Translate

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Razões do quebra-quebra

A Polícia Federal anda com a corda toda.

Agora prendeu membros de uma quadrilha que abastecia os traficantes do Rio com fuzis 762. O bando bem vestido trouxe dos EUA pelo menos 500 dessas armas mortais escondidas em colchões. Durma-se com um barulho desses. São peixes grandes desta vez, porque favelados não viajam ao exterior para comprar fuzil.

Mas a PF investigou e prendeu.

Pouco antes, a mesma Polícia Federal prendeu criminosos do colarinho branco envolvidos numa fraude de milhões que lesou correntistas do antigo Banco Nacional, lembra? O slogan da instituição financeira, uma das maiores do país na época, era "o banco que está ao seu lado". Descoberta a fraude, o banqueiro Magalhães Pinto ficou ao lado de seus executivos financeiros no banco... dos réus.

E também por esses dias, a Polícia Federal desarticulou uma quadrilha que lesava os cofres do governo através de contratos fraudulentos do Ministério do Trabalho com uma ONG fantasma. A quadrilha recebeu R$ 47 milhões para, teoricamente, criar postos de auxílio ao trabalhador no Rio e em São Paulo. Mas o dinheiro público foi transformado em carrões importados na garagem da presidente da ONG. Um funcionário do Ministério do Trabalho e membros da quadrilha foram em cana. A PF prendeu.

Pois bem.

Os diretores do extinto Banco Nacional não passaram nem 24 horas na cadeia. Juízes lhes concederam logo habeas corpus.

Resta saber quando os traficantes internacionais de fuzis e os ladrões do Ministério do Trabalho vão sair da cadeia.

Nos últimos dez anos, a Polícia (do governo) Federal prendeu mais de 3 mil. A Justiça soltou uma penca deles. Os congressistas não se mexem para mudar o Código Penal e o poder econômico continua sendo um passaporte para a impunidade. Se o banqueiro tunga seus clientes e fica solto, que moral o sistema tem para censurar o pé-de-chinelo que pratica a saidinha de banco contra um aposentado?

Depois as pessoas se perguntam por que estão quebrando tudo por aí...

5 comentários:

  1. Mauro Pires de Amorim.
    Estão quebrando tudo por ai, porque as instituições brasileiras, norteadas pela elite de notáveis, continuam apodrecidas, parasitárias e moribundas, no comprimento de suas funções pétreas. Quanto a instituições entendam as públicas e privadas.
    Felicidades e boas energias

    ResponderExcluir
  2. Lembra um nordestino, pele queimada, poucos dentes, aparentando uma idade que nao tinha, com alguns calangos na mao, numa foto publicada no JB provavelmente nos anos 80?
    Lembra do caso? Calango eh (era?) um lagarto protegido pelo Ibama e o cara matou uns para poder matar a fome da familia e foi preso. Dai o juiz liberou o cacador de calangos e encerrou o caso. Agiu com ponderacao e fez o correto.
    Aqui na terra do Marlboro, onde existe a maior populacao encarcerada do mundo, a grande maioria eh composta por afro-americanos e latinos. Ambos, claro, pobres... Aqui (infelizmente) quem tem grana acaba ficando menos tempo em cana.
    Tem tanta gente presa que ja existe um estudo visando mudar algumas leis e transformar tempo de aprisionamento em outro tipo de sentenca para diminuir a populacao encarcerada!
    Mas, continuando, a diferenca maior entre la e ca fica por conta do curto espaco de tempo entre um julgamento e um resultado e, mais importante, pelo fato de nao existir na terra de Marlboro o nosso tao conhecido termo "prescricao do crime". Um crime, nao prescreve! Pode ser que um criminoso venha a ser preso 50 anos apos ter cometido o ato: ele sera preso e ira a julgamento. Tambem vale para essa gente com grana que fica a merce de advogados que entram com os mais variados tipos de recursos, normalmente visando protelar. No Brasil funciona: Se o advogado enrola e o crime prescreve, bye bye! Aqui nao.
    Tudo isso para dizer o que ja disse antes: o codigo penal deve ser atualizado. Os recursos devem ser limitados. A prescricao deve acabar. Nao vao ser algo perfeito apos essas mudancas mas sera muito melhor do que hoje temos o desprazer de acompanhar.
    Quem sabe, um dia??

    ResponderExcluir
  3. Por isso que antes de condenarem os "vândalos" encapuzados, precisamos queimar em praça pública os políticos encapuzados, que enganam o povo com suas votações secretas,
    A PF está de parabéns e os "data vênias" são um fiasco para todos nós.

    Cury
    .

    ResponderExcluir
  4. Quebram tudo porque não sabem votar e reclamam de suas próprias escolhas. Pergunte em plena manifestacao se aqueles que protestam lembram em quem votaram na ultima eleição;
    Quebram tudo porque nao conhecem a origem do movimento "black block", originalmente criado para proteger os manifestantes e só atacar os símbolos do capitalismo;
    Quebram tudo porque não conseguem distinguir um símbolo do capitalismo como um banco ou um McDonald's de um prédio histórico como o teatro municipal.
    Com isso, eles acabam ajudando aqueles contra os quais dizem se manifestar e ja vemos na Bahia e no Rio propostas no sentido de disciplinar as manifestações, inclusive com apoio do ministério público.

    ResponderExcluir
  5. Infelizmente esta absurdidade ainda?! acontece: "o poder econômico continua sendo um passaporte para a impunidade"

    Talvez não seja mais necessária a queima da corja dos políticos de votos encapuzados, se isto vier a acontecer ,de fato:"Brasília, 3 set (EFE).- O plenário da Câmara dos Deputados do Brasil aprovou nesta terça-feira, por decisão unânime dos 452 votantes, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Voto Aberto, que põe fim às votações secretas no Congresso".Oxalá!!!
    Marcos Lúcio

    ResponderExcluir