Translate

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Palmas pra ela

A juíza Daniela Barbosa Assumpção de Souza, da 2ª Vara Criminal de Duque de Caxias, condenou Thor, não o Deus do Trovão, o filho do mega-hiper-super-mas-já-nem-tanto-quanto-antes-empresário Eike Batista por homicídio culposo pelo atropelamento de um homem. Laudo comprovou que ele dirigia em altíssima velocidade a sua mercedes.

Thor vai prestar uma hora de serviços comunitários diariamente, durante dois anos, além de ter sua habilitação suspensa pelo mesmo período e pagar multa de R$ 1 milhão.


A Justiça investiga ainda o acordo da família do atropelador com a da vítima, o pagamento de R$ 100 mil a um bombeiro que estava no local do acidente e a atuação de um dos peritos que trabalhou no caso.


Cômica foi a declaração do advogado do réu, para quem Thor só foi condenado "por ser rico".

Se todos os juízes seguissem o exemplo da doutora, o Brasil seria um país muito melhor do que é hoje.


Diante de tantos casos de impunidade, fala-se muito que a lei tem brechas pelas quais os endinheirados sempre escapam, mas essa juíza provou que, quando querem, os magistrados podem sim fazer justiça.

4 comentários:

  1. E o papai do garotinho de ouro vai gastar ainda mais, recorrendo, ate que encontre um corrupto que faca o que eles querem, lamentavlemente. Espere para ver...

    ResponderExcluir
  2. Que a magnífica foto de hoje inspire mais (de preferência quase tooodos)juízes/magistrados a cumprirem com dignidade e/ou ética o papel ao qual se propõe. Como duvido de (quase) tudo, graças a Deus, ´quem viver verá(?!).
    Marcos Lúcio

    ResponderExcluir
  3. Quer dizer que ele foi condenado por ser rico ??
    E se fosse pobre ??
    Morreria atropelado por um rico inconsequente !!

    Cury

    ResponderExcluir
  4. A foto do céu é muito bonita. Essa foto só é possivel no outono.
    Qualquer automovel em alta velocidade torna se uma arma perigosa. Se não fosse essa lei seca já estaria faltando vagas nos cemitérios. O brasileiro é muito irresponsavel.
    Sergio.

    ResponderExcluir