Translate

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Sobre a crise nas bolsas de valores

No colo da Gisele Bundchen

Vou-me embora pra Pasárgada
Manuel Bandeira


Vou-me embora pra Pasárgada

Lá sou amigo do rei

Lá tenho a mulher que eu quero

Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada

Aqui eu não sou feliz

Lá a existência é uma aventura

De tal modo inconseqüente

Que Joana a Louca de Espanha

Rainha e falsa demente

Vem a ser contraparente

Da nora que nunca tive

E como farei ginástica

Andarei de bicicleta

Montarei em burro brabo

Subirei no pau-de-sebo

Tomarei banhos de mar!

E quando estiver cansado

Deito na beira do rio

Mando chamar a mãe-d'água

Pra me contar as histórias

Que no tempo de eu menino

Rosa vinha me contar

Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo

É outra civilização

Tem um processo seguro

De impedir a concepção

Tem telefone automático

Tem alcalóide à vontade

Tem prostitutas bonitas

Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste

Mas triste de não ter jeito

Quando de noite me der

Vontade de me matar

— Lá sou amigo do rei —

Terei a mulher que eu quero

Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada.


Texto extraído do livro Bandeira a Vida Inteira, Editora Alumbramento – Rio de Janeiro, 1986, pág. 90

6 comentários:

  1. Meu poeta preferido, amigo do meu escritor favorito, Nelson Rodrigues.
    Eu acho que estou na minha Pasárgada, mas a vontade de voltar para o Rio é enorme. Apesar do caos, de imagens como essa, da violência... Talvez a Pasárgada esteja, na realidade, dentro de nós.

    ResponderExcluir
  2. Caro Marcelo,

    Nessas horas só mesmo Pasárgada, ou Macondo.

    Abraço de sempre

    www.aovinagrete.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Marcelo,a foto foi você quem fez ? Fiquei observando com tristeza e sensibilizada com a situação desse nosso irmão,ali sozinho,tão carente de tudo... e muitos tão preocupados com a perda de seus milhões no cassino da bolsa de valores.

    ResponderExcluir
  4. Foi, Teresa, numa esquina de Copacabana naquele dia mesmo. E aquele empresário dizendo que gelou porque perdeu não seis quantos bilhões na bolsa

    ResponderExcluir
  5. Linda foto !Profunda lucidez e sensibilidade,diante desse tempo em que o egoísmo impera e a preocupação em TER e POSSUIR é maior do que SER e DOAR.

    ResponderExcluir
  6. Vi cenas parecidas e até piores em Paris e em Londres.

    ResponderExcluir