Translate

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

A mola comprimida

"Se você comprime uma mola, chega uma hora em que ela vai se expandir com toda a força reprimida".

Não sei se foi assim, mas foi mais ou menos assim que o ex-governador do Rio Leonel Brizola se referiu ao Plano Cruzado, que tentou acabar com a inflação por decreto durante o governo de José Sarney, quando o custo de vida chegou a subir até 80% ao mês. Claro que a inflação voltou muito mais forte depois do congelamento artificial de preços. Brizola, chamado de pessimista pelos otimistas da época, pais dos coxinhas de hoje, estava certo.

Agora, a frase parece se aplicar à politica de Unidades de Polícia Pacificadora do governo do Rio.

Depois de expulsar o tráfico armado de favelas que estão no roteiro geográfico da Copa do Mundo e da Olimpíada, a Polícia Militar agora está sendo confrontada na maioria delas. Os casos de revolta de moradores contra policiais se sucedem, ao mesmo tempo em que os crimes cometidos nas ruas da Zona Sul tornam-se mais numerosos.

Neste fim de semana, moradores do Alemão atacaram um grupo de dez PMs com paus, pedras e garrafas. Os policiais haviam acabado de dar ordem de prisão a um homem que os insultou, segundo eles, sem motivo.

Na Cidade de Deus ocorreu algo parecido.

Na Mangueira, um puxador de samba que saíra da quadra da escola teve seu carro roubado por homens que ainda lhe deram uma coronhada.

Antes foi no Dona Marta, no Chapéu Mangueira, na Formiga, no Borel...

Em Ipanema, um arquiteto foi morto a tiros numa tentativa de assalto. Há alguns dias, foi uma mulher. Parece que os bandidos querem deixar a população em pânico. Uma espécie de operação visibilidade do crime organizado.

Nas favelas mais distantes, como a Vila Kennedy, quadrilhas trocam tiros em meio aos moradores para dominar a venda de drogas. Os banidos dos morros "pacificados" precisam de novos pontos de venda. A PM entrou, mas nem assim a guerra parou.


Para se capitalizar, o exército da droga desalojado rouba carros e residências no asfalto, sempre com estardalhaço para que a mídia reverbere suas ações. Querem convencer a opinião pública de alguma coisa.

Tiraram os fuzis de algumas comunidades, e isso é elogiável. Mas os governos não têm fôlego para restagar tanta gente do abandono de 500 anos. A mola comprimida é muito forte. É fácil dizer que a revolta nas comunidades é coisa de parente de traficante. Difícil é admitir que o estado só chega ali com a força bruta e não com educação, saúde, cultura e cidadania.

Não resolveremos as coisas com mágicas. A solução, para mim, passa pelo fim de um preconceito, de um dogma.

Legalizem a droga, entreguem o comércio a empresas formadas nas comunidades, e fiscalizadas pelo governo, para absorver os que hoje trabalham no tráfico. Já passou da hora de acabar com essa tutela hipócrita sobre o cidadão. O álcool é difundido e incentivado. Patrocina esportes na TV, mas dizem que as outras drogas são proibidas por fazerem mal à saúde.

Além de acabar com esse tabu, invistam muito mais em educação e saúde. Parem de roubar os cofres públicos, democratizem os meios de comunicação e reformem o Código Penal para que ricos também fiquem presos.

Ai, sobrarão só os bandidos-bandidos, como acontece nos países que respeitam os direitos individuais.

Comunidade Dona Marta, em Botafogo, no Rio de Janeiro. Foto de Marcelo Migliaccio
Problemas na fronteira entre a Bélgica e a Índia

19 comentários:

  1. Atiraram a queima-roupa. A poucos metros dispararam balas de borracha contra moradores. O quê mídia e governos estão incentivando é um verdadeiro golpe de Estado. Por enquanto imprensa muda, enquanto o refresco é no dos outros.

    ResponderExcluir
  2. "Uma mola encolhidaaaa..." é coisa de Lulu Santos.
    Ao sufocar, tirando o oxigênio, deixaram apenas o nitrogênio que não sabiam(?) que era explosivo!
    Dá nojo ler jornal hoje em dia, vemos um quasímodo-castrato-hipócrita no muro, vemos que falta verba para proteger os juízes, que na Bahia, 'acertam na loteria' (compram bilhetes, como qualquer anão do orçamento), no RJ morrem quando não compactuam com os engavetadores gerais do governo...
    São 40, 50 anos de hipocrisia, a pavimentação do PSDB para o PT empurrar a carroça, por ter número de fiscalizadores, ou militantes, foi um bom começo, mas fica fácil perceber que as fundações do pavimento são habitadas por parasitas que se alimentam de obras superfaturadas, notre dame se tornou um estádio de futebol! Os militantes sentem nojo da carroça que fede e range, rangido esse que se confunde com o rosnado daqueles que não estão ali para cuidar de ovelhas...

    ResponderExcluir
  3. Boa noite. Sou contra a liberação. Saúde acima de tudo. Temos corrupção no nosso sistema de saúde,imagine num processo de distribuição de drogas. Temos problemas de origens coloniais: preconceito,rebeldia social plantada pelos métodos sociais de gerações e a conivência da lei aos ladrões e corruptos ricos,de berço de ouro . Se importarmos processos de países que gozam de estabilidade social,inclusive por terem explorado suas colônias,é garantia de problemas sofisticados. O tráfico nos paśes vizinhos sentir-se-ia no céu. Já imaginou,que potencial logo ao lado? Iriam se preocupar menos e pentrar na Europa e Estados Unidos. O viciado aqui,ao invés de pegar umazinha, pagaria um tanto por fora para ter mais.... Ou há a ilusão de que com um processo semelhante a alguns países europeus o raio da corrupção vinda naturalmente,por séculos de colonização e irrigada durante nossa história não iria acontecer?
    Sempre digo: saúde para todos,educação, cidadania. Prazer é possível sem bagulhos,que geram o lucro para terroristas que apavoram Bélgicas ,Índias e fronteiras, sem deixar sequelas familiares e sociais irrecuperáveis.
    Se cada um se localizar, se conscientizar e ver o que uma apertada ou cafungada gera além do transe, pensando no seu bem próprio,poderemos ter uma sociedade um tanto mais centrada,sem mêdo do dia-a-dia e da vida. Fé...

    ResponderExcluir
  4. Teoricamente você está certo,quanto a liberação da droga,mas não estamos preparados para isso,não acredito que funcionaria de forma tão simples assim.Educação e saúde é o minimo para se ter uma vida digna,todos sabem,inclusive quem governa,quem tem o "poder" nas mãos,só não existe interesse em fazê-lo.Parar com a roubalheira e reformar o Codigo Penal...sonho distante ! Muito menos interesse ainda.

    ResponderExcluir
  5. Liberar a droga é parar de suprir caixa dois para os quasímodos...
    Educação acima de tudo. Lutariam por saúde.

    ResponderExcluir
  6. Não Marcelo,qq coisa,mas a legalização da droga não,por favor.A gente já tem problemas demais no nosso País.Veja a pacificação dos Morros,todo mundo acreditou num resultado satisfatório,e o desfecho negativo tá aí... Boa noite.
    Monica.

    ResponderExcluir
  7. Meu caro...concordo em parte com você mas só acreditaria em condições mais civilizadas ou mais dignas de vida, se (sonhar não custa nada...)os políticos fossem obrigados, por lei, a matricularem seus filhos so e exclusivamente, em escolas públicas, onde, naturalmente, os professores seriam super bem capacitados e super bem remunerados. Além disto, teriam de tratar da saúde dos seus queridos familiares em hospitais idem.Se este milagre ocorresse, país melhor seria difícil de encontrar.

    ResponderExcluir
  8. "Cortina de Fumaça" em cartaz no Cine Jóia, em Copa.

    ResponderExcluir
  9. Enfim a verdade está vindo a tona agora para os alienados, já que a mídia do biscoito enfim começa a falar sobre o assunto.
    Quem nunca experimentou "droga" por pura ignorância e caretice e não tecer comentários sobre o assunto, é como se um analfabeto quisesse falar sobre procedimentos cirúrgicos! Vocês não veem que as substâncias ilícitas são legalizadas por serem usadas a toda hora e em todo lugar? Sou a favor da separação da cannabis do mesmo saco das outras "drogas", pois não precisa-se comprar de traficantes, cooperativas ou do governo, cada um planta a sua para consumo, independência total, como a plantação de alimentos deveria ser também, livrando muitas pessoas de trabalho escravo.
    A outra questão que se aborda é sobre a Bélgica e a índia, muito relevante. a hipocrisia que deve cair é da enorme desigualdade social que na verdade só aumenta, falam que o mais pobre agora tem seu bolsa-esmola, mas os mais ricos que ganham com o tal "crescimento", é a velha só ganha dinheiro quem já tem dinheiro. Enfim, enquanto os bacanas nunca abrirem mão tem um pouco de suas gordas montanhas de papel(dinheiro) e redistribuí-las de maneira mais equivalente, aumentando o salário minimo, diminuindo margens de lucro, compartilhando seus lucros com seus funcionário(PL), esse abismo vai aumentar. Senão teremos mesmo o nivelamento social através da quebra do sistema financeiro, onde os bancos irão falir, levand as gordas poupanças dos riquaços pelo ralo, afinal com tanto tempo guardado e inutilizado, Deus vai pegar o empréstimo de volta. PAZ E TODOS, CONHEÇAM ZEITGEIST E O PROJETO VENUS

    ResponderExcluir
  10. "(...)The results of two encouraging cannabis studies were released in late July, with one suggesting that marijuana can be used to curb cocaine addiction while the other reports that pot use is not linked to long-term cognitive dysfunction.(...)"

    http://hightimes.com/news/mmiller/7222

    ResponderExcluir
  11. Para os que acreditam que a proibição da droga é algo bom para o povo, questão de saúde pública, etc, recomendo a leitura:

    http://www.pbs.org/wgbh/pages/frontline/shows/drugs/special/us.html

    http://www.dailykos.com/story/2007/12/12/420107/-CIA-Torture-Jet-wrecks-with-4-Tons-of-COCAINE

    E caso isso não for o suficiente, procurem "war on drugs" em qualquer portal de pesquisa.

    ResponderExcluir
  12. Ah, sim, pergunto eu se moderação é uma forma de censura...

    ResponderExcluir
  13. Eu acho que o Brizola conseguiu se vingar do Rio de Janeiro se fazendo amigo dos Cariocas.Foi depois de seu governo que a bandidagem cresceu tanto. Ele se vingou do Rio porque foi a elite carioca que apoiou o golpe militar de 64 tirando o poder de seu cunhado João Goular.( Roberto Marinho,Carlos Larceda ( que foi um dos maiores estrategistas do Brasil), entre outros. Sou contra a liberação das drogas,o que devemos é culpar o consumidor o tempo todo pela violência do Rio.( Não existiría demanda sem cliente.)

    ResponderExcluir
  14. Anônimo 07/09/11 00:06, vamos por partes...
    Brizola era um idealista inseguro-medroso e por causa disso centralizador e egoísta, devia morrer de ciúmes de João Goulart, por esse ser mais flexível, negociador menos infantil, menos radical, capaz de estar hoje com Kissinger e amanhã com o par chinês, sem parecer falso, mas sim, político, representante de um povo.
    Os militares não perceberam que o 'discurso comunista' do Goulart, não estava eivado de ódio contra os 'abençoados protegidos pelos padres e pela infantaria', o discurso de Goulart era uma resposta aos discursos radicais de Brizola, que o provocava na época, induzindo o povo ao erro na forma de perceber seu governante, assim como parte da Mídia vende Dilma para determinadas classes sociais. Brizola contaminou os discursos de Goulart, talvez em um processo inconsciente, mas com certeza eivado de inveja.
    Vamos reler a História com atenção, eu acredito que toda informação DEVA ser livre, entretenimeno, não necessariamente. entretenimento DEVE pagar imposto, assim como qualquer forma de religião ou culto, deve ser tributada, principalmente, sobre tempo de existência e de sua manutenção.
    Sabemos que nesse tempo de mudanças, você pode ou deve rever seus conceitos, pois Álcool deveria ser classificado como droga pesada, mas não o é, cigarro, nos EUA, já é, admitido em julgamento (vide 'Obrigado por Fumar"). A proibição merece ser vista da ótica de Al Capone. Apreende-se cigarros vindos do Paraguai também, sabia? Amanhã vão proibir o açúcar, e aí você acha que Gadhi vai surgir para dar o exemplo?
    Nossa história se escreve com atitudes, e mesmo o meio sendo suspeito, sabemos que existem pessoas boas em todo lugar.
    http://glo.bo/qMKdKl
    Não acredite em nada que eu escrevi, verifique se existe alguma verdade aqui, faça da metodologia científica sua religião, não se deixe levar por argumentos, comprove, busque a verdade. Pesquise como um cientista.

    ResponderExcluir
  15. Prá quem acreditava na pacificação do Alemão, os fatos de ontem(06/07/2011), nos mostram a real situação: O complexo de favelas continua em chamas. primeiro montam a farsa, depois reprimem a população. Agora a blindagem dessa mentirada toda está rachando e cada vez mais não vai dar prá esconder da população. Como pode? o local estava sendo "pacificado" pelo E.B, haviam eliminado o tráfico local, o que explica a insurgência contra as "forças de pacificação" na véspera de uma data simbólica como o 7 de setembro? "Existe algo de podre no reino da Dinamarca".

    ResponderExcluir
  16. No meu corpo mando eu. Uso o que quiser e bem entender e não derramei uma gota de sangue sequer. A guerra interessa a banqueiros, latifundiários e políticos. Só burros e mal-intencionados não percebem.

    ResponderExcluir
  17. Concordo com vc.Eu também não acredito na ideologia praticado pela I.católica;principalmente porque a sede está em Roma.E o mesmo que inventar o Lulismo e colocar a sede na Espanha. Agora eu amo o Rio e só quero que ele dê certo.O Rio é a vitrine do Brasil se as coisas funcionarem aqui podería sevir de exemplo para o resto do Brasil. Infelizmente nós os pobres mortais ,lutamos contra moinho de vento. Um abraço a todos e feliz festas pátrias.

    ResponderExcluir
  18. Caro Migliaccio,
    Leio constantemente seus textos, eles são bons, fogem das coisas óbvias. Porém, quero fazer uma observação: VILA KENNEDY NÃO É FAVELA! É um conjunto habitacional construído na década de 1960 com financiamento do governo estadunidense John Kennedy, o programa chamado "aliança para progresso" foi a maneira que encontrada pelo referido presidente para que os países da América do Sul se sujeitasse aos EUA em meio a guerra fria. A Vila Kennedy, ao contrário das favelas é urbanizada, com avenidas e ruas, o que acontece é que, como ocorre em quase todo Rio de Janeiro, alguns pontos desse sub-bairro de Bangu, foram invadidos e se formaram algumas favelas, como: V. Progresso, Metral e Alto Kennedy. Por favor, não cometa o mesmo erro que a mídia "oficial" comete. A Guerra não é pelos pontos de drogas da V. Kennedy, e sim pelos pontos de drogas nas favelas da V. Kennedy. Quando existiam conflitos nas favelas da Z. Sul, ninguém dizia que era pelo controle dos pontos de drogas de Copacabana ou Ipanema. Portanto, vamos fazer o mesmo pelo simpático bairro da Zona Oeste, Vila Kennedy.

    ResponderExcluir
  19. Ok, Rosan, obrigado pela correção. Abraço

    ResponderExcluir