenemente pois não vejo telê: "lembra-me nome de chacrete.
      Chacrinha, o Velho Guerrreiro, adoraria rs.
      .

      Excluir
    3. Seria algo do tipo: Alôôôôô meu filho...uma salva de palmas para Fátima Boa Viagem, Rita Cadilac e Shehera Pega e Lincha...

      Excluir
  3. Bom texto! , Gostei da parte que diz que o ser humano só consegue rir do outro e não com o outro. O sadismo tá em moda.

    ResponderExcluir
  4. Estou tão bem alimentado de ler palavras tão sensatas, tão a vida real como ela é no Patropi (e não como gostaríamos que fosse ou que será...isto jamais acontecerá), que diria estar com a alma lavada e passada a limpo. Você colocou , mais uma vez e brilhantemente, o dedo na ferida e, melhor, sem falsos relativismos cínicos e típicos do discurso neoliberal (na linha quase sádica como esta: " somos todos macacos"; moramos em comunidade, não em favela, etc). O comentário hiper realista do Theo Lima, no seu post anterior, já denunciava a hipocrisia da "cordialidade" do brasileiro . Tudo a ver e casa com este post.

    Destaco esta sua sacada de mestre: " O ser humano retrocedeu tanto que só consegue rir do outro e não com o outro". Perfeito, como todo o excepcional texto. Parabéns é pouco! Vou divulgar, quase que com prazer sádico rs, para tentar acordar o povo da letargia televisiva/videota que parece viver ...apesar de saber que pouco ou nada adianta.

    ResponderExcluir
  5. Realmente, é escandaloso o discurso e o comportamento conservador e, mesmo reacionário daqueles que têm voz no Brasil: celebridades; subcelebridades; antas, na verdade.
    Tenho pensado muito (e me assustado mais ainda) com o que me parece uma concertação do neo fascismo em níveis mundiais. Por enquanto ainda não temos partidos políticos abertamente fascistas, como na Europa; mas parece que chegaremos lá.
    Precisamos de reações como a sua, Marcelo.
    Obrigada, mais uma vez por nos dar voz.

    Abraço fraterno,

    Wanda Rodrigues

    Ps. recomendo a leitura do artigo do Vladimir Saflate na última edição da revista Carta Capital

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pelo texto! Pela coragem, e como sempre digo, pela LUCIDEZ. Aliás, LUCIDEZ é do que mais estamos precisando. Não precisamos de fotografias de pessoas comendo bananas, nem de humanos se intitulando macacos como protesto antirracista, nem de pessoas querendo impor o funk a qualquer preço com o argumento de que o funk é a forma mais rápida de inclusão social de milhões de excluidos. O PROGRAMA ESQUENTA é o melhor exemplo da HIPÓCRITA INCLUSÃO cultural e social tão apregoada no Brasil pelos FARISEUS de plantão. SEPULCROS CAIADOS é o que é toda essa gente. Falsos. Tenho certeza que todos sabem muito bem que não é com band-aid que se cura câncer. NÃO É COM FUNK, SE AUTO DENOMINANDO MACACOS OU COM A HIPÓCRITA MISTURA DO PROGRAMA ESQUENTA que nenhuma mudança vai sequer começar a acontecer no país. Muito pelo contrário, tudo isso só faz é sedimentar o que devia ser repudiado. Tudo isso funciona como aguardente para esfomeados. Ou sendo mais moderno: crak para os desesperados e ou miseráveis. A ignorância vicia como qualquer droga - pois embota a razão. A miséria tem força suficiente para nocautear o homem e bestializá-lo, entorpecendo-o para sempre. E a culpa é da sociedade hipócrita e cretina que devia esclarecer ao máximo possível de pessoas quanto aos perigos de seus atos impensados, como o principal deles: A REPRODUÇÃO IRRESPONSÁVEL. Não há governo no mundo que possa sozinho resolver problemas de fundo cultural como os do Brasil. A miséria no Brasil faz parte da cultura brasileira. É cevada, alimentada, porque os ricos, políticos, empresários, banqueiros, religiosos de quase todas as religiões, e todos nós, de um modo ou de outro, acreditamos que é necessário um mar de miseráveis, de operários-escravos, de negros que são a carne ainda mais barata, para fazerem o trabalho sujo, para quebrarem as pedras, enquanto nós, os bonitos, privilegiados, tomamos banho de sol. Lamento, mas, todos sabemos que a verdade é essa. E só através dessa profunda conscientização podemos chegar à COM-PAIXÃO. Vermos ou outro com paixão. Com amor. Com respeito. Solidariedade. A alteridade da qual o Migliaccio fala no seu realístico texto. Por isso, tudo que pudermos fazer para esclarecer esse entorpecido povo, toda a ajuda que puder ser dada para que um ou alguns consigam sair da lama, é bem-vindo.
    Estes alguns logo serão muitos se cada um de nós ajudar verdadeiramente alguém. Falo por mim mesmo: com a ajuda de algumas pessoas, terminei a licenciatura e estou terminando meu bacharelado em HISTÓRIA e logo estarei propagando esses conhecimentos adquiridos e que vou acumulando cada vez mais, para muitos e muitos outros. Não é nada, não é nada, é um pedacinho de micro-história que está sendo feita, é a possibilidade de um futuro melhor que me foi proporcionado e que com a ajuda de Deus, pretendo mutiplicar por milhares. CONHECER É PODER, e é exatamente por isso que ele é negado à imensa maioria.
    Theo Lima

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pelo texto! Pela coragem, e como sempre digo, pela LUCIDEZ.
    Aliás, LUCIDEZ é do que mais estamos precisando. Não precisamos de fotografias de pessoas comendo bananas, nem de humanos se intitulando macacos como protesto antirracista, nem de pessoas querendo impor o funk a qualquer preço com o argumento de que o funk é a forma mais rápida de inclusão social de milhões de excluidos. O PROGRAMA ESQUENTA é o melhor exemplo da HIPÓCRITA INCLUSÃO cultural e social tão apregoada no Brasil pelos FARISEUS de plantão. SEPULCROS CAIADOS é o que é toda essa gente. Falsos. Tenho certeza que todos sabem muito bem que não é com band-aid que se cura câncer. NÃO É COM FUNK, SE AUTO DENOMINANDO MACACOS OU COM A HIPÓCRITA MISTURA DO PROGRAMA ESQUENTA que nenhuma mudança vai sequer começar a acontecer no país. Muito pelo contrário, tudo isso só faz é sedimentar o que devia ser repudiado. Tudo isso funciona como aguardente para esfomeados. Ou sendo mais moderno: crak para os desesperados e ou miseráveis. A ignorância vicia como qualquer droga - pois embota a razão, desresponsabiliza, impregna o ser de ulusórias certezas. A miséria tem força suficiente para nocautear o homem e bestializá-lo, entorpecendo-o para sempre. E a culpa é da sociedade hipócrita e cretina que devia esclarecer ao máximo possível de pessoas quanto aos perigos de seus atos impensados, como o principal deles: A REPRODUÇÃO IRRESPONSÁVEL. Não há governo no mundo que possa sozinho resolver problemas de fundo cultural como os do Brasil. A miséria no Brasil faz parte da cultura brasileira. É cevada, alimentada, porque os ricos, políticos, empresários, banqueiros, religiosos de quase todas as religiões, e todos nós, de um modo ou de outro, acreditamos que é necessário um mar de miseráveis, de operários-escravos, de negros que são a carne ainda mais barata, para fazerem o trabalho sujo, para quebrarem as pedras, enquanto nós, os bonitos, privilegiados, tomamos banho de sol. Lamento, mas, todos sabemos que a verdade é essa. E só através dessa profunda conscientização podemos chegar à COM-PAIXÃO. Vermos ao outro com paixão. Com amor. Com respeito. Solidariedade. A alteridade da qual o Migliaccio fala no seu realístico texto. Por isso, tudo que pudermos fazer para esclarecer esse entorpecido povo, toda a ajuda que puder ser dada para que um ou alguns consigam sair da lama, é bem-vindo.
    Estes alguns logo serão muitos se cada um de nós ajudar verdadeiramente alguém. Falo por mim mesmo: com a ajuda de algumas pessoas, terminei a licenciatura e estou terminando meu bacharelado em HISTÓRIA e logo estarei propagando esses conhecimentos adquiridos e que vou acumulando cada vez mais, para muitos e muitos outros. Não é nada, não é nada, é um pedacinho de micro-história que está sendo feita, é a possibilidade de um futuro melhor que me foi proporcionado e que com a ajuda de Deus, pretendo mutiplicar por milhares. CONHECER É PODER, e é exatamente por isso que ele é negado à imensa maioria.
    Theo Lima

    ResponderExcluir
  8. Excelente texto, Marcelo e realidades brasileiras diferentes destas, desconheço.
    O senhor Theo foi hiper tealista, também, e mandou muito bem! Na verdade o capitalismo (ou CAPETALISMO?) quer até as penas da galinhas ou seja, transformar tudo e todos em lucro, sem dó nem piedade, não importando até se pessoas vão (necessariamente) adoecer ou morrer vitimadas por tanta exploração. O sonho perverso, delirante e inconfessado dos empresários gananciosos e sem escrúpulos parece ser o de fazer as pessoas trabalharem à exaustão e ainda terem de pagar por isto.A eterna luta de classes continua cada vez mais feroz, lamentável e vergonhosamente.

    ResponderExcluir
  9. Caraca! faz tempão não frquento seu blog, parabéns! - sintetizou bem o Materialismo reinante - alem de tudo, fotografa divinamente.

    ResponderExcluir
  10. Muito bom seu texto.
    Essa turma que admite que é macaco, com o movimento do "Somos Todos Macacos" gosta muito de todas essas porcarias que você menciona, por isso se assume como macaco, além de pretender o quê?
    Estimular os racistas, que vão sair atirando bananas, bombas, para todos os lados.Tacando fogo e patrocinando linchamentos, já que todos são macacos?
    Eu também não sou macaco.
    Felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir
  11. Eu não sou cachorro, não...eu não sou macaco, não.

    ResponderExcluir
  12. Sou do tempo em que se dizia para um negro que ele é preto com alma branca, um racismo velado muito mais sutil que atirar banana em sua direção.
    Sobre cotas, uma sacanagem com os não negros. E as mulheres que foram discriminadas durante séculos (não votava, não trabalhava, era considerada inferior,etc...) vão acabar recebendo cotas também !!
    Cury

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como sempre, continua difícil para os não negros entenderem as cotas raciais. Injustiça é exigir mérito quando as condições são tão desiguais. Quanto as mulheres, sem problemas, a lei das cotas não faz distinção por sexos.

      Excluir
    2. Recomendo o texto abaixo sobre o tema cotas:
      http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/11/por-que-tornei-favor-das-cotas-para-negros.html

      Excluir
  13. Falando em sem pena, estão fazendo um linchamento do Guarujá com a Dilma, mas isto já era esperado. Se não cansaram de bater no Lula, imagina a Dilma que está no comando.

    ResponderExcluir
  14. Uma das melhores interpretações da época dos festivais: Jair Rodrigues, (disparada) de Geraldo Vandré. Venceu o festival da musica em 1966.

    ResponderExcluir