Translate

segunda-feira, 22 de julho de 2013

O velho Chico

Gostei do papa. Parece um cara legal. Vai ficar mais legal ainda se mandar apurarem a estranha morte de Albino Lucciani, o João Paulo I, poucos dias após o conclave que o elegeu, em 1978. Brincadeirinha.

Francisco chegou e já andou de helicóptero, uma especialidade do governo do Rio...

Reprodução da TV
Bom, eu queria saber por que fecharam metade das ruas da cidade num esquema monstro com 20 mil homens e o papa acabou preso num engarrafamento na avenida Presidente Vargas. Sei que o trânsito do Rio é caótico, mas essa foi demais. Mas foi bom ver o sumo pontífice dando as mãos à multidão que cercava seu carrinho modelo popular. Antes mesmo de conhecer a miséria que ainda campeia por aqui e a falência da saúde pública, ele testemunhou a quantas anda nossa mobilidade urbana.

O clero tentou minimizar a trapalhada no trajeto para não ser deselegante, mas a verdade é que o papa correu grande risco. Quem sabe da quantidade de dependentes de crack no Centro do Rio pode avaliar. O prefeito ficou tão desconcertado que, pouco depois, acabou ofendendo o povo francês durante uma coletiva de imprensa. Questionado sobre os feriados decretados durante a visita papal, simplesmente, Eduardo Paes afirmou que franceses não gostam de trabalhar. Que eu saiba, não gostam é de tomar banho. Para piorar ainda mais as coisas, no dia da missa em Copacabana, o metrô ficou parado por duas horas. E para piorar mais ainda, no final da missa de abertura não havia ônibus e os motoristas de vans cobravam preços absurdos dos peregrinos, que levaram horas para chegar aos seus destinos. É uma ironia que tudo isso tenha ocorrido durante um evento em que as atenções do mundo se voltam para o Rio. Os mais fervorosos dizem que Deus resolveu castigar o governador e o prefeito da cidade, evidenciando suas incompetências.

Desastrosa também foi a Record e o SBT ignorando o acontecimento do dia. Enquanto Globo, Rede TV e Band transmitiam a chegada ao vivo, na Record, Marcelo Rezende até disse que ia mostrar um pouquinho do papa "pra não parecer falta de educação". Depois, voltou logo com seu desfile de crimes habitual e com suas costumeiras broncas no diretor de TV. Mais tarde, no principal telejornal noturno, a emissora da Universal mencionou escândalo no banco do Vaticano e em seguida veiculou uma reportagem favorável à legalização do aborto no Brasil.

O SBT, emissora que seu dono, Silvio Santos, já declarou ser "judaica", preferiu mostrar os barracos do Casos de Família. Pelo menos, não reprisaram Chavez...

A caminho do Palácio Guanabara, o papa desembarcou do helicóptero no campo do Fluminense, que, com o técnico que tem, também espera uma providência divina.

A fala do papa foi bonita. Usou belas imagens e deixou transparecer uma pessoa sensível, ao contrário de seu antecessor carrancudo, Bento 16. Numa singela metáfora, ele disse que bateria devagarinho na porta do coração de cada brasileiro pedindo licença para entrar. Claro que depois de uma rápida olhada na câmera de segurança, todos nós vamos abrir.

Dilma aproveitou sua fala pra deixar claro que apoia as causas das manifestações de rua das últimas semanas, mas não pode negar que as mudanças, apesar de aceleradas nos últimos anos, ainda são muito lentas para tantas mazelas.

Ao contrário do que costuma fazer na sua programação normal, a Globo transmitiu a fala toda da presidente. Foi o primeiro milagre de Francisco em solo nacional. Mas amanhã a emissora retoma sua "programação normal" e volta ao ar a Malhação (da Dilma).

Tanto Francisco quanto a presidente me parecem muito bem intencionados. A emoção de ambos ontem era flagrante. Creio que a maioria dos que estão imediatamente abaixo deles, escolhidos com critérios, estejam igualmente imbuídos de belos ideais.

A coisa começa a complicar a partir do terceiro escalão, tanto em qualquer instituição religiosa quanto em qualquer governo. E tem mais: todo esse papo de fraternidade e de mudar o rumo das coisas no mundo é muito bonito, mas empresário não faz caridade (não como deveria) e quando bilhões de dólares entram em jogo, palavras são apenas palavras.

16 comentários:

  1. " Numa singela metáfora, ele disse que bateria devagarinho na porta do coração de cada brasileiro pedindo licença para entrar. Claro que depois de uma rápida olhada na câmera de segurança, todos nós vamos abrir." Vc é muito engraçado! Ótima postagem, como sempre. Já a imagem do dia é di-vi-na!

    ResponderExcluir
  2. A vinda do papa Francisco pode dar uma reforçada no rebanho que anda desgarrado e atravessando outras porteiras. Afinal de contas no Rio de Janeiro, Simpatia é quase amor, e Francisco ao discursar disse que não tinha ouro, nem prata, mas o amor de Jesus.

    Que o seu amor, simpatia e fé sejam prenúncio de dias melhores para anfitriões e visitantes.

    ResponderExcluir
  3. Hoje eu vi a polícia atirando com balas de verdade em manifestantes pacíficos. Vi alguns dos poucos reporteres de verdade que existem nesse país serem presos por fazer reportagens.Vi a OAB virar alvo preferencial da tropa de choque. Vi uma publicação assinada pelo governador que dava ao governo do estado, atravez da CEIV, poder inrestrito de acesso a iformações de usuários na internet, sem qualquer tratamento legal. Vi o caveirão ser utilizado em plena praça pública para desser o cacete na classe mádia, conforme faz na favela. O estado do Rio de Janeiro vive uma ditadura franca e discarada mas isso eu já sei a alguns anos.


    drapetomaniaco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse negócio de a internet poder ser violada é um absurdo.

      Excluir
  4. Papa Francisco já realizou o 1º milagre, fazer os brasileiros gostarem de um argentino. (rsrs)

    Ontem dei carona a um casal de irmãos peregrinos (de Madureira a Laranjeiras), a animação deles contagia qualquer um.
    Sou cristão e acho que as atitudes desse Papa o faz se aproximar de um dos maiores cristãos que existiu, Francisco de Assis.

    Cury

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também testemunhei essa animação e entusiasmo involuntariamente. Por conta da eficiência do nosso Metrô que apagou às 16h, quando os trabalhadores deixavam seus postos - no feriado de fim de dia - e os participantes da JMJ se dirigiam à Copacabana, embarquei no ônibus que mais parecia uma lata de sardinha, ar condicionado sem funcionar, janelas travadas, cobradora sem troco e jovens com um passe na mão que a leitora de cartão magnético não reconhecia. 15 minutos só pra deixar o ponto! Quando começou a rodar finalmente, aquele calor humano concentrado obrigou a tirar o casaco, pois a temperatura ambiente era de verão. Mas a paciência que me faltava a eles sobrava. Abriam espaço para os mais velhos e faziam valer o direito de ocupar o assento preferencial; repreendiam o motorista quando corria; alertavam quando a hora certa de fechar a porta pra não causar acidentes; e cantavam, cantavam, batucavam na lataria, acenavam para quem passava na rua e recebiam até sorrisos em troca... uma festa!

      - esto y la juventud del Papa Francisco - bradavam retumbantes.

      Me lembrei de Coração de Estudante do Milton. "Juventude e fé"

      Excluir
  5. Li o texto, mesmo não sabendo o que comentar: Valeu à leitura. Vida longa ao Argentino mais querido.
    Sergio.

    ResponderExcluir
  6. Poucos perceberam, mas quando o Papa disse que não trouxe nem ouro, nem prata, o nosso "amado" governador, abandonou a cerimônia.

    Cury

    ResponderExcluir
  7. Certamente o papa Francisco é muito mais simpático que seu antecessor que, além de tudo, tinha em seu currículo um passado obscuro na juventude nazista, não obstante o fato do atual papa também ter sido acusado de participação como caguete a serviço da ditadura argentina. Mas que ninguém se iluda, pois, a igreja, com a sua milenar experiência em direcionar a história da humanidade, certamente não escolheu à toa um papa latino-americano. Assim como o polonês Karol Vojtyla foi estrategicamente escolhido em um momento de forte transição no Leste Europeu, é fácil imaginar a importância que tem o Brasil como maior potência econômica mundial para a manutenção da influência da igreja no Mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Clistenes, isso foi muito bem sacado, eu não tinha pensado por esse prisma.
      As vocações no Brasil aumentaram muito, e eu continuo a afirmar que ser padre por aqui é um empregão.

      Cury

      Excluir
    2. Como dizia o fatídico Cid Moreira: Estamos de ooooolhooooooo....

      Excluir
  8. Mauro Pires de Amorim.
    É isso aí. Lembro a você que a prática do nepotismo, do uso de cargos como forma de pagamento a alianças e fidedignidades desvirtua instituições de seus projetos e funções, chegando mesmo a comprometer as funções precípuas destas, transfigurando tais instituições e órgãos em meros cabides de emprego e caixa de pagamento e retribuições de favores e apoios.
    Quando tal fato ocorre numa instituição ou órgão público, a situação é mais grave, pois o Estado atua e existe por meio de suas instituições, poderes e órgãos para permear o atendimento, os anseios e desejos de toda sociedade e seus cidadãos, pois afinal, o que sustenta o Estado por meio do sistema tributário, alimentando seu orçamento na quase integralidade, são os tributos pagos pela sociedade, que tem todo o direito de cobrar de quem é por ela sustentada a contraprestação em forma de benefícios, atendimentos e serviços da mesma forma que um patrão ou patroa cobre de seu empregado ou empregada que faça jus ao pagamento que lhe é feito. Essa é uma das nuances cabais do Estado Democrático de Direitos em nossa Era Contemporânea da história e que evoluiu do modelo dos Estados Liberais e das Revoluções Liberais do final do século XVIII, tais quais a Revolução Francesa e a Guerra de Independência e Revolução Norte-Americana, uma vez que marcaram o início da quebrada e queda de modelos de Estado Monarquistas Absolutistas e portanto autocratas, uma vez que constituíam modelos de Estado fechado e voltado para o benefício do grupo que se encontrava no poder. Estados Totalitários ou Ditatoriais também são considerados Estados autocratas, por esta mesma razão, por ser o exercício dos poderes governamentais unicamente voltados para os benefícios do grupo ou grupos que se encontram no poder.
    Portanto, desde o final do século XVIII que existe na história da humanidade essa luta para se mudar a relação do exercício do poder do Estado com a sociedade. Algumas sociedades contemporâneas conseguiram a custo de muito esforço e por vezes até mesmo por meios violentos e sanguinários incutir na mentalidade de suas instituições, principalmente os partidos políticos, enquanto fontes de produção de matrizes de pessoas que vão exercer cargos de poder dentro do Estado, principalmente no Executivo e no Legislativo essa ideia evolucionista. Outras sociedades como a sociedade brasileira ainda estão em processo de transformação, sendo este ainda incerto e que pode ou não consolidar-se, dada a forte tendência e cultura autocrata no exercício do poder estatal, estando inclusive esta incutida na formação e mentalidade dos partidos políticos brasileiros e consequentemente seus políticos.
    Chamei atenção para as Revoluções Liberais do final do século XVIII, mas se analisarmos a história da humanidade, todas as revoltas populares contra seus governantes, até mesmo na época e antes de Cristo, ocorreram por estes estarem achacando seu povo governado por meio do sistema tributário.
    Para concluir, lembro que o Papa não é um mero chefe religioso, ele é também um Chefe de Estado e portanto um chefe político, pois o Vaticano é um Estado, o menor Estado em tamanho territorial do planeta. Com isso todo e qualquer cargo em qualquer escalão exercido na Igreja Católica ou no Vaticano, possuí conotação política.
    Felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir
  9. O Papa Francisco, pela sua simpatia e desprendimento das coisas materiais, reporta-me ao personagem Bispo de Digne. (OS MISERÁVEIS de Victor Hugo. Também o Papa Francisco rejeita toda pompa inerente ao seu cargo máximo e já revelou sua opção pelos pobres e miseráveis. A Igreja Católica, precisa de uma nova orientação para trazer de volta para seu rebanho, um pastor que saiba ouvir e acolher suas ovelhas desgarradas. Yves Rangel.

    ResponderExcluir
  10. Além do vexame ou do show de incompetências (já era previsível, infelizmente), Deus resolveu castigar , também, com chuva e muito frio.
    Marcos Lúcio

    ResponderExcluir