Translate

sexta-feira, 14 de junho de 2013

De carona nos ônibus

É muito fácil políticos que recebem milhões das empresas de ônibus para suas campanhas eleitorais dizerem que o movimento contra o aumento das passagens nas grandes capitais é orquestrado por partidos radicais de esquerda, o que, aliás, é verdade (PCO, PSTU etc).

O difícil é esses mesmos políticos brigarem com as empresas pelos péssimos serviços oferecidos por elas à população, principalmente das periferias, onde a turma acorda antes de o dia clarear para chegar no trabalho às sete da manhã. No Rio, por exemplo, há regiões em que se espera até uma hora para entrar num coletivo superlotado. Além disso, a dupla função de motorista e cobrador é um absurdo que só engorda o lucro das empresas, atrasa as viagens e engarrafa ainda mais o trânsito.

Falar dos serviços ruins e caros do metrô, trens e barcas é até desnecessário diante da situação calamitosa a aviltante dos ônibus. A agência a quem caberia regular os transportes no estado do Rio, a Agetransp, tem uma atuação pífia, para não dizer subserviente às empresas. O prefeito e o governador do Rio... bom, deixa pra lá.

A depredação de portarias, monumentos e, principalmente, caixas eletrônicos foi o que a imprensa privada precisava para desqualificar o movimento e desviar o foco. Ao acusar os manifestantes de vandalismo, os empresários dos meios de comunicação, primos por afeição dos donos de empresas de ônibus, tiram a razão dos justos protestos. O que esperar de um jornal que publicou na primeira página que o preço da passagem nos ônibus com ar condicionado no Rio passaria a ser igual ao dos ônibus sem ar, quando ocorreu justamente o contrário: os quentões é que ficaram tão caros quanto os frescões, que representam menos de 10% da frota. Manipulação braba e muita cara-de-pau para ajudar a limpar a barra do compadre ganancioso...

Ontem, por acaso, vi o jornal da TV Cultura, que é do governo paulista. A âncora, que só falta usar um tucano na lapela, tentava a todo custo desqualificar o movimento, enquanto um professor de filosofia dizia que a reivindicação era mais do que justa. Ao lado dos dois, uma perua criticava o bolsa-família, chamando-o de demagogo, ao mesmo tempo em que pedia a criação de uma bolsa para remédios e outra para transporte. Vai entender...

Mas uma coisa é verdade: os que se aventuram a enfrentar as tropas de choque da PM são na maioria universitários. O trabalhador humilde, que mais sofre com o sistema de transportes desumano, sai do trabalho direto para casa, pois precisa ver a novela das oito (mais conhecida como Jornal Nacional) e dormir para acordar cedo e trabalhar no dia seguinte. Ele não tem tempo de ficar protestando, uma atitude que não está na cultura do brasileiro, infelizmente. De mais a mais, levar uma vida de cão e ainda apanhar da polícia não é algo que atraia as massas, a não ser que falte comida na mesa. Os jovens estudantes, ao contrário, dispõem de tempo e disposição de sobra. Quando entrarem pra valer no mercado de trabalho a coisa muda. Nada torna um homem tão inerte e embotado como uma carteira assinada e uma TV na sala.

Por sua vez, a PM, que parece ser doutrinada para odiar, aproveita a confusão nas ruas para demonstrar todo o apreço que tem por jornalistas, alvos de cacetadas e balas de borracha, principalmente nos protestos de São Paulo.

O governador Geraldo Alkmin e o prefeito Fernando Haddad (que vai ser presidente do Brasil um dia) já descartaram a redução nas tarifas. Isso porque eram só cerca de 2 mil nas ruas a gritar. Se fossem 20 mil, se o povão tivesse se juntado aos universitários, porém, o preço já teria caído, e logo no primeiro dia.

24 comentários:

  1. Parabéns, Migliaccio! De todos os comentários que tenho lido nos mais diversos blogs sobre essa crise, este seu foi o melhor. Por que? Porque misturou na dose certa o político-eleitoreiro com o lado humano e verdadeiro.
    Achei particularmente esclarecedor o parágrafo que explica quem são os manifestantes e o porquê.
    Gostaria de sua permissão para reproduzi-lo (com os devidos créditos).

    ResponderExcluir
  2. Gostei da parte que fala; Nada torna um homem tão inerte e embotado quanto carteira assinada e TV na sala.
    Sergio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também concordo com o Sérgio...de todo o texto com excelente análise real da situação... que gostei imenso(como dizem os portugueses), destaco, também, esta frase lapidar. A bela foto não poderia - em hipótese alguma e literalmente - ser mais Rio e mais Acima.
      Marcos Lúcio

      Excluir
  3. Achei o comentário pouco abrangente Marcelo. Por mais que o movimento seja justo, e eu já participei de alguns desse tipo na época das greves gerais no Brasil, outros aspectos precisam ser destacados: 1) O aumento em São Paulo, onde começaram as manifestações, já estava programado para janeiro desde a gestão passada do Kassab e foi adiado a pedido da Presidenta; 2) Tanto foram os aumentos nestas gestões catastróficas na prefeitura de São Paulo (Pita, Serra, Kassab), bem maiores que os 6,5% atuais e nunca se viu tamanha revolta por parte dos paulistas, por que só depois que o Haddad assumiu; 3) Para que o movimento não seja rejeitado pela sociedade é importante que se tire os baderneiros infiltrados pois, a população em geral não tolera o vandalismo; Diversas greves estão pipocando no governo Alkmin, hospitais, Universidades, etc e por que nãos e revoltar quanto a isso também, e por ai vai...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vejo essas manifestações como atos contra o PT ou o governo. Nem acho que a mídia esteja explorando isso de forma oportunista. Também está respingando, e muito, no Alkmin

      Excluir
    2. A polícia tucana não precisa fazer muita força para estar em evidência quando o tema é intolerancia, truculencia ou desrespeito aos movimentos populares. Mas, ainda acho estranho que só agora no governo do PT em São Paulo toda essa indignação tenha vindo a tona. Meus anos de vida acompanhando a política brasileira me impedem de acreditar que esse movimento passe livre tenha surgido de uma hora para a outra. Tenho quase a certeza de que há direitistas infiltrados no movimento e que esse movimento vinha sendo ocultado pela grande mídia até o Haddad assumir. Aguardemos os próximos capítulos...

      Excluir
  4. Marcelo de deus!!!

    O que foi aquilo? Estou estarrecida com o nível de violência e a esquizofrenia dos comentaristas Globais: gente apanhando, tomando bala e o comentarista, âncora ou o que for, falando do "vandalismo"dos manifestantes. Ele não estava olhando para a tela que sua própria emissora transmitia ao vivo!!!
    Há muito não via isto.
    Cuidado com o cacete, viu? Jornalista e fotógrafo estão apanhando como nunca!
    Abraços fraternos e obrigada pelos sempre lúcidos comentários,

    Wanda Rodrigues

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele olhou o monitor, mas só lê aquela revista para cegos...

      Excluir
  5. haddad presidente...kkkkk essa foi a melhor do ano....kkkkk..."!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Voce deve ter dado este mesmo sorriso quando alguém lhe disse: Dilma Presidenta!!!!

      Excluir
  6. Esse governo é uma balela mesmo, quando ele convoca a população para ir as ruas protestar contra a perda dos royalties, pode fechar ruas, e infernizar o trânsito, mas quando a manifestação é de estudantes, professores, trabalhadores, etc. ele manda sua polícia fazer uma das coisas que mais gosta, baixar a porrada em todos.

    O __uzão ainda quer eleger o Pezão !! rsrs

    Cury

    ResponderExcluir
  7. Seria mais negócio se os estudantes depredassem as residências do governador e do prefeito,com eles lá dentro. Além de fazê-los pensar melhor antes de explorar o povo,ainda conseguiriam o apoio da população. Fica aqui a sugestão.

    ResponderExcluir
  8. " (...) saguão da emergência, quatro estudantes DESESPERADOS.(...) manifestante procurava socorro com a boca ensaguentada. (...) Mais alguns segundos e entraram correndo 4 ou 5 PMs atrás deles(pareciam uns armários). Mandaram que todos saíssem, como se fossem bandidos. (...) os policiais começaram a bater e arrastá-los para fora do hospital. Neste momento, todos que acompanhavam seus doentes gritamos com eles para não surrarem os meninos. (...) Algumas pessoas revoltadas filmaram a truculência.(...)"

    http://www.facebook.com/luciana.boullosa.5/posts/655862371095413

    ResponderExcluir
  9. Folha e Estadão, cientes da doutrina do ódio à que são submetidos policiais, em editorial pediram 'rigor' na atuação. Irresponsáveis.

    Não tem como garantir que numa massa de pessoas, não vai haver um vacilão, um radical, um infiltrado pra fazer merda. Isso fica longe de justificar o absurdo despreparo visto. É bomba atômica contra cuspe a lógica de proporcionalidade dos governantes?

    Cenário um pouco pior é que há muitos relatos de que polícia é que teria chegado tumultuando, pra provocar confusão, aí sim insuflando quebra-quebra.

    De um modo ou de outro, inaceitável acho foi palavra adequada usada pelo ministro da Justiça.

    Entretanto, quando secretário da presidência da República levou bala de borracha no Pinheirinho, em São José dos Campos, presidente Dilma considerou barbárie. Da palavra à ação...Nada. Não sei portanto se 'inaceitável' significa realmente inaceitável ou se não significa nada.

    ResponderExcluir
  10. Camarada jornalista, o que esta acontecendo vai muito mais além que um protesto de univesitários de esquerda pela diminuição do preço da passagem ou uma nova edição de caras pintadas por R$ 0,20. Estive na assembleia e em alguns dos atos esses dias, voltei para a de trem todos os dias para as distante terras da baixada . Nunca vi nada igual na opinião popular. Nunca vi nada nem perto disso. Acho que a primavera esta chegando...

    drapetomaniaco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Logo depois do inverno, certamente. Participei muito destes eventos entre as décadas de 80 e 90 e o espírito é sempre esse, mas como o próprio blogueiro comentou, o grupo é formado apenas por estudantes, sindicalistas e alguns trabalhadores mais engajados e infelizmente não se sustenta por muito tempo...

      Excluir
    2. alexandre clistenes, quero concordar com você mas não é isso que estou vendo nas ruas, no movimento social e nas altas esferado partido do governo não. Vamos ver se 5 ou 10 mil pessoas hoje no maraca te fazem mudar de ideia, ou quem sabe os 30 mil que vão na candelária segunda feira ou as manifestações no Brasil inteiro ou atos em 27 cidades pelo mundo que estão para acontecer. E esse é o inicio e ainda é a copa das confederações... eu mesmo acho que o bicho vai pegar é na copa. Certamente que é um movimento passageiro, mas não é algo localizado como os caras pintadas ou como a instatisfação com alca e fhc. Vai ser algo bem mais amplo e duradouro e certamente vai causar reboliços nesse jogo politico estático que esta o Brasil.

      drapetomaniaco.



      Excluir
    3. Gostaria muito de compartilhar essa esperança em relação a esse movimento. Mas uma passada no no Palavra Livre, anexo a este blog e no viomundo.com.br do Azenha lhe ajudara a dissecar as entranhas do que esta acontecendo. Por mais que ele seja composto em sua maioria por pessoas realmente insatisfeitas e bem intencionadas, há um oportunismo por parte dos partidos de oposição que infiltrados tentam desvirtuar os reais objetivos do movimento e desestabilizar o governo. De outro lado há também agentes policiais infiltrados com a intenção de praticar atos violentos e justificar a reação forte da policia tucana. O apoio internacional obviamente se deve aa facilidade de informação via redes sociais, e pelo apoio de brasileiros no exterior, muitos deles viajando através do Excelente Programa Brasil sem Fronteiras que vem aumentando em muito a possibilidade de intercâmbio para estudantes brasileiros. Seria ingênuo também da minha parte acreditar que o movimento passe livre tenha surgido exatamente agora que o PT assumiu em São Paulo. Em suma, são muitas variáveis e eu prefiro esperar para ver até aonde vai isso.

      Excluir
    4. Não existe, Alexandre Clistenes, isso de partidos infiltrados. O que existe é a militancia legitima de grupos de estudantes, vinculados de uma forma ou de outras diversos partidos e movimentos sociais de esquerda, inclusive divergentes e contraditórios. É uma questão histórica no Brasil e no mundo a indentidade do movimento estudantil e social popular com as organizações de esquerda, anarquistas, etc. O que você realmente não vai ver é a colaboração do DEMo e PSDB. Não se trata de tentar desestabilizar o governo ou o PT. A passagem no trasporte público brasileiro é absurdamente cara. O conluio entre empresas de ônibus e a corrupção governamental, sacramentada pelo modelo de financiamento privado de campanha, é extremamente penoso para a população que vive a merce das piores condições de segurança e salubridade no trasporte. Por essa razão, o movimento não é, nunca foi e não será partidarizado. É popular e horizontal e o que veremos nas próximas semanas é o almento da participação das massas.
      Essa luta é inclusive bem antiga. A primeira vez que senti o cheiro de lacrimogênio na vida foi em um ato na cinelândia, organizado pela militância do PT e em defesa do passe livre para estudantes. Se hoje boa parte da militância do PT e própio PT não esta corroborando a mais que justa revindicação, históricamente defendida pelo partido, é porque estão engessados na governabilidade, garantida pelo dinheiro e cabresto de interesses privados, por exemplo das empresas de transporte. Claro, o preço, se continuar assim, é fragilizar ainda mais os laços com o movimento social e a esquerda.
      Os atos contra o aumento das passagens não são contra o PT. Eu mesmo não sou contra o PT. Votei no PT para a presidência des de que tirei meu título, fiz campanha para o PT em todas as eleições presidênciais que o partido venceu. Não confundo o PT, partido de massas, frente de lutas e grandes avanços, com a direita entreguista, golpista e parasita do PSDB, DEMO e PMDB (nem sempre nessa ordem). Acho inclusive que Dilma ficará intocada com o que esta iniciando nesse país. Mas isso não quer dizer que as elites internacionais e nacionais poderão meter a mão nos dinheiro suado do povo brasileiro, sem que esse diga nada.

      Drapetomanico (troll, só hoje um pouquinho menos roto por conta dos ematomas de balas de borracha)

      Excluir
  11. Bem, eu passei as fontes de informação para que não houvesse dúvidas sobre o que foi dito. Acho louvável a esperança do nobre missivista em relação à perspectiva de mudança, mas assim como ele, conheço essa luta desde a primeira privatização do governo Collor exatamente da Usiminas em cuja manifestação estraguei um sapato chutadto de volta uma dessas bombas e isso foi em 1991, acho eu. Essa manifestação atual é estranha em vários sentidos, a começar pelo aspecto dos participantes, muito parecido com os cara-pintadas ou do "cansei". Mas enfim, vou torcer, sinceramente para que o nobre missivista esteja certo, só não vou contar com isso...

    ResponderExcluir
  12. Caro Alexandre Clistenes, fico feliz que concorde com a causa, embora desconfie dos aspectos. Acompanho o viomundo.com.br diariamente. Se o senhor der uma olhada nesse blog hoje, vai ver que o discurso virou. De cara vai encontrar Marilena Chaui declarando apoio e amores ao movimento. É um erro de análise supor que as movimentações atuais são como os caras pintadas e "cansei''. Aqueles foram movimentos exclusivamente golpistas, elitistas, voltados para a causa débil da moralização política, vastamento apoiados pela mídia, sem interesse e participação popular. A única semelhança é que na vanguarda esta a classe média jovem, universitária e branca. O movimento pela revindicação de melhoras no transporte público se insere no contexto de uma serie de movimentos de causas populares que estarão eclodindo Brasil afora e de movimentos análogos, mundo a fora. Tais movimentos, no Brasil, estarão no centro da atenção internacional, por conta dos eventos que virão e por isso mesmo estarão em conflito com a mídia (mesmo que seus trabalhadores estejam levando porrada da PM). Como você vai ver hoje e quinta feira, o povão vai progressivamente aumentar a participação popular nos atos, isso porque a passagem é muito cara mesmo. Cansei de ver o povo tacar fogo no trem de (onde o Marcelo gosta de passear com a namorada =D ), cair no pau com a PM e chorar fel querendo ir as ruas. Com a divulgação que os atos estão tendo, graças PM e o futebol, a participação popular só cresce.
    Quantos aos possíveis conflitos e desgaste com o governo federal, é bobagem. Os baixo clero do PT esta tendo orgasmos com tudo isso e logo o PT vai estar nas ruas, com seu poder de mobilização e aparelhamento. tudo isso sou vai ajudar os sonhos mais distantes do PT de acabar com o financiamento privado de campanha. É a oportunidade perfeita para o Lindinho e o Addad fazerem capitalização política.
    Em fim, O contexto histórico esta muito propício e a primavera esta vindo.

    PS: Marcelo Migliaccio, vai por essa câmera para funcionar na cadelaria hoje ou vai continuar pegando praia ?!

    Drapetomanico (troll)

    ResponderExcluir