Translate

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Como o Rio é pequeno...

Que coisa mais feia essa prisão do William da Rocinha, líder comunitário acusado de associação ao traficante Nem e que há cinco anos era funcionário do gabinete da vereadora do PSDB do Rio, Andrea Gouvêa Vieira.

Andrea é filha do presidente da Federação das Indústrias do Rio (Firjan), mas, pela sua entrevista ao deixar a delegacia hoje, jamais poderia ganhar a vida como atriz... estava mais sem graça do que a festa dos melhores do Campeonato Brasileiro no Ibirapuera...

Vejam como o mundo é pequeno.

O outro preso com William por ter sido filmado recebendo dinheiro de Nem era funcionário do governo do Estado do Rio, olha só! Segundo a própria assessoria de Sérgio Cabral, o pinta braba começou como zelador mas logo foi promovido a analista de projetos!!!

Há cerca de um mês, dois advogados também muito próximos das altas rodas do governo estadual foram flagrados pela polícia trasportando no porta-malas... o traficante Nem! Foram interceptados pela PM, mas os soldados quase precisaram trocar tiros com policiais civis, que queriam levar o preso graúdo para a delegacia da Gávea.

Se esses advogados estão presos? Acabei de saber que ainda estão... mas a imprensa não se interessou em averiguar suas relações com o poder, assim como passou batida pela estranhíssima carreira do zelador-analista-de-projetos no governo do Estado. Nossa imprensa é muito sagaz quando lhe convém.

Nem, aliás, estaria negociando, na semana anterior, sua reudição com a polícia civil estadual, dizem... mas o secretário Beltrame deu declarações confusas sobre essa versão.

Agora, a vereadora, cujo partido os telejornais e impressos do Rio evitam vergonhosamente mencinoar (pode reparar), diz que alertou o governo do Estado de que ela e seu assessor da Rocinha estariam recebendo ameaças dos traficantes da Rocinha. Sem convencer muito, ela disse aos jornalistas que William era obrigado a aceitar dinheiro de Nem... essa eu nunca vi... veja se traficante vai obrigar alguém da favela a aceitar seu dinheiro. Se ele não gosta, mata. Sai mais barato. E também é estranho que Nem trate seus desafetos à base de uísque Johnny Walker, como aparece no vídeo em que os três adulam um fuzil.

E um jornal carioca contratou um perito em leitura labial que atestou não ter havido qualquer coação na conversa. A certa altura, o chefão do tráfico chega a pechinchar o preço da arma que os dois ilustres queriam lhe vender. Mas o mais importante é que o perito disse que a fita exibida pela polícia foi editada. Por quem? Quando? Que conversas ou nomes teriam sido suprimidos da gravação antes que ela se tornasse pública?

O governo do Estado confirmou rapidamente a tal denúncia de ameaça da vereadora tucana e informou que repassou-a à secretaria de Segurança Pública.

Procurada pela TV Biscoito (que está fazendo uma força danada para tudo isso parecer muito natural), a secretaria de Segurança, pega de surpressa nesse enredo rocambolesco, não conseguiu responder.

Parece que alguém faltou ao ensaio...

Leia também: O governador blindado

2 comentários:

  1. Marcelo, você está um gato nesta foto!!!

    ResponderExcluir
  2. Veja só,um com um bom emprego no governo do Estado,outro,um funcionário de confiança da Vereadora,os dois ligados ao tráfico...
    E eu babaca que sou,jurava que já tinha visto de tudo neste País,politicamente falando.
    Marcelo,desculpe o desabafo,mas eu perdí a teZão de falar mais qq coisa sobre essa vergonha. Boa noite.

    Monica.

    ResponderExcluir