Translate

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Cadê o mocinho da história?

Se eu fosse o pessoal do Psol (sem trocadilho) estaria preocupado. O advogado deu com a língua nos dentes e disse que a ira de seu cliente, o granadeiro dos black blocs, custava R$ 150 por manifestação. Apesar de o movimento dos camisas pretas parecer acéfalo, a única que apareceu na delegacia pra defender os presos parece ser ligada ao partido. Assessores de Marcelo Freixo também foram mencionados no imbróglio.

Garotinho é outro que deve ficar de olhos bem abertos, porque o PR já foi citado no bolo solado da imprensa. E, depois daquela reportagem ridícula da Época tentando incriminá-lo, tudo pode acontecer nas páginas e nos telejornais. Disseram que Garotinho sabota as UPPs só porque ele denunciou que o secretário de Segurança Mariano Beltrame mora de graça no apartamento de um empresário _ o que, aliás, a nossa combativa imprensa não se interessou em apurar.

Sergio Cabral, em cujos ouvidos ainda ecoam os gritos de "fora"dados em junho na portaria do prédio onde mora, aproveitou a deixa. Quer fazer crer que sua rejeição é produto de uma intriga política. Passageiros dos trens, barcas e metrô não acreditam na tese.

E o prefeito, que chamou os black blocs de filhinhos de papai? Um mora no Méier e o outro na Baixada. Este último tentou fugir para a barra da saia da avó, no sertão cearense. Filhinho de papai foge pra Paris, Roma…

E já sobrou até para o tal advogado dos black blocs. Descobriram que ele um dia foi condenado por danos morais. É o que bastou para o distinto rábula ser desqualificado por alguns debatedores de programas de rádio, naquelas tais mesas redondas. Matinalmente, reúnem-se cabeças obtusas escolhidas a dedo com o firme propósito de vilipendiar a inteligência humana com surrados chavões e clichês.

Em Brasília, o senador do Psol falou grosso (força de expressão). Disse que o partido não vai permitir que o endurecimento da legislação contra os black blocs prejudique os movimentos sociais. Acho justo. Mas o partido, parece, terá muito mais a dizer sobre o assunto.



19 comentários:

  1. Marcelão, nunca vou esquecer um texto seu, onde você mencionava que o dinheiro estragou tudo: futebol, impresa... Até para protestar o cara precisa receber um cascalho. Será que o Brasil tem jeito?

    ResponderExcluir
  2. Quanto pessimismo Marcelo. O Brasil e o Mundo hoje são muito melhores que no passado. Se eu tivesse vivido há pouco mais de cem anos eu seria escravo. Nos dias atuais pude chegar ao pos-doutorado. A grande questão é que, se as classes menos favorecidas avançam as elites perdem privilégios, e aí vale tudo para retomar o poder. Acredito que não só o Garotinho e o PSOL, mas a muitos grupos interessa queimar a imagem do País para ganhar a eleição no grito, o risco é herdar um País destrocado e não saber o que fazer com ele...

    ResponderExcluir
  3. Como escreveu Frei Betto: Quem tem nojo de política é governado por quem não tem. E tudo que desejam os maus políticos é que haja bastante nojo, para que eles fiquem à vontade com a rapadura nas mãos

    Quero ver muitos black blocks nas ruas, pois da mesma forma que sem sem invasão não haverá reforma agrária, sem sairmos para as ruas, não haverá mudanças.

    Brasil, mostra a sua cara, quero ver quem paga pra gente ficar assim !!

    Cury

    ResponderExcluir
  4. Tem um forte cheiro de armação este imbróglio sobre os "culpados" por ascender o rojão...
    1° Um rapaz se apresenta na delegacia, na surdina da madrugada, e co ta a história dele;
    2° Após dois dias este rapaz e seu advogado apresenta o nome do VERDADEIRO autor;
    3° Um garoto é encontrado no interiro da Bahia, assustado e com fome, até meio desnorteado;
    4º O curioso é que este garoto não possui muito a aparência da pessoa de camisa cinza suada nos vídeos que circulam por aí;
    5º O advogado (que agora representa os dois "réus") joga M... do ventilador após dizer que os baderneiros são financiados por partidos políticos;
    6° Este mesmo advogado ameça largar o processo depois que seus pupilos acusam um ao outro.

    Socorro!!! Quero descer!!! É muita loucura... Brasil é isso aí...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. saparada, mó fantoche da grobo rapá. Coé marcelo, tu ta ligado na manipulação e vem cair nessa?
      Raul para o Mundo q eu quero descer, eu não sou besta pra tirar onda de heroi!

      Excluir
  5. Antes que eu esqueça, outro cinegrafista da própria Bandeirantes, Gelson Domingos da Silva, foi morto com um tiro de fuzil durante a cobertura de operação policial no Complexo do Alemão, em novembro de 2011.
    E a imprensa não deu ênfase ao caso como agora, será que o governador pediu para abafar o caso ??
    Dois pesos, duas medidas ??
    Que imprensa nojenta a nossa !!

    Cury

    ResponderExcluir
  6. Jornal do Brasil
    "Jonas Tadeu, advogado de Caio de Souza, suspeito de ter jogado o rojão que matou o cinegrafista da Band Santiago Andrade, na última quinta-feira, e preso esta madrugada em Feira de Santana (BA), revelou que jovens são aliciados por políticos para participarem dos atos de protesto. O advogado disse que Caio, por exemplo, ganhava R$ 150 em cada manifestação.
    "Os jovens que participam das manifestações de forma pacífica não recebem nada, mas aqueles que promovem atos violentos são aliciados e ganham por isso", afirmou Tadeu.
    O advogado não deu nome aos aliciadores, mas mandou a imprensa fazer uma devassa nos diretórios regionais dos partidos políticos e investigar deputados e vereadores, não só no Rio de Janeiro, mas também em São Paulo e outras capitais´". Sinceramente, considero muito plausível esta hipótese, afinal, este jovens não se tornariam tão violentos assim, sem essa ajuda de custo da oposição...que está fazendo de tuuuuudo para desmoralizar a situação...com a ajuda escancarada da midia que nem toca no assunto do MENSALÃO TUCANO, p.ex., onde tudo começou, em 1998, no PSDB de Minas.

    ResponderExcluir
  7. Enfim a chuva, para molhar a secura, diminuir a poluição e matar a sede nos grandes centros.
    Ela (a chuva) é o mais importante nesse momento.

    ResponderExcluir
  8. Mauro Pires de Amorim.

    Essa história vai acabar em pizza para os que transformaram as manifestações populares em massa de manobra mercenária. Um microcosmo clonado da política brasileira. Pois tal qual candidatos partidários usam o poder da palavra e da comunicação para externarem discursos de conteúdo bem intencionados no sentido de dizerem as necessidades prioritárias e anseios do povo.
    Dessa forma criam um vínculo de identificação com a população, eleitorado, transmitindo a esperança de realização das necessidades pétreas, prioritárias, os anseios do povo com o(s) candidato(s) e partido(s). Mas depois de eleitos, dentro da panelinha do poder do Estado, tudo continua no mesmo e os discursos que despertaram a identificação com os anseios e desejos pétreos do povo, viram palavras ao vento, carta de boas intenções.
    Existe uma grande diferença entre dizer e fazer. E é assim que os 171 agem. Portanto, vai rolar pizza. A pizza só não vai rolar para os que foram presos e denunciados, pois esses caíram tal qual bois de piranha ou azarados na meio da massa de manobra.
    Afinal, o sistema de poderes do Estado tem que dar o exemplo. Até porque, os articuladores dessas manifestações, precisam fazer o discurso de que essas que deram o azar de serem pegos, constituem num mau exemplo, numa minoria. Isso para limparem sua barra e continuarem com os discursos de boas intenções que criam o vínculo de identificação com o povo-eleitor e alimenta a esperança de cargos no sistema de poderes do Estado.
    A verdade é que a cidadania existe para aqueles que podem compra-la de alguma forma. Para esses que compram a cidadania, os poderes do Estado oferecem todas as garantias e direitos escritos nas leis. Para os que não compram ou não tem como comprar e que portanto vivem privados desses direitos pétreos no Estado de Democrático de Direitos do Brasil, resta o direito ao cala a boca.
    Portanto sugiro que toda a lei brasileira contenha abaixo de cada artigo, o valor, preço estipulado de quanto custa para se ter o direito ao escrito acima. Já que o sistema de poderes do Estado assim funciona, nada mais democrático e funcional que deixar isso consignado.
    Felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir
  9. Não tenho como deixar de ressaltar a declaração do Boechat a favor do quebra-quebra e do vandalismo: http://www.youtube.com/watch?v=0uSfOaoGEQQ#t=16
    Fico imaginando o que ele pensa agora depois da morte de um colega seu de trabalho na mesma empresa? Por sinal a Band vem se destacando por suas posições contraditórias, como por exemplo, fazer campanha contra a violência no trânsito e ter como comentarista alguém como o Edmundo, acusado da morte de três pessoas em um acidente. Defender a população menos favorecida e manter em seu quadro de funcionários alguém como Boris Casoi que recentemente humilhou todos os garis e outros trabalhadores brasileiros. Sem contar com a sua suposta defesa do ambiente, mas sempre a favor do agronegócio. Desse jeito só me resta deBANDar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A contradição é uma marca de todas as redes de TV privadas. Já as públicas defendem incondicionalmente os governos que as administram. A nós, resta nossa própria inteligência e bom senso para filtrar todo esse jogo de interesses.

      Excluir
  10. Fala, Marcelão! Blz? E o que você achou da "rapaziada intelectual" em defesa do Freixo, o "homem ilibado"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achei cômico. Então o Caetano se surpreendeu com o que o Globo escreveu? Ele não conhecia o jornal em que trabalha, coitadinho. E o Globo só faltou pedir desculpas por incriminar o cara que eles vão usar para dividir os votos do PT.

      Excluir
    2. Antonio Torres

      postado em 17/02/2014 16:34
      VERGONHA, CAETANO! Os Black Blocs são adolescentes tardios que acham que protestar é partir para o vandalismo, sempre com máscaras e roupas pretas, promovendo quebra-quebra em propriedades privadas, lojas, bancos, lanchonetes, prédios públicos, depredando automóveis alheios, etc., reivindicando serem contra o capitalismo, a globalização e um monte de coisas que nem eles mesmos sabem definir ou apresentar alternativas. Infelizmente vem recebendo apoio de figuras populares como Caetano Veloso, que não sabendo se posicionar, justificam suas atitudes apenas com frases feita e vazias, como a dita por Caetano, a de que "os Bleck Blocs, fazem parte!" Diz também que ele não precisa se explicar tanto, porque ele é apenas um "velho baiano". Fazem parte de que, Caetano? O que significa a conotação, "velho baiano"? Se explique! Nós preferimos você como um compositor, poeta ou um excelente músico que é. Como ativista político, é um desastre! O problema é que para entender Caetano é complicado! Caetano pensa que é! Mas na realidade ele é alguma coisa assim como... Abstrato ou algo, mais ou menos assim! Tem uma opinião convicta, mais ou menos formada, mas para entende-lo, é necessário entrar no contexto das suas elucubrações que estão nos recônditos cerebrais, nem sempre assimiladas, se pensarmos de forma superficial ou mesmo profunda. Por isto mesmo, não podemos problematizar os conceitos aparentemente emitidos, entendidos e sedimentados em suas divagações ou discursos. Ele contextualiza a suas posições de forma profunda e inseridas em conceitos sólidos mas que em certas circunstâncias não podem ser levadas a crédito de formas sectárias pois o pensamento e as convicções podem de certa forma serem flutuantes se levarmos em conta o atemporalismo das afirmações que merecem vez por outra serem fragmentadas ou inseridas em um ensaio global. Para chegar a uma conclusão, ele reflete profundamente de uma forma etérea, em pensamentos respaldados, porém propositadamente inconclusivos, sempre disposto a um revisionismo momentâneo, com cautela, mas sem abrir mão do encargo ao apreço à lógica cartesiana ou talvez quem sabe, ao mutacionismo. As vezes uma coisa parece que é, mas na realidade não é bem assim! Ela pode estar inserida em um contexto que as vezes não percebemos mas que faz parte do global que não enxergamos nas entrelinhas ou quem sabe, nem se faz necessária sua explicitação. Será? De certa forma é assim. Mas também pode não ser. Temos que refletir nos inserindo ou mesmo nos distanciado de toda a problemática a ser discutida para chegarmos a um posicionamento que nem sei se vale a pena, que reivindiquemos esta postura e certezas de nós mesmos. E lá vai o "velho baiano"! Se você não entendeu nada, não se preocupe. Eu escrevi mas também não entendi. Caetano é assim! Continue a compor e a cantar Caetano! Aí, você é excelente! Queria ver sua reação se em vez do Santiago, o alvo da bomba tivesse sido por exemplo:....................... O Chico, o Gil, a Camila Pitanga, o Wagner Moura, o Marcos Palmeira ou outro “engajado” qualquer!

      Excluir
    3. Sensacional Antônio! Não entendi nada, mas tenho. certeza que foi a melhor definição de Caetano já feita.

      Excluir
  11. E sera q nossa midia tão ilibada e pertinente, lembrara de falar mal dos mascarados q estão agindo contra o governo da venezuela?

    Torelly

    ResponderExcluir
  12. Olha ela ai, de novo: "elucubrações".
    Repito: essas palavras pouco usadas no nosso cotidiano (no nosso, nao no cotidiano do ministros do STF que falam, falam e a gente nao entende nada...) acabam dando margem a dupla interpretacao, como ja demonstrei em relacao a palavra "arrolada".
    Gente simples nao sabe o significado de varias palavras e acabam se confundindo como, por exemplo, o "causo" que segue:
    Um cara estava no volante do seu carro, no meio do agreste, mais perdido do que cachorro que cai do caminhao de mudanca... Ve um casebre, para, e vai ate um senhor que estava sentado no degrau da porta para pedir informacoes.
    Papo vai, papo vem, o cara repara que a familia desse senhor eh bem grande. Era crianca por todos os lados e comenta com esse senhor: "Prole grande, eim?" e o senhor, de pronto responde: "Eh sim. Grande e grosso!"

    ResponderExcluir